Dor como espetáculo: os maus ares na crise sanitária

  • Gwan Torres UFRPE/ Fundaj
Palavras-chave: Epidemias; Foucault; Octavio de Freitas.

Resumo

O artigo mostra a descrição das epidemias no Estado de Pernambuco retiradas das obras do médico sanitarista Octavio de Freitas entre os anos de 1900 a 1930, bem como conversa com a obra do filósofo Foucault, O Nascimento da Clínica, no que se refere a relação de poder aplicada à figura médica em tempos epidêmicos. Ainda assim, este estudo serve como reflexão para o tempo presente, haja vista a crise sanitária mundial causada pelo Covid-19.

Biografia do Autor

Gwan Torres, UFRPE/ Fundaj

Estudante de licenciatura em História pela UFRPE. Atualmente pesquiso sobre a construção do imaginário racial no discurso jurídico, pelo Pibic/Fundaj/ CNPq.

Referências

BRUNIERI, Cecília M. Uma visão retrospectiva das principais concepções sobre a origem das doenças transmissíveis até o estabelecimento da teoria microbiana em meados do século XIX. Entre teses. Revista da UNIFESP. São Paulo, n. 6, jun. 2016.

COSTA, Anielle de Pina; BRASIL, Patrícia; RIBEIRO, Cláudio Tadeu Daniel. A malária, a doença dos “maus ares” ou a febre dos pântanos. Academia Nacional de Medicina. Disponível em:http://www.anm.org.br/conteudo_view.asp?id=2429&descricao=A+MAL%C3%81RIA,+A+DOEN%C3%87A+DOS+%E2%80%9CMAUS+ARES%E2%80%9D+OU+A+FEBRE+DOS+P%C3%82NTANOS. Acesso: 12 ag. 2020.

FOUCAULT, Michel. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Editora Forense-Universitária, 1977, p. 241

FREITAS, Octavio. Doenças Africanas no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935, p. 11 – 21.

FREITAS, Octavio. Histórico das Organizações Médico-Sanitárias em Pernambuco até 1930. Repartição Sanitária Pan-Americana. Pernambuco, 1935, p. 286-292.

FREITAS, Octavio. Medicina e Costumes do Recife Antigo. Recife: Imprensa Industrial, 1943, p. 207.

FREITAS, Octavio. Nossos médicos e nossa medicina. 1º Ed. Recife: Editora Fluminense, 1904, p. 291.

Hemeroteca Digital Brasileira. Dr. Octavio de Freitas – Almanach de Pernambuco. Recife, 1908, p. 324. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=228443&pesq=%22octavio%20de%20freitas%22. Acesso: 15 maio 2020.

HOCHMAN, Gilberto. Regulando os efeitos da interdependência: sobre as relações entre saúde pública e construção do Estado (Brasil 1910-1930). Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 6, n. 1, 1993, p. 40 -61.

Organização Pan-Americana de Saúde. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus), OPAS/OMS Brasil, maio 2020, p. 29.

PIMENTA, Tânia Salgado. Entre sangradores e doutores: práticas e formação médica na primeira metade do século XIX. Cad. CEDES. Campinas, vol.23, n.59, 2003, p.91-102. ISSN 1678-7110. https://doi.org/10.1590/S0101-32622003000100007.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras,1993.

SCHWEICKARDT, Julio Cesar. Ciência, Nação e Região: as doenças tropicais e o saneamento no estado do Amazonas, 1890- 1930. Rio de Janeiro, Ed. Fiocruz, 2011.

SCLIAR, Moacyr. História do Conceito de Saúde. Rio de Janeiro: PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, 2007, p. 29-41.

TESINI, Brenda L. Coronavírus e síndromes respiratórias agudas (Covid-19, MERS, SARS). Manual MSD versão saúde para a família. University of Rochester School of Medicine and Dentistry, abr 2020, p. 6.

UJVARI, Stefan Cunha. A História e suas epidemias. A convivência do homem com os microrganismos. Rio de Janeiro: Senac Rio; São Paulo: Senac São Paulo, 2003, p. 311.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Torres, G. (2020). Dor como espetáculo: os maus ares na crise sanitária . Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 607-623. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10689