Papai Félix e Vovó Thomazia

Curandeiros no Rio de Janeiro da última década do século XIX

  • Fernando Perez da Cunha Lima Faculdade de Direito do Largo de São Francisco - FDUSP
Palavras-chave: História da Saúde, Religiões Afro-brasileiras, Intolerância religiosa

Resumo

Por meio do presente trabalho, pretende-se tecer breves considerações acerca das possíveis relações existentes entre a História da Saúde no Brasil e a História das Religiões Afro-brasileiras. Isto é, a correlação entre o fortalecimento e a institucionalização da chamada medicina acadêmica, ocorrido durante o século XIX, e o recrudescimento da perseguição às práticas populares de cura, notadamente aos feiticeiros e curandeiros de cultos afro-brasileiros. Visa-se, ainda, traçar linhas para que se possa vislumbrar as relações de tais fenômenos com o Direito, precipuamente no que tange às garantias constitucionais de liberdade de culto e a influência da institucionalização da medicina na codificação criminal de 1890. Para tanto, partir-se-á de notícias extraídas do, que relatam episódios dos notáveis curandeiros Papai Félix e Vovó Thomazia, tomados de forma a ilustrar os processos e fenômenos já mencionados.

Referências

BARROS, Marcelo (Org.). O Candomblé bem explicado (Nações Bantu, Iorubá e Fon). Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

CALACA, Carlos Eduardo. Capítulos da história social da medicina no Brasil. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 557-566.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DA CUNHA LIMA, Fernando Perez. Direito e Religião: a intolerância às religiões afro-brasileiras. 05/05/2020. 171 p. Dissertação (Mestrado em Filosofia e Teoria Geral do Direito) – Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

COSTA, VALÉRIA (Org.) Religiões negras no Brasil: da escravidão à pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2016.

LIMA, F. A perseguição às religiões afro-brasileiras à luz da teoria das lutas de classes: uma análise jurídico-literária. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 111, p. 653-691, 9 jun. 2017.

LODY, Raul. O Povo do Santo: religião, história e cultura dos orixás, voduns, inquices e caboclos. 2ª edição. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2006.

MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MASSON, Cleber. Direito penal esquematizado: parte geral – vol. 1, 11ª edição. São Paulo: Método 2017.REIS, João José. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SAMPAIO, Gabriela dos Reis. Nas trincheiras da Cura. As diferentes medicinas no Rio de Janeiro Imperial. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Perez da Cunha Lima, F. (2020). Papai Félix e Vovó Thomazia. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 263-297. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10712