Infância e puericultura em Fernandes Figueira (1920)

  • Fernanda Loch Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: História da Saúde, Fernandes Figueira, Infância

Resumo

Sob uma perspectiva histórica e com base nos pressupostos da história da saúde, da infância e dos estudos de gênero, o presente artigo tem por objetivo apresentar de que maneira o médico brasileiro Fernandes Figueira constrói e propõe para a sociedade, - em especial para as mães, - as práticas de cuidados para com os bebês, e também de que maneira as crianças foram vistas por ele. Fernandes Figueira (1863-1928), formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, especializado em pediatria, teve um grande papel na construção de políticas públicas de auxílio à maternidade e à infância na Primeira República do Brasil (1889-1930). A principal fonte utilizada foi a obra chamada Livro das Mães: Consultas Praticas de Hygiene Infantil, escrita pelo médico em 1910 e republicada em 1920. Este livro se tornou uma espécie de manual para o “bom exercício” da maternidade e dos cuidados para com as crianças. Entre as práticas amplamente divulgadas no contexto higienista brasileiro, está o incentivo à amamentação. Nesse sentido, um modelo específico de mãe e criança são criados. A higiene e a educação são valorizadas nesse novo modelo. Compreender, em parte, como é feita essa proposta médico-pedagógica para a infância, a partir de Fernandes Figueira, é o que almeja esse artigo.

Referências

ANGELO, Adilson de. Que infância, para que criança? Nas sendas da história. Zero-a-Seis. V. 10, n. 18, 2008.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança. Trad. Dora Flaksman. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1986.

BONILHA, Luis Roberto de Castro Martins. Puericultura: Olhares e Discursos no Tempo. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas, 2004.

BONILHA, Luís Roberto de Castro Martins; RIVORÊDO, Carlos R. S. F. Puericultura: duas concepções distintas. Jornal de Pediatra (Rio de Janeiro). 2005; 81, p. 7-13.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 27 abr. 2020.

BURKE, Peter. História e Teoria Social. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

CARNEIRO, Glauco. Um Compromisso com a Esperança: História da Sociedade Brasileira de Pediatria. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 2000.

CIAMPO, Luiz Antonio Del. CIAMPO, Ieda Regina Lopes Del. Curso de Medicina e ensino de Pediatria nas escolas médicas brasileiras. Pediatria 32 (1). São Paulo, 2010.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

DEL PRIORE, Mary. O Cotidiano da Criança Livre no Brasil entre a Colônia e o Império. In: DEL PRIORE, Mary. História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

DONZELOT, Jacques. A Polícia das famílias. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

FIGUEIRA, Antônio Fernandes. Assistência à Infância e particularmente o que se refere às medidas a adoptar contra a mortalidade infantil. Educação das crianças deficientes. Congresso Nacional de Assistência Pública e Privada do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typographia do Jornal do Commércio, de Rodrigues & C., 1908. Acervo Digital de Obras Raras da Fiocruz.

FIGUEIRA, Fernandes. Livro das Mães: Consultas Práticas de Hygiene Infantil. In: SANGLARD, Gisele (Org.). Fac.- Símile. In: Amamentação e Políticas para a Infância no Brasil: A atuação de Fernandes Figueira, 1902 – 1928. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2016.

FOUCAULT, Michel. A Política da Saúde No Século XVIII. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2009.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GÉLIS, Jacques. A individualização da criança. In: CHARTIER, Roger; ARIÈS, Philippe. História da Vida Privada 3: Da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

HOCKENBERRY, Marilyn. J.; WILSON, David; WINKELSTEIN, M. L. Wong. Fundamentos de enfermagem pediátrica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. In: BARROSO, Maria Clara da Cunha Salomão. O uso do Brinquedo Terapêutico pelos acadêmicos de Enfermagem no cuidado à criança hospitalizada. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Enfermagem). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2016.

JAVEAU, Claude. Criança, Infância(S), Crianças: que Objetivo dar a uma Ciência Social da Infância? Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, maio/ago. 2005, p. 379-389.

LOCH, Fernanda. Fernandes Figueira e o Livro das Mães: Maternidade e Assistência à Infância na Primeira República. Sobre Ontens, v. 02, 2019.

LUCA, Tania Regina de. A grande imprensa no Brasil da primeira metade do século XX. Congresso BRASA IX. Nova Orleans, Louisiana, 2008.

MARQUES, Marília Bernardes. Discursos Médicos sobre Seres Frágeis. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000.

MEDRANO, Carlos Alberto. Saúde Pública, Psicanálise e Infância: do Silêncio ao Brincar. História do presente dos espaços para o brincar no campo da saúde. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, Pontes, 1999.

PANCINO, Claudia; SILVERIA, Lygia. “Pequeno demais, pouco demais”. A criança e a morte na Idade Moderna. Cad. hist. ciênc., vol.6, n.1, 2010.

PEREIRA, Júnia Sales. História da Pediatria no Brasil de final do século XIX a meados do século XX. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

PERROT, Michele. Figuras e Papéis. In: História da Vida Privada 4: Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

QVORTRUP, Jens. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n.2, maio/ago. 2010, p. 631-643.

RIVORÊDO, Carlos Roberto Soares Freire de. Pediatria: Medicina para Crianças? Saúde e Sociedade, 7, (2), 1998, p. 33-45.

SANGLARD, Gisele; et. al. Filantropos da Nação: Sociedade, saúde e assistência no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015, p. 145-146.

SANGLARD, Gisele; FERREIRA, Luiz Otávio. Médicos e filantropos: a institucionalização do ensino da pediatria e da assistência à infância no Rio de Janeiro da Primeira República. Varia História, Belo Horizonte, vol. 26, nº 44, jul./dez. 2010, p.437-459.

SANGLARD, Gisele; FERREIRA, Luiz Otávio. Pobreza e filantropia: Fernandes Figueira e a assistência à infância no Rio de Janeiro (1900-1920). Est. Hist., Rio de Janeiro, vol. 27, nº 53, jan. -jun. 2014, p. 71-91.

STEPAN, Nancy Leys. A Hora da Eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

THOMAZ, Luciana Costa Lima. Puericultura: “cultivando” cidadãos mais aptos. Circumscribere.14 (2014), p. 53-62.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Loch, F. (2020). Infância e puericultura em Fernandes Figueira (1920). Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 368-411. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10691