Polo Norte do comunismo?

Os primeiros anos do Partido Comunista do Brasil (PCB) na cidade de São Paulo.

  • Lucas Alexandre Andreto Unesp - Marília
Palavras-chave: São Paulo; Partido Comunista Brasileiro (PCB); Comunismo.

Resumo

Apesar da historiografia contar com razoável produção sobre o Partido  Comunista Brasileiro (PCB), o estudo sobre a atuação local dos comunistas ainda é um campo profícuo de pesquisas. Nesse sentido, a atuação do PCB na cidade de São Paulo na década de 1920 destaca-se por ter sido caracterizada pela historiografia como fraca, apesar de São Paulo ser, na época, a maior cidade industrial do Brasil e com rico histórico de organização dos trabalhadores. Neste artigo pretendemos demonstrar que os comunistas paulistanos tiveram uma ativa atuação na capital paulista durante a década de 1920, participando de importantes acontecimentos políticos e sociais da metrópole, ainda que não tenham conseguido acumular a mesma capacidade de organização e mobilização dos operários que no Rio de Janeiro. 

Referências

ANDRETO, Lucas Alexandre. A formação do Partido Comunista do Brasil (PCB) na cidade de São Paulo (1922 – 1930). Mestrado. Departamento de História, Unesp, Assis, 2018.

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. O ano vermelho: a Revolução Russa e seus reflexos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

BASBAUM, Leoncio. Uma vida em seis tempos: memórias. São Paulo: Alfa-Omega, 1972.

BATALHA, Cláudio. A historiografia da classe operária no Brasil: Trajetória e tendências. In FREITAS, Marcos Cezar de. Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 2001.

BLASS, Leila Maria da Silva. Imprimindo a própria história: O movimento dos trabalhadores gráficos de São Paulo no final dos anos 20. São Paulo: Loyola, 1986.

BRANDÃO, Octávio. Agrarismo e Industrialismo: ensaio marxista-leninista sobre a revolta de São Paulo e a guerra de classes no Brasil. São Paulo: Garibaldi, 2006.

CARONE, Edgard. Classes Sociais e Movimento Operário. São Paulo: Ática, 1989.

CHILCOTE, Ronald. Partido Comunista Brasileiro: Conflito e Integração (1922 – 1979). Rio de Janeiro: Graal, 1982.

DULLES, John Foster. Anarquistas e Comunistas no Brasil (1900 – 1935). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977.

GOMES, Leandro Ribeiro. Libertários e Bolcheviques: a repercussão da Revolução Russa na imprensa operária anarquista brasileira (1917-1922). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Assis, 2012.

KAREPOVS, Dainis. A Esquerda e o Parlamento no Brasil: O Bloco Operário e Camponês (1924 – 1930). Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

NETO, Thomas. Ramos. Algumas observações sobre a fundação do Partido. In Estudos. Edições SAP, Ano I, n. 2, 1971.

PAULILLO, Maria Célia Rua de Almeida. Tradição e modernidade: Affonso Schmidt e a literatura paulista (1906 – 1928). São Paulo: Annablume, 2002.

PEIXOTO, Artur Duarte. Da organização à frente única: a repercussão da ação política do Partido Comunista do Brasil no movimento operário gaúcho (1927 – 1930). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

PEREIRA, Astrojildo. Formação do PCB (1922 – 1928). São Paulo: Anita Garibaldi, 2012.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Estratégias da Ilusão: A Revolução Mundial e o Brasil (1922 – 1935). São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

SCHMIDT, Afonso. Bom Tempo. São Paulo: Brasiliense, 1958.

SENA JÚNIOR, Carlos Zacarias. Podemos escrever uma história dos comunistas brasileiros? Revista Outubro, n. 29, 2017.

ZAIDAN FILHO, Michel. PCB (1922-1929): Na busca das origens de um marxismo nacional. São Paulo: Global, 1985.

ZAIDAN FILHO, Michel. Notas sobre os origens do PCB em Recife. In: BEZERRA, Aurélio Menezes; VASCONCELOS, Maicon Maurício; SANTANA, Rafael. (Org.). Manifestações Operárias e Socialistas em Pernambuco. 01ed. Recife: Núcleo de estudos eleitorais, partidários e da democracia-UFPE, 2012, v. 01, p. 111-126.

Publicado
2020-09-22
Como Citar
Alexandre Andreto, L. (2020). Polo Norte do comunismo? . Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(8), 575-606. https://doi.org/10.34024/hydra.2020.v4.10473