Doenças e causas mortis dos escravizados e libertos de Teresina- PI entre 1869 e 1877

  • Talyta Marjorie Lira Sousa Nepomuceno Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: História, Escravizados e Libertos, Registro de Óbito, Condição de Saúde, Doenças.

Resumo

Um dos principais objetivos do estudo do passado é investigar as permanências e as rupturas ocorridas ao longo do tempo em um dado espaço. O objetivo desse trabalho é analisar a condição de saúde, a causa da morte e as doenças dos escravizados e libertos na cidade de Teresina na segunda metade do século XIX. Escolhemos o recorte espacial e temporal baseados no Livro de Óbito da freguesia de Nossa Senhora das Dores entre os anos de 1869 a 1877, visto que este é o único registro paroquial disponível acerca dos óbitos de escravizados e libertos na cidade de Teresina. No que diz respeito ao levantamento da documentação, recorremos às fontes primárias existentes no Arquivo da Casa Paroquial de Nossa Senhora do Amparo e Arquivo Público do Estado do Piauí. Essas informações nos ajudam a compreender a vida cotidiana e as condições de saúde desses sujeitos históricos que ao longo do tempo, foram anônimos e silenciados por uma produção historiográfica tradicional.

Referências

BARBOSA, Keith; GOMES, Flávio. Doenças, morte e escravidão africana: perspectivas historiográficas. In: PIMENTA, Tânia Salgado et al. Escravidão, doenças e práticas de cura no Brasil. Outras Letras, p. 273-305.

BASSANEZI, Maria Silvia. Os eventos vitais na reconstituição da história. In: PINSKY, Carla Bassanezi; LUCA, Tania Regina de (org.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009, p. 141- 172.

BECKER, Carolina Bittencourt. Um estudo dos escravos a partir dos registros de óbitos (Alegre, Rio Grande do Sul, 1822-1850).2011. Monografia de especialização (História do Brasil). Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

BIBLIOTECA NACIONAL. Coleção das Leis do Império do Brasil.1871, Tomo XXXI, Parte I, Rio de Janeiro, 1871, Lei do Brasil nº 2040 de 28 de setembro de 1871 - Lei do Ventre Livre, Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1871.

BIBLIOTECA NACIONAL. Coleção das Leis do Império do Brasil.1850, Tomo II, Parte I, p. 203-205, Lei Eusébio de Queiroz, n° 581, de 4 de setembro de 1850. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1850.

BRANCO, Pedro Vilarinho Castelo. Desejos, tramas e impasses da modernização (Teresina 1900-1930). In: Scientra et spes: revista do Instituto Camilo Filho, Teresina, 2002, v.1, n.2, p.295-314.

CHAVES, Monsenhor. Obras Completas. Teresina: Fundação Cultura Monsenhor Chaves, 1998.

CHERNOVIZ, Pedro Luiz Napoleão. Dicionário de Medicina Popular: E das ciências assessórias para uso das famílias. 6ª. ed. Pariz: A. Roger & F Chernoviz, 1890.

COSTA, Francisco H. Vaz da. De Relance: a construção da civilidade em Teresina (1900-1930). Teresina: 2009.

CURTIN, Philip. Epidemiology and Slave Trade. In: HEUMAN, Gad J.; WALVIN, James (Ed.). The Slavery Reader. Routledge, London, 2003.

FIGUEIREDO, B. G. As doenças dos escravos: um campo de estudo para a história das ciências da saúde. In: Uma história brasileira das doenças. Rio de Janeiro: Mauad X, 2006. p. 252-273.

FONTINELES FILHO, Pedro Pio. Desafiando o olhar de medusa: a modernização e os discursos modernizadores em Teresina, nas duas primeiras décadas do século XX. 2008. Dissertação (Mestrado em História do Brasil). Programa de pós-graduação em História do Brasil. Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2008, p. 59-60.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, p.203-222.

KARASCH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). Trad. Pedro

Maia Soares. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

LANGAARD, T. Dicionário de Medicina Domestica e Popular. Rio de Janeiro: Tipografia Laemmert, 1873.

LIMA, Solimar Oliveira. Braço Forte: trabalho escravo nas fazendas da nação no Piauí (1822-1871). Passo Fundo: UPF, 2005.

LOTT, Mirian Moura. Fontes paroquiais, suas permanências e mudanças: século XIX. II Simpósio Internacional sobre Religiões, Religiosidades e Culturas. Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados – Mato Grosso do Sul, 2006.

MAGALHÃES, Sônia Maria de. Alimentação, saúde e doenças em Goiás no século XIX. 2004. Tese (Doutorado em História). Departamento de História da Faculdade de História, Direito e Serviço Social. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Franca, 2004, p. 121.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Os registros paroquiais e a História do Brasil. Várias Histórias, nº 31, janeiro 2004.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Dos registros paroquiais à demografia histórica no Brasil. In: Anais de História, Assis, 1983.

NUNES, Odilon. A mudança da capital Teresina e seu desenvolvimento no Império. In: Pesquisas para a História do Piauí. v. IV, Teresina: FUNDAPI, 2007.

POLLACK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p.6.

QUEIROZ, Teresinha. Os literatos e a República. Teresina: EDUFPI, 1996.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar: Brasil 1890-1930.

Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

REIS, Thiago de Souza dos. Doença e escravidão: Vassouras, 1865-1888. XIII Encontro de História Anpuh – Rio – Identidades. Rio de Janeiro, 2008.

ROSA, Maria Cristina; OLIVEIRA, Júlia Carvalho. Doença e escravidão no século XVIII: construindo um quadro nosológico. In: Anais Eletrônicos do 14º Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia. Belo Horizonte, Campus Pampulha da Universidade Federal de Minas Gerais, 08 a 11 de outubro de 2014. Minas Gerais, 2014.

SILVA, Mairton Celestino da. Batuque na rua dos negros: cultura e polícia na Teresina da segunda metade do século XIX. 2008. Dissertação (Mestrado em História Social). Pós-Graduação em História Social. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

STEIN, Stanley J. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

SOUSA, Talyta Marjorie Lira. Filhos do Sol do Equador: as vivências e experiências cotidianas de trabalhadores negros na sociedade teresinense no final do século XIX. Dissertação (Mestrado em História do Brasil), Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2012, p. 83.

TELLES, Lorena Féres da Silva. “Inspeccionada e afiançada por médicos”: amas de leite entre discursos e práticas da medicina (São Paulo, 1880-1920). In: In: PIMENTA, Tânia Salgado et al. Escravidão, doenças e práticas de cura no Brasil. Outras Letras. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016, p.178-208.

TOSTES, Ana Paula Cabral. Um olhar social sobre o século XVIII: os significados da categoria pardo numa sociedade de Antigo Regime. In: Anais do XIV Encontro Regional da Anpuh- Rio de Janeiro, Memória e patrimônio. Rio de Janeiro, 19 a 23 de julho de 2010. Rio de Janeiro, 2010.

VIANA, Iamara da Silva. Doenças de escravizados em Vassouras, 1840-1880: principais causas mortis e suas implicações. In: In: PIMENTA, Tânia Salgado et al. Escravidão, doenças e práticas de cura no Brasil. Outras Letras, 2016, p. 130-149.

VIDE, D. Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Edições do Senado Vol. 79. Brasília. Editora do Senado Federal, 2007.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Lira Sousa Nepomuceno, T. M. (2020). Doenças e causas mortis dos escravizados e libertos de Teresina- PI entre 1869 e 1877. Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 114-148. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10661