Isolamento, solidão, morte: os dramas de ser doente renal crônico em tempos pandêmicos

Autores

  • Pedro Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.34024/pensata.2021.v10.13025

Resumo

Embora tenha se tornado uma “pandemia” (do grego, pandemías, “todo povo”), o covid-19 é vivida de diferentes maneiras, sendo o risco de infecção e as medidas preventivas nem um pouco equivalentes entre as pessoas. Trazer a lume tais vivências singulares, como daqueles que portam doença renal crônica, é o objetivo deste artigo. Partindo de entrevistas com um paciente de hemodiálise, realizadas pessoalmente e à distância, monstro a pandemia enquanto processo social multiforme, cujos sentidos e narrativas variam na mesma medida que indivíduos e grupos. Trata-se, enfim, de compreender os impactos do vírus e, sobretudo, do isolamento social, nas vidas que já estavam envoltas por alguma perturbação grave antes da pandemia iniciar, a fim de apresentar uma outra realidade desta, menos global e mais local – mas tão crucial quanto qualquer outra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

Corrêa, P. (2022). Isolamento, solidão, morte: os dramas de ser doente renal crônico em tempos pandêmicos . Pensata: Revista Dos Alunos Do Programa De Pós-Graduação Em Ciências Sociais Da UNIFESP, 10(2). https://doi.org/10.34024/pensata.2021.v10.13025

Edição

Seção

Dossiê
Recebido: 2021-12-07
Aceito: 2022-02-02
Publicado: 2022-04-19