Releitura do pensamento arqueológico no Brasil a partir da obra de Tibiriçá (1935)

  • Danilo Alexandre Galhardo Danilo Alexandre Galhardo Danilo Alexandre Galhardo Mestre em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia da Universidade de São Paulo (USP), atualmente é pesquisador do Scientia – Consultoria Científica.
Palavras-chave: arqueologia brasileira, teoria da degeneração, difusionismo, colonialismo interno

Resumo

A Arqueologia brasileira “pré-científica” e científica sofreu forte influência de paradigmas estrangeiros, paradigmas estes que, muitas vezes, ajudaram a respaldar posturas preconceituosas e ideias degeneracionistas com relação às sociedades indígenas. A revisão de obra proposta tem o objetivo de demonstrar como a adoção, sem uma reflexão apurada, de alguns paradigmas nas explicações arqueológicas foram responsáveis pela consolidação do discurso colonialista interno.

Referências

BARRETO, C. A construção de um passado pré-colonial: uma breve história da arqueologia no Brasil. In: Revista USP, n. 44, p. 32-51, 1999-2000.

BUENO, L.; MACHADO, J. Paradigmas que persistem: as origens da arqueologia no Brasil. 2003. Disponível em:

CARNEIRO DA CUNHA, M. História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

CASTRO, C. Evolucionismo cultural: Textos de Morgan, Tylor e Frazer. São Paulo: Zahar, 2005.

CHADWICK, A. Post-processualism, professionalization and archaeological methodologies. Towards reflective and radical practice. In: Archaeological Dialogues, 10,p. 97-117, 2003.

FAUSTO, C. Ciência de Contrato e o Contrato da Ciência: observações sobre o laudo da empresa Documento sobre a PCH Paranatinga II (rio Culuene, MT). 2006. Disponível em:

FERREIRA, L. Território primitivo: a institucionalização da arqueologia no Brasil (1870-1917), 336f. Tese (Doutorado) – Universidade de Campinas, 2007.

FUNARI, P. P. Arqueologia Brasileira: visão geral e reavaliação. In: Revista de História da Arte e Arqueologia. Campinas, IFCH - Unicamp, n.1, p. 23-41, 1995.

LIMA, T. A. A arqueologia na construção da identidade nacional: uma disciplina no fio da navalha. In: Xingó, Canindé, n.10, p.11-26, 2007.

MENDONÇA DE SOUZA, A. História da arqueologia brasileira. In: Antropologia, n.46, São Leopoldo, Instituto Anchietano de Pesquisas, p. 25-109, 1991.

NOELLI, F. S.; FERREIRA, L. M. “A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira”. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v.14, n.4. 25 p. 2007.

OLIVEIRA, W. C. Caçadores-coletores na Amazônia: eles existem. Dissertação (Mestrado) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, p.12-29, 2007.

PROUS, A. Arqueologia brasileira. Brasília: UnB Editora, 1992.

RENFREW, C.; BAHN, P. Arqueologia: Teoria, métodos y practica. Madrid: Akal, 1993.

SCHMITZ, P. I. Arqueologia no Brasil. In: Revista Habitus. Goiânia, v. 1, n. 2, p. 261-273, 2003.

TIBIRIÇÁ, R. Arqueologia brasileira. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, Departamento de Cultura e de Recreação, ano 2, v. XV, p. 145-155, 1935.

TRIGGER, B. G. História do Pensamento Arqueológico. São Paulo: Odysseus, 2004.

Publicado
2019-03-24
Como Citar
Danilo Alexandre Galhardo, D. A. G. D. A. G. (2019). Releitura do pensamento arqueológico no Brasil a partir da obra de Tibiriçá (1935). Pensata: Revista Dos Alunos Do Programa De Pós-Graduação Em Ciências Sociais Da UNIFESP, 1(1), x. https://doi.org/10.34024/pensata.2011.v1.9303
Seção
Artigos