Sensibilidades e subjetividades na arte de partejar

memórias de parturientes no Piauí, século XX

Autores

  • Maria Arthuane Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.34024/hydra.2022.v6.13562

Palavras-chave:

Parteiras. Mulheres. Sensibilidades. Memórias.

Resumo

O presente artigo aborda memórias de mulheres a partir de setenta anos que conviveram com o antigo ofício de partos realizados por parteiras. As parteiras são personagens da história que merecem ter seus trabalhos e esforços contados por ampararem diversas mulheres ao longo dos anos. Partindo disso, nada melhor do que conhecer suas práticas a partir das memórias de mulheres assistidas e ajudadas por elas. Sendo assim, buscamos nesse artigo realizar uma análise de narrativas para que possamos compreender as técnicas e práticas desenvolvidas no ofício da parturição e problematizar as subjetividades dentro das relações femininas. A partir de entrevistas que foram apuradas em 2018, nas comunidades Salinas e São Bento, Piauí.

Referências

Referências:

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 2012

BRENES, Anayansi Correa. História da Parturição no Brasil, Século XIX. Cad. Saúde Pública vol.7 no.2 Rio de Janeiro Apr./June 1991.

DURKHEIM, Émile, 1858-1917. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália / Émile Durkheim ; tradução Paulo Neves. – São Paulo: Martins Fontes, 1996.

FOCAULT, Michel. História da sexualidade, 3: o cuidado de si / Michel Focanh: Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque: revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque - Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade / Stuart Hall: tradução Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro - 11, ed. - Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOBSBAWM, Eric. Introdução. In: HOBSBAWM, Eric. RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1984.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. São Paulo: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

LE GOFF, Jacques. “História e memória”. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Por uma história das sensibilidades: em foco - a masculinidade. Questões & Debates, Curitiba, n.34, 2001.

MONIZ, Jorge Botelho. Múltiplas modernidades, múltiplas secularizações e secularização contextual: novas perspectivas sobre o estudo sociológico da religião. Religião & Sociedade, v. 37, n. 3, p. 125-149, 2017.

PESAVAVENTO, Sandra Jatahy. Sensibilidades no tempo, tempo das Sensibilidades. Nuevo Mundo Mundos Nuevos. Colloques, mis em ligne le 04 février 2005.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de junho de 1944): mito e política, luto e senso comum. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína (orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV. 1996

RECHIA, Karen Christine. Memória e experiência: narrativas femininas sobre uma prática cultural. MÉTIS: Jul./dez. 2007. v. 6, n. 12, p. 91.

ROLNIK, Suely. Subjetividade e história. Rua, Campinas, SP, v. 1, n. 1. p. 49 - 61, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

VIEIRA, Elisabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002.

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Arthuane, M. (2022). Sensibilidades e subjetividades na arte de partejar: memórias de parturientes no Piauí, século XX. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 6(11), 116–138. https://doi.org/10.34024/hydra.2022.v6.13562

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.