É do mar que se avista a cidade:

as implicações sociais do uso dos banhos de mar na construção do “novo” Recife

  • Bianca Cruz dos Anjos Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Banhos de mar; História da Saúde; Recife

Resumo

A articulação entre médicos e Estado, vigente no século XIX, propiciou os cuidados com a saúde e higiene pública, bem como a preocupação de “embelezar” e “civilizar” as cidades. Alinhados a esse quadro social, os avanços da medicina permitiram a descoberta sobre o uso dos banhos de mar no combate a diversos males. Esse recurso terapêutico é amplamente difundido na Europa, chegando até o Brasil e as principais metrópoles do país, como Recife. As transformações ocorridas nessa época envolviam uma noção de dualidade,  isto  é, o confronto  entre  o  “velho”  e  “novo”,  as  visões  sobre  si  e  sobre  os  outros  através  do  ritmo acelerado  do  tempo  e  das  modificações  nos  espaços  de  convivência. Apoiado nos livros e nos jornais, o trabalho pretende perscrutar a importância do o uso dos banhos salgados para fins terapêuticos, ressaltando também que contato com o ambiente praieiro é relativamente curto na história da sociedade  brasileira,  sobretudo  para  a  história do Recife, além de propor uma análise histórico-social da implantação do discurso higienista, advindos do processo de modernização, como fator atuante para a compreensão das relações e percepções sobre a praia e os banhos de mar.

Referências

ALMEIDA, Aline Barreto de; OLIVEIRA, Ana Maria Braga de; ARAÚJO, Emanuelle Torquato de Bezerra; GUEDES, Tâmara Albuquerque Leite; CÁRDIA, Maria Cláudia Gatto. Talassoterapia. Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2004.

ANNAES DA MEDICINA PERNAMBUCANA (1842-1844), 1977. Estudo introdutório do Prof. Leduar de Assis Rocha. Recife: Secretaria de Educação e Cultura.

ARAÚJO, Édson Augusto Leôncio de. Ritmos e ritos da cidade: modernidade e modernização em Limoeiro-PE, 1880-1950. 2014. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. A vida ao ar livre: os banhos de rio, de mar e de sol. CLIO. Série História do Nordeste (UFPE), v. 2, p. 155-184, 2007.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa. Cultura da praia: urbanização, sociabilidade e lazer no Brasil, 1840- 1940. Acta Científica XXIX Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. Facultad de Ciencias Sociales de Chile. p.1-8. 2013. Disponível em: <http://actacientifica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT23/GT23_deCassiaBarbosa.pdf>.

ARAÚJO, Rita de Cássia Barbosa de. As praias e os dias: história social das praias do Recife e de Olinda. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2007.

ARAÚJO, Silvera Vieira De. Entre o poder e a ciência: história das instituições de saúde e de higiene da Paraíba na Primeira República (1889-1930). 2016. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Recife, 2016.

FARIAS, Gomes Rosilene. Epidemia e poder no Recife Imperial. CLIO: Revista de Pesquisa Histórica, n°. 34.1. UFPE, Recife: Editora Universitária, 2016.

FARIAS, Gomes Rosilene. Epidemia e sociedade no Recife Imperial. Arquivo Público Estadual Jordão Emereciano. In: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, 2011.

FREITAS, Joana Gaspar de. O litoral português, percepções e transformações na época contemporânea: de espaço natural a território humanizado. Revista de Gestão Costeira Integrada - Journal of Integrated Coastal Zone Management, vol. 7, núm. 2, 2007, pp. 105-115.

GAMEIRO, Fernanda Isabel Jorge. A oferta de Talassoterapia em Portugal. Dissertação de Mestrado em Turismo de Saúde e Bem-Estar, Escola Superior de Hotelaria do Estoril, 2011, p.39.

LEITÃO, António Martins de Elvas. Climas sob o ponto de vista hygienico e therapeutico. Porto: Typographia Occidental, 1877, prólogo.

LUBAMBO, Cátia Wanderley. Bairro do Recife: entre o Corpo Santo e o Marco Zero. Recife-PE. CEPE/Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1991.

MACHADO, Gisele Cardoso de Almeida. A difusão do pensamento higienista na cidade do Rio de Janeiro e suas consequências espaciais. XXVI Simpósio Nacional de História, 2011.

MACHADO, Helena Cristina Ferreira. A Construção Social da Praia. Sociedade e Cultura 1, Cadernos do Noroeste, Série Sociologia Vol. 13 (1), 2000, p. 201-218.

MACHADO, Maria Rita Ivo de Melo; ANDRADE, Manoel Correia de. As transformações espaciais e territoriais do bairro de Apipucos na cidade do Recife – PE: uma contribuição geográfica aos conceitos de espaço e território. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de março de 2005 – Universidade de São Paulo.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Diario de Pernambuco: Economia e Sociedade no 2º Reinado. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1996.

MELO, Victor Andrade de. O mar e o remo no Rio de Janeiro do século XIX. Revista de Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 23, p. 41-60, 1999.

NORTON, Luiz. A corte de Portugal no Brasil; (notas, alguns documentos diplomáticos e cartas da imperatriz Leopoldina) / Luiz Norton 1ª ed. Ilus.— São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. – (Coleção Brasiliana).

PARAHYM, Orlando. Traços do Recife: ontem e hoje. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1978.

RIAL, Carmen Silvia. O Mar de Dentro: a transformação do Espaço Social na Lagoa da Conceição. 1988. Dissertação de Mestrado. PPGAS/ UFRGS. 1988.

ROCHA, Artur G. G. de L. Discursos de uma Modernidade: as transformações urbanas na freguesia de São José (1860-1880). 2003. Dissertação (Mestrado). Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Recife. UFPE, 2003.

STAROBINSKI, Jean. As máscaras da civilização: ensaios; tradução de Maria Lúcia

Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ZUCCONI, Guido. A cidade do século XIX. São Paulo: Perspectiva, 2009.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Cruz dos Anjos, B. (2020). É do mar que se avista a cidade: . Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 339-367. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10718