GÊNEROS E SEXUALIDADES DIVERGENTES: ESCOLA E DINÂMICAS DE SUBALTERNIZAÇÃO DA DIFERENÇA

  • Romualdo Sales UFCG
  • Charliton Machado UFPB

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar questões para reflexão sobre como os mecanismos de controle atuam sobre a construção das identidades sociais e sua diversidade, levando em consideração aspectos de gênero e sexualidade. Nossa abordagem dialoga com o trabalho de Foucault, particularmente em relação aos conceitos de aparelho de sexualidade, biopoder e seu gerenciamento. Esses conceitos ajudam a pensar sobre a prática, nas escolas, de técnicas de controle e subordinação contra pessoas que não realizam o roteiro descrito como performatividade binária de gênero e sexualidade. Nesse contexto, apresentamos alguns resultados de uma pesquisa de nossa dissertação de mestrado intitulada: "A diferença vai para a escola: problematizando articulações discursivas e epistemológicas sobre marcadores sociais das diferenças das pessoas no espaço educacional", apresentado em 2019 pelo PPGS-UFPB. Trata-se de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública localizada no município de Remígio, no interior da Paraíba. Em termos metodológicos, esta pesquisa foi desenvolvida por meio de uma abordagem etnográfica, realizada por meio de observação direta e entrevistas com professores e diretores. É importante enfatizar que, nesta escola, a manifestação das diferenças de gênero e sexualidade das pessoas é interpretada por meio de concepções de regime de inteligibilidade binária construídas por discursos normalizadores. Portanto, dentro desse espaço escolar, indivíduos que quebram o desempenho binário de gênero são tratados como subordinados e punidos com retaliação.

Publicado
2020-07-28
Como Citar
Sales, R., & Machado, C. (2020). GÊNEROS E SEXUALIDADES DIVERGENTES: ESCOLA E DINÂMICAS DE SUBALTERNIZAÇÃO DA DIFERENÇA. Pensata: Revista Dos Alunos Do Programa De Pós-Graduação Em Ciências Sociais Da UNIFESP, 9(1). https://doi.org/10.34024/pensata.2020.v9.10484