Caracterização do desenvolvimento motor e crescimento pondero-estatural de lactentes com tuberculose

  • Mariana Fagundes Cinti Unifesp
  • Raissa Felipe Pádua Unifesp
  • Cristina Santos Cardoso de Sá Unifesp
Palavras-chave: tuberculose, tuberculose infantil, desenvolvimento infantil, desenvolvimento motor

Resumo

Introdução. A tuberculose é uma doença infectocontagiosa; na infância é um evento sentinela causado pelo contato com adulto infectado, podendo acarretar atrasos no desenvolvimento motor, cognitivo, de linguagem e social do lactente. Fatores ambientais, culturais e sociais aos quais o lactente é exposto permitem seu desenvolvimento, portanto o isolamento e a visão da família e da sociedade sobre a tuberculose trazem contextos que impedem o relacionamento com outras crianças e outros adultos, podendo causar atrasos. Objetivo. Caracterizar o desenvolvimento motor de lactentes com tuberculose e o crescimento pondero-estatural, em comparação à lactentes sem tuberculose. Método. A avaliação do desenvolvimento motor foi realizada pela Escala Motora de Alberta, as medidas do crescimento pondero-estatural, pelo estadiômetro e balança do tipo pesa-lactente, e essas medidas foram comparadas à lactentes saudáveis. Resultados. A mesma porcentagem de lactentes com desenvolvimento motor suspeito foi observada em ambos os grupos; dois lactentes com tuberculose estão abaixo do peso esperado para idade e sexo. Conclusão. Os resultados não permitem afirmar que as alterações encontradas são decorrentes da enfermidade, pois, a região em que os lactentes e sua família estão inseridos, é de grande vulnerabilidade, e os fatores ambientais têm influência no desenvolvimento motor e antropométrico.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

1.Tuberculose (endereço na internet). Secretaria da Saúde Governo do Estado do Paraná (acessado em: 13/11/2017). Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=939
2.Ruffino-Netto A. Tuberculose: a calamidade negligenciada. Rev Soc Bras Med Trop 2002;35:51-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822002000100010
3.Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. Implantação do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil: primeiros passos rumo ao alcance das metas. Boletim Epidemiológico 2018;49(11):1-18.
4.Alves R, Saar SMA, Sant’anna CC. Principais dúvidas dos pediatras sobre tuberculose em crianças e adolescentes. Resid Pediatr 2018;8:27-37. https://doi.org/10.25060/residpediatr
5.Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
6.Sant’anna CC, Mourgues LV, Ferrero F, Balanzat AM. Diagnóstico e terapêutica da tuberculose infantil: uma visão atualizada de um antigo problema. J Pediatr 2002;78(Supl2):205-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000800011
7.Sant’anna CC. Pulmonary tuberculosis in adolescents: radiographic features. Int J Tuberc Lung Dis 2009;13:1566-8.
8.Sant’anna CC. Quimioprofilaxia da tuberculose. Pulmão RJ 2007;16:82-5.
9.Sant’anna CC, Loboguerrero MA. Tuberculose em Crianças e Jovens. São Paulo: Editora Atheneu; 2015.
10.Fundo das Nações Unidas para a Infância. Situação mundial da infância 2008: sobrevivência infantil. Brasília: Fundo das Nações Unidas para a Infância; 2007.
11.Molina AC, Godoy I, Carvalho LR, Caldas JAL. Situação vacinal infantil e características individuais e familiares do interior de São Paulo. Rev Acta Sci Healh Sci 2007;29:99-106. http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.1077
12.Rugolo LMSS. Importância da monitorização do desenvolvimento em recém-nascidos prematuros. Rev Paul Pediatr 2012;30:460-1. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-05822012000400001
13.Delaney L, Doyle O. Socioeconomic differences in early childhood time preferences. J Econom Psychol 2012;33:237-47. https://doi.org/10.1016/j.joep.2011.08.010
14.Flehming I. Atlas do desenvolvimento normal e seus desvios no lactente: Diagnóstico e Tratamento precoce do Nascimento até o 18º mês. São Paulo: Atheneu, 2005.
15.Castilho-Weinert LV, Lopes HS. Sistema de apoio ao diagnóstico em fisioterapia neuropediátrica. Rev Fisioterap Ser 2010;5:37-42.
16.Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 1998.
17.Gir E, Moriya T. O papel da enfermeira, da auxiliar de enfermagem e do atendente de enfermagem na assistência ao paciente em isolamento de doenças transmissíveis. Rev Esc Enferm USP 1991;25:271-86. http://dx.doi.org/10.1590/0080-6234199102500300271
18.Blawn-Hospers CH, Hadders-Algra M. A systematic review of the effects of early intervation on motor development. Develop Med Child Neurol 2005;47:421-32.
http://dx.doi.org/10.1017/s0012162205000824
19.Contesini LA, Sinhorini IR, Takiuchi N. Desenvolvimento global e de linguagem em crianças nascidas grandes para idade gestacional: relato de três casos. Rev CEFAC 2006;8:272-80.
20.Piper MC, Pinnell LE, Darrah J, Maguire T, Byrne PJ. Construction and validation of the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Can J Public Health 1992;83:46-50.
21.Piper MC, Darrah J. Motor assessment of the developing infant. Alberta: Saunders; 1994.
22.Saccani R, Valentini NC. Cross-cultural analysis of the motor development of Brazilian, Greek and Canadian infants assessed with the Alberta Infant Motor Scale. Rev Paul Pediatr 2013;31:350-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822013000300012
23.Saccani R, Valentini NC, Pereira KRG. New Brazilian developmental curves and reference values for the Alberta infant motor scale. Infant Behav Dev 2016;45:38-46.
http://dx.doi.org/10.1016/j.infbeh.2016.09.002
24.Valentini NC, Saccani R. Brazilian validation of the Alberta Infant Motor Scale. Phys Ther 2012;93:440-7. http://dx.doi.org/10.2522/ptj.20110036
25.Sociedade Brasileira de Pediatria. Avaliação nutricional da criança e do adolescente – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia. – São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento de Nutrologia, 2009.
26.Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional-SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
27.Chaves CMP, Lima FET, Mendonça LBA, Custódio IL, Matias EO. Avaliação do crescimento e desenvolvimento de crianças institucionalizadas. Rev Bras Enferm 2013;66:668-74.
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000500005
28.Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
29.Tella P, Piccolo LR, Rangel ML, Rohde LA, Polanczyk GV, Miguel EC, et al. Socioeconomic diversities and infant development at 6 to 9 months in a poverty area of São Paulo, Brazil. Trends Psychiatr Psychother 2018;40:232-40.http://dx.doi.org/10.1590/2237-6089-2017-0008
Publicado
2018-10-09
Como Citar
Fagundes Cinti, M., Felipe Pádua, R., & Santos Cardoso de Sá, C. (2018). Caracterização do desenvolvimento motor e crescimento pondero-estatural de lactentes com tuberculose. Revista Neurociências, 26, 1-22. https://doi.org/10.34024/rnc.2018.v26.9853
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##