Impacto de uma rotina de atendimentos fisioterapêuticos baseado em níveis de prioridade em uma unidade de neurocirurgia de um hospital público.

Autores

  • Ana Cristina Ferreira dos Reis Almeida Secretaria de Saúde do Distrito Federal
  • Carolinne Santos de Oliveira Centro Universitário EuroAmericano de Brasília
  • Thais Souza Lacerd Centro Universitário EuroAmericano de Brasília
  • Maria Clara Henrique de Lima 3- Programa de Residências Multiprofissional em Saúde do Adulto e do Idoso, Escola Superior em Ciências da Saúde (ESCS/SESDF)
  • Luciana Leite Melo e Silva Secretaria de Saúde do Distrito Federal
  • Hudson Azevedo Pinheiro Centro Universitário EuroAmericano de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2019.v27.9636

Palavras-chave:

unidades hospitalares, serviço hospitalar de fisioterapia, procedimentos neurocirúrgicos, reabilitação neurológica, limitação de mobilidade

Resumo

Objetivo:Verificar os efeitos de uma rotina de atendimentos fisioterapêuticos em uma Unidade de Neurocirurgia de um hospital público do Distrito Federal na mobilidade e tempo de internação dos pacientes e níveis de prioridade. Métodos:Trata-se de um estudo observacional descritivo de registros de pacientes internados na Unidade de Neurocirurgia (UNC), onde os dados foram coletados no período de 01 de outubro a 31 de dezembro de 2018, por meio do prontuário eletrônico no sistema de informatização Trackcare®,  foram incluídos nesse estudo todos os internados da UNC durante o período de coleta, excluindo crianças, jovens, internação social ou judicial, e causas que não são da competência da UNC. Resultados:Essa pesquisa obteve um total de 124 pacientes, sendo verificado o perfil desses pacientes,  bem como o nível de prioridade de fisioterapia da UNC, a fim de analisar a real necessidade da realização do atendimento fisioterapêutico, portanto foi demonstrada diferença estatisticamente significativa entre os grupos, comprovando que a classificação foi efetiva para a melhora da mobilidade desses pacientes. Conclusão:A escala IMS na admissão determinou os níveis de prioridade de atendimento fisioterapêutico na unidade de neurocirurgia, essa prioridade resultou em melhoras da mobilidade dos pacientes internados no momento da alta. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

França EÉT de, Ferrari F, Fernandes P, Cavalcanti R, Duarte A, Martinez BP, et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rev Bras Ter Intensiva 2010;24:6-22.

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2012000100003

BRASIL. Resolução n° 444/14, de 26 de abril de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, 26/04/2014, secção 1, p.104. https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3208

Hess D, Nishiwaki J, Liberatori MF, Eichinger FLF. Modalidades de Tratamento da Espasticidade: Uma Revisão da Literatura. Cad Edu Saúde e Fis 2017;4:46-56.

http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioter/article/view/870/pdf_36

Valente SCF, Paula EB, Abranches M, Costa V, Borges H, Chamlian TR, et al. Resultados da fisioterapia hospitalar na função do membro superior comprometido após acidente vascular encefálico. Rev Neurocienc 2006;14:122–6.

http://revistaneurociencias.com.br/edicoes/2006/RN%2014%2003/Pages%20from%20RN%2014%2003.pdf

Azevedo PMD da S, Gomes BP. Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática. Rev Enf Ref 2015;5:129–38. http://dx.doi.org/10.12707/RIV14035

Pereira HCB, Duarte PHM, do Monte Mélo T, da Silva RMC, dos Santos WV, de Souza Barbosa D, et al. Intervenção fisioterapêutica na Síndrome da Imobilidade em pessoas idosas: revisão sistematizada. Arch Heal Investig 2017;6:505-8.

http://dx.doi.org/10.21270/archi.v6i11.2242

Gerência de Saúde Funcional. Conduta Fisioterapêuticas nas Enfermarias da Secretaria de Estado de Saúde do DF. Portaria SES-DF Nº 29 de 1° de Março de 2016 , publicada no DODF Nº 42 de 3 de Março de 2016, p.1-41.

http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/04/3.-Conduta_Fisioterapeutica_nas_Enfermarias_da_SES-DF.pdf

Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Cadernos de Atenção Básica no19. 2006, 192p. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/evelhecimento_saude_pessoa_idosa.pdf

Khan F, Amatya B, Elmalik A, Lowe M, Ng L, Reid I, et al. An enriched environmental programme during inpatient neuro-rehabilitation: A randomized controlled trial. J Rehabil Med 2016;48:417–25. http://dx.doi.org/10.2340/16501977-2081

Ferreira J, Silva JCA, Cavalcante TB, Campelo GO. Atuação do fisioterapeuta em enfermaria hospitalar no Brasil. Fisioter Bras 2017;18. http://dx.doi.org/10.33233/fb.v18i6.1055

Kawaguchi YMF, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, Pires-Neto RC. Perme Intensive Care Unit Mobility Score e ICU Mobility Scale: tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa falada no Brasil. J Bras Pneumol 2016;42:429-31.

http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562015000000301

Gruther W, Pieber K, Steiner I, Hein C, Hiesmayr JM, Paternostro-Sluga T. Can early rehabilitation on the general ward after an intensive care unit stay reduce hospital length of stay in survivors of critical illness?: a randomized controlled trial. Am J Phys Med Rehabil 2017;96:607–15. http://dx.doi.org/10.1097/PHM.0000000000000718

Silva IFG da, Neves CF da S, Vilela ACG, Bastos LMD, Henriqueset MILS. Viver e cuidar após o acidente vascular cerebral. Rev Enferm Ref 2016;8:103–11. http://dx.doi.org/10.12707/RIV15047

Bondy ML, Scheurer ME, Malmer B, Barnholtz-Sloan JS, Davis FG, Il'yasova D, et al. Brain tumor epidemiology: consensus from the Brain Tumor Epidemiology Consortium. Cancer 2008;113:1953–68. http://dx.doi.org/10.1002/cncr.23741.

Levin MF, Kleim JA, Wolf SL. What do motor “recovery” and “compensation” mean in patients following stroke? Neurorehabil Neural Repair 2009;23:313–9.

http://dx.doi.org/10.1177/1545968308328727

Langhorne P, Coupar F, Pollock A. Motor recovery after stroke : a systematic review. Lancet Neurol 2009;8:741–54.

http://dx.doi.org/10.1016/S1474-4422(09)70150-4

Hodgson C, Needham D, Haines K, Bailey M, Ward A, Harrold M, et al. Feasibility and inter-rater reliability of the ICU Mobility Scale. Hear Lung J Acute Crit Care 2014;43:19–24.

http://dx.doi.org/10.1016/j.hrtlng.2013.11.003

Downloads

Publicado

2019-12-26

Como Citar

Almeida, A. C. F. dos R., de Oliveira, C. S., Lacerd, T. S., de Lima, M. C. H., e Silva, L. L. M., & Pinheiro, H. A. (2019). Impacto de uma rotina de atendimentos fisioterapêuticos baseado em níveis de prioridade em uma unidade de neurocirurgia de um hospital público. Revista Neurociências, 27, 1–14. https://doi.org/10.34024/rnc.2019.v27.9636

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2019-08-16
Aceito em 2019-12-20
Publicado em 2019-12-26

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)