Sanatório Domingos Freire (Belém-PA):

um belo edifício varrido de ar e luz ou antecâmara da morte?

  • Livia Gaby Costa Universidade Federal do Tocantins
  • Cybelle Salvador Miranda Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Sanatórios; higienismo; Belém-PA., sanatorium; sanitation; Belém-PA.

Resumo

Este artigo analisa a relação entre a higienização de Belém, e a construção do primeiro sanatório da capital, Sanatório Domingos Freire, inaugurado em 1900. Este equipamento congrega as ações de setorização da cidade modernizada em função da dinâmica proporcionada pela exportação da borracha. Do ponto de vista arquitetônico, a construção situa-se afastada do acesso principal; setorizada rigidamente entre espaços do limpo e do sujo, bem como entre os sexos, princípios compartilhados com outros sanatórios coetâneos no Brasil e em Portugal. Ao percorrer periódicos da época, depreende-se que, a despeito do discurso terapêutico que alude aos avanços da ciência moderna, o sanatório é visto de modo recorrente como local que condena à morte aqueles que para lá são conduzidos.

Referências

ABREU JUNIOR, José Maria de Castro. O vírus e a cidade: rastros da gripe espanhola no cotidiano da cidade de Belém (1918). 2018. 214f. Tese (Doutorado em História Social da Amazônia). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2018.

ARQUIVO DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Fachada do Hospital de Isolamento Domingos Freire. Disponível em: https://www.fgv.br/cpdoc/acervo/arquivo. Acesso em: 20 abril 2020.

AMARAL, Alexandre Souza. Vamos à vacina? Doenças, saúde e práticas médico-sanitárias em Belém (1904 a 1911). Abril 2006. 282f. Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2006.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação formas e transformações da memória cultural. São Paulo: Editora Unicamp, 2011, p. 456.

AUTORA. Sanatório Domingos Freire: memória da exclusão e a criação de novos espaços urbanos na 1ª légua de Belém. Março 2019. 157f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará, Instituto de Tecnologia, 2019.

BRASILEIRO, Carolina da Fonseca Lima. Arquitetura artituberculose em Pernambuco: Um estudo analítico dos dispensários de tuberculose do Recife (1950-1960) como instrumentos de profilaxia da peste branca. 2012. 221f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano do Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Pernambuco, Desenvolvimento Urbano, 2012.

BELTRÃO, Jane Felipe. Cólera, o flagelo da Belém do Grão-Pará. Junho 1999. 246f. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 1999.

BELTRÃO, Jane Felipe; MIRANDA, Cybelle Salvador; HENRIQUE, Márcio Couto. Inventário Nacional do Patrimônio Cultural da Saúde: bens edificados e acervos – patrimônio de/ em saúde em Belém-Pará. Relatório final da pesquisa. Inédito. Belém: Universidade Federal do Pará/Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Rio de Janeiro: Fiocruz, CD-ROM, 2011.

BITTENCOURT, Tania. Arquitetura Sanatorial. São Paulo: São José dos Campos, 1998.

BÓGEA, Marta; ALMEIDA, Eneida. Esquecer para preservar. Arqtextos. Ano 08, dez. 2007.

BONINA, Maria João; GRILO, Fernando. A arquitetura assistencial em Portugal no início do século XX: O Sanatório de Sant’Ana. In: MIRANDA, Cybelle Salvador; COSTA, Renato Gama-Rosa. Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2018, p. 223.

CARDOSO, Eleyson; BRITTO, Rubens da Silva. A febre amarela no Pará. Belém: SUDAM, 1973.

CARVALHO, Pontes de. Hospital de Isolamento: Domingos Freire. Revista Pará-Médico, nov. 1900, p. 14.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 288.

COELHO, Geraldo Mártires. No coração do povo. O monumento à República em Belém 1891-1897. Belém: Paka-Tatu, 2002, p. 28.

COSTA, Alfredo Pereira. O Hospital e sua evolução histórica. Belém: Santa Casa do Pará. 2011.

COSTA, Magda Nazaré Pereira. Caridade e saúde pública em tempos de epidemias: Belém, 1850-1890. 2006. 103f. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Pará, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 2006.

FERREIRA, Carmena Fadul. Produção do espaço urbano e degradação ambiental: Um estudo sobre a várzea do igarapé do Tucunduba. 1995. 176f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 1995.

FOLHA DO NORTE. Verdades Amargas. Folha do Norte. Belém, 14 ago. 1900, s.p.

GODINHO, João. Hospital de isolamento. Revista Pará-Médico. Belém, dez. 1900, p. 39.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

HENRIQUE, Márcio Couto. Escravos no purgatório: o leprosário do Tucunduba (Pará, século XIX). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.19, supl., Rio de Janeiro, dez. 2012, p.153-177.

MIRANDA, Aristóteles Guilliod; ABREU JUNIOR, José Maria de Castro. O Sanatório de Belém: a epopeia – ou via sacra? – de sua construção. Revista Pan-Amazônica de Saúde (Online), v. 2, 2016, p. 13-25.

MIRANDA, Aristóteles Guilliod; ABREU JUNIOR, José Maria de Castro. Hospital de Isolamento Domingos Freire. In: III Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo arquitetura, cidade e projeto: uma construção coletiva, São Paulo, 2014. Disponível em: https://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-3/htm/Artigos/ST/ST-PCI-001-02_%20ABREU%20JR.MIRANDA.pdf. Acesso em: 3 jul. 2019.

MIRANDA, Cybelle Salvador; COSTA, Renato da Gama-Rosa. Apresentação. In: MIRANDA, Cybelle Salvador; COSTA, Renato Gama-Rosa. Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2018, p. 223.

MIRANDA, Cybelle Salvador et al. Santa Casa de Misericórdia e as políticas higienistas em Belém do Pará no final do século XIX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.22, n.2, abr.-jun. 2015, p.525-539.

MIRANDA, Cybelle Salvador; GRILO, Fernando Jorge Arthur; PINHO, Joana Maria Balsa Carvalho de. Classicismo nos hospitais da misericórdia e da beneficência na segunda metade do século XIX: trânsito entre Brasil e Portugal. Artis on, v. 1, 2015, p.

-237.

MIRANDA, Cybelle Salvador. Hospitais na Belém Oitocentista: classicismo e diálogo entre matrizes luso-brasileiras. In: MIRANDA, Cybelle Salvador; COSTA, Renato da Gama-Rosa. Hospitais e Saúde no Oitocentos: diálogos entre Brasil e Portugal. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 2018.

MIRANDA, Cybelle Salvador. Memória da assistência à Saúde em Belém-PA: Arquitetura como documento. In: I ENANPARQ Arquitetura e Saúde: história e patrimônio, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://pt.slideshare.net/bloglamemo/memria-da-assistncia-sade-em-belmpaarquitetura-como-documento. Acesso em: 05 jul. 2019.

MIRANDA, Cybelle Salvador; MONTEIRO, Maria Rocha. Arquitetura assistencial e saúde: discutindo concepções e protagonistas. In: IV Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Porto Alegre, 25 e 29 de junho 2016.

MONTENEGRO, Augusto. Mensagem dirigida ao congresso legislativo do Pará pelo Ex. Sr. Dr. Augusto Montenegro, governador do Estado. Imprensa Oficial do Estado do Pará. Belém, 10 de julho de 1902, p. 62.

MONTENEGRO, Augusto. Mensagem dirigida ao congresso legislativo do Pará pelo Ex. Sr. Dr. Augusto Montenegro, governador do Estado. Imprensa Oficial do Estado do Pará. Belém, 7 de setembro de 1905, p. 75.

PENTEADO, Antônio Rocha. Estudo de Geografia Urbana. 1ª volume, Belém: UFPA, 1968.

RAMOS, José Messiano Trindade. Entre dois tempos: um estudo sobre o bairro do Guamá, a escola “Frei Daniel” e seu patrono. Belém, [s.n]. 2002.

REVISTA PARÁ-MÉDICO. Edifícios Sanitários em Belém. Hospital de Isolamento Domingos Freire. Revista Pará-Médico, abr. 1901, s.p.

SARGES, Maria de Nazaré dos Santos. Memórias do “velho” intendente: Antonio Lemos, 1869-1973. 5 nov. 1998. 304f. Tese (Doutorado em História Social do Trabalho). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 1998.

SANTOS, Roberto. História Econômica da Amazônia: 1800-1920. São Paulo: T. A. Queiroz. 1980, p. 358.

TRINDADE JUNIOR, Saint Clair. Produção do espaço e uso do solo urbano em Belém. Belém: UFPA/NAEA/PLADES, 1997, p. 180.

VIANNA, Arthur. As epidemias no Pará. 2 ed., Belém: UFPA, 1975, p. 157.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo, uma história da higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes, 1996, p. 297.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Costa, L. G., & Salvador Miranda, C. (2020). Sanatório Domingos Freire (Belém-PA): . Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 34-64. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10564