A atuação da medicina e da polícia sobre os loucos sergipanos (1907)

  • Wagner Emmanoel Mestre
Palavras-chave: Loucos, Médicos, Policia

Resumo

O início da república brasileira foi marcado por novas concepções sobre a loucura e os loucos na sociedade. Nesse momento, os médicos começaram a ganhar ainda mais expressão e se aliaram ao governo para tentar conter os grupos considerados degenerados, fazendo um controle sobre a saúde da população. Os loucos se tornaram um problema social e passaram a sofrer um controle da medicina e da polícia, que os retiraram das ruas e passaram a colocá-los em hospícios. O artigo tem o objetivo de discutir a atuação dos médicos e dos policiais sergipanos sobre os loucos que ficavam perambulando pelas ruas, bem como notar qual a solução encontrada para tal fato social. A fonte consultada foi o relatório do presidente do Estado de Sergipe, Guilherme de Sousa Campos, referente ao ano de 1907.  

Referências

ALVAREZ, Marcos César. A criminologia no Brasil ou como tratar desigualmente os desiguais. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 45, nº 4, 2002, p. 677-704.

ASSIS, Machado de. O alienista. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2014.

BARBOSA, Alisson Gonçalves. O povo, os juízes e a polícia: histórias de abuso de poder policial na Bahia 1900-1920. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

BARBOSA, Mario Davi. Originalidade e pessimismo: a recepção da criminologia positiva na obra de Nina Rodrigues. Revista Liberdades, nº 8, setembro-dezembro, 2011.

BARRETO, Lima. Diário do Hospício; O cemitério dos vivos. Prefácio Alfredo Bosi; Organização e notas de Augusto Massi, Murilo Marcondes de Moura. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Biografia dos Desembargadores do Tribunal de Justiça de Sergipe. In: <http://clientes.infonet.com.br/serigysite/ler.asp?id=329&titulo=biblioteca_virtual> Acessado em 08/09/2019.

CABRAL, Mário. Roteiro de Aracaju. 3. ed. Aracaju: Banese, 2001.

CHAZKEL, Amy. Uma perigosíssima lição: a Casa de Detenção do Rio de Janeiro na Primeira República. In: MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos e BRETAS, Marcos Luiz (orgs). História das Prisões no Brasil. Volume 2. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2017.

COSTA, Kátia Regina Lopes. Disciplinar, regenerar e punir: os caminhos do menor delinquente sergipano (1891-1927). Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2013.

COSTA, Kátia Regina Lopes; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. Caminhos para o confinamento: práticas acerca do menor delinquente sergipano (1891-1927). ARACÊ – Direitos Humanos em Revista, Ano 3, Número 4, fevereiro, 2016.

CRUZ, Jeferson Augusto da. O Rio como exemplo: ecos da Belle Époque em Aracaju – SE (1920-1926). Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas científicas, 2014.

DANTAS, Ibarê. História de Sergipe: República (1889-2000). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2004.

Dicionário Biográfico de Médicos de Sergipe. <http://academiasergipanamedicina.com.br/dicionariomedico/dicionario.php?id=31905> Acessado em 17/10/2019.

FAUSTO, Boris. O crime do restaurante chinês: carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FOUCAULT, Michel. A casa dos loucos. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 25 ed. São Paulo: Graal, 2012.

FOUCAULT, Michel. A política da saúde no século XVIII. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 25 ed. São Paulo: Graal, 2012.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da medicina social. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 25 ed. São Paulo: Graal, 2012.

FOUCAULT, Michel. O nascimento do hospital. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 25. ed. São Paulo: Graal, 2012.

FOUCAULT, Michel. Sobre a prisão. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 25 ed. São Paulo: Graal, 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

FRANCO, Emmanuel. O clã do engenho Porteiras. Revista da Academia Sergipana de Letras, v. 1, n°. 35, Aracaju (Sergipe), 2005.

GASPARIN, Marizete. Prazer e Sorte: o jogo do bicho em Porto Alegre (1893-1903). Dissertação (mestrado) – UPF / Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Porto Alegre, 2007.

HERSCHMANN, Micael; LERNER, Kátia. Lance de sorte: o futebol e o jogo do bicho na Belle Époque Carioca. Rio de Janeiro: Diadorim Ed., 1993.

LIMA, Jorgina Tomaceli de Sousa. O início da assistência à loucura no Brasil. Em Debate (PUCRJ. Online), v. 8, 2008.

MAURÍCIO, Juliete Laura Rocha. Positivismo criminológico: as ideias de Lombroso, Ferri e Garófalo. Olhares Plurais – Revista Eletrônica Multidisciplinar, Vol. 1, nº 12, 2015.

MELINS, Murillo. Aracaju romântica que vi e vivi. 3. ed. Aracaju: Unit, 2007.

MELLO, Maria Tereza Chaves de. A modernidade republicana. Tempo: Revista do Departamento de História da UFF, V. 13, p. 2009.

MENEZES, Mozart Vergetti de. A escola correcional do Recife (1909-1929). In: MAIA, Clarissa Nunes; NETO, Flávio de Sá; COSTA, Marcos e BRETAS, Marcos Luiz (orgs). História das Prisões no Brasil. Volume 2. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2017.

NEVES, Marcia das. A concepção de raça humana em Raimundo Nina Rodrigues. Revista Filosofia e História da Biologia, V. 3, 2008.

NUNES, Maria Thetis. História da educação em Sergipe. São Cristóvão: Editora UFS; Aracaju: Fundação Oviêdo Teixeira, 2008.

OLIVEIRA, Daiane de Jesus. “Da arte de curar à prisão de um ocultista”: ocultismo, magia e ciência em Aracaju, SE (1923-1928). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

OLIVEIRA, William Vaz de. A assistência a alienados na capital federal da primeira república: discursos e práticas entre rupturas e continuidades. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, 2013.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro – 1902-1938. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução de Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PETRARCA, Fernanda Rios; SALMERON, Igor; MELO, Dinarty de. Os Médicos em Sergipe: articulações entre profissão, administração hospitalar e política. XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-Alas Brasil. UFPI, Teresina-PI, 2012.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar: Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo, 1890-1930. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

RODRIGUES, Jaime. Alimentação, vida material e privacidade: uma história social de trabalhadores em São Paulo nas décadas de 1920 a 1960. São Paulo: Alameda, 2011.

SAMPAIO, Gabriela dos Reis. Nas trincheiras da cura: as diferentes medicinas no Rio de Janeiro imperial. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

SCOTON, Roberta Müller Scafuto. Trabalho e Saúde Mental na Primeira República. Anais do I Colóquio do LAHES - Laboratório de História Econômica e Social, Juiz de Fora, 2005.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA, Ewerton Luiz Figueiredo Moura da. Do sonho à loucura: portugueses e a doença mental em São Paulo (1929-1939). Dissertação (Mestrado) - Departamento de História da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2015.

SILVA, Henrique Batista e. História da Medicina em Sergipe. Aracaju: Gráfica Editora J. Andrade Ltda., 2007.

SOUSA, Antônio Lindvaldo. Disciplina e Resistência: Cotidiano dos Operários Têxteis em Aracaju (1910 a 1930). Monografia (Bacharelado) – Curso de Bacharelado em História da Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 1991.

STEPAN, Nancy Leys. Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, G., and ARMUS, D., orgs. Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. História e Saúde collection.

WEYLER, Audrey Rossi. A loucura e a República no Brasil: a influência das teorias raciais. Psicologia USP, v. 17(1), 17-34, 2006.

YAZBEK, André Constantino. 10 lições sobre Foucault. 6 ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

Publicado
2020-03-16
Como Citar
Emmanoel, W. (2020). A atuação da medicina e da polícia sobre os loucos sergipanos (1907). Revista Hydra: Revista Discente De História Da UNIFESP, 4(7), 338-365. https://doi.org/10.34024/hydra.2019.v4.10420