Para a perfeita “inteligência” e “harmonia” entre as autoridades: orientações ministeriais em meio à estruturação da Polícia no Império brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34024/fontes.2021.v8.11401

Palavras-chave:

Segurança, Polícia, Brasil imperial

Resumo

Uma nova estrutura de policiamento foi criada nas províncias do Império brasileiro no início da década de 1840. Nesse momento, foram aprovadas leis que especificavam a distribuição das autoridades responsáveis pela segurança, pública e individual, nas diferentes localidades do Brasil e algumas tarefas policiais-judiciárias, como a correspondência sobre fatos delituosos e a elaboração de estatísticas criminais. Em dezembro de 1843, pouco tempo depois de conflitos contra a implementação dessa reforma, o Ministro da Justiça Honório Hermeto Carneiro Leão buscou orientar as autoridades nomeadas pelo governo imperial no sentido de que elas bem desempenhassem suas funções, instruções estas que ajudam a compreender alguns dos princípios em torno da administração da segurança que circulavam na época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, Patrícia Marciano. Cidade da Polícia ou Polícia da Cidade? A Chefatura de Polícia e os imperativos da segurança individual na província do Ceará. Dissertação de Mestrado em História, Universidade Estadual do Ceará, 2016.

BRASIL - Decisões, Decretos e Leis. Coleção das Leis do Império do Brasil (1822-1889). Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/colecao-anual-de-leis. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRETAS, Marcos Luiz; ROSEMBERG, André. “A história da polícia no Brasil: balanço e perspectivas”. Topoi, 14, n. 26, 2013, pp. 162-173.

BUENO, José Antônio Pimenta. Apontamentos sobre o Processo Criminal Brasileiro. Rio de Janeiro: Empresa Nacional do Diário, 1857 (2. ed. cor. e aum.).

BUENO, José Antônio Pimenta. Direito Público brasileiro e análise da Constituição do Império. Rio de Janeiro: Tipografia Imp. e Const. de J. Villeneuve e C., 1857.

CORRÊA, Luis Felipe de Seixas et alii. O Marquês de Paraná. Brasília: FUNAG, 2004.

ESTEFANES, Bruno Fabris. Conciliar o Império: o marquês de Paraná e a política imperial, 1842-1856. São Paulo: Annablume, 2013.

FARIA, Regina Helena Martins de. Em nome da ordem: a constituição dos aparatos policiais no universo luso-brasileiro (sécs. XVIII-XIX). Tese de Doutorado em História, Universidade Federal de Pernambuco, 2007.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. Curso dado no Collège de France (1977-1978). Ed. Michel Senellart. Trad. E. Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HOLLOWAY, Thomas H.. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

HÖRNER, Erik. “Cidadania e insatisfação armada: a ‘Revolução Liberal’ de 1842 em São Paulo e Minas Gerais”. In: Mônica Dantas (org.). Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX. São Paulo: Alameda, 2011, pp. 329-354.

MILLIOT, Vicent. "Mais que font les historiens de la police?". In: V. Milliot e outros (dir.). Métiers de police. Être policier en Europe, XVIIe-XXe siècles. Presses Universitaires de Rennes, 2008.

NETTO, Rodrigo de Sá. O Império brasileiro e a Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça (1821-1891). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.

Organizações e programas ministeriais desde 1822 a 1889. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1889.

Relatórios Ministeriais – Justiça. Plataforma Center for Research Libraries - Brazilian Government Documents. Disponível em: http://ddsnext.crl.edu/titles/107. Acesso em: 02 ago. 2018.

ROSEMBERG, André. De chumbo e festim. Uma história da Polícia Paulista no final do Império. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2010.

SILVA, Wellington Barbosa. Entre a liturgia e o salário: a formação dos aparatos policiais no Recife do século XIX (1830-1850). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SOARES, Joice de Souza. A polícia oitocentista entre a inovação e a tradição. Tese de Doutorado em História, UNIRIO, 2019.

TEIXEIRA, Bruna Prudêncio. Polícia(s) em São Paulo: a Guarda Municipal permanente e as Guardas Policiais (1834-1850). Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de São Paulo, 2019.

ZULLI, André Luís Cardoso Azoubel. Guarda Real da Polícia do Rio de Janeiro: um estudo sobre as atribuições da primeira instituição ostensiva brasileira. Dissertação de Mestrado em História, UNIRIO, 2018.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-08-24