Revisão Toxicológica e Tratamento da Intoxicação pelo Êxtase

Autores

  • Larissa M. Veloso de Souza Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP).
  • Lissa Hoshi Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP)
  • Louise F. Lima Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP)
  • Mila M. Santiago Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP)
  • Marcelo Pinheiro R. Alves Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP).
  • Leonardo O. Mendonça Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP).
  • Marcelo Peixoto Acadêmico(a) da Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP).
  • Túlio C. A. Alves Professor Titular de Farmacologia da EBMSP.
  • Milena Pereira Pondé Professora Adjunta de Farmacologia da EBMS.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2003.v11.8889

Palavras-chave:

Êxtase, efeitos tóxicos, revisão de literatura

Resumo

O êxtase, cujo princípio ativo é a substância 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA), é uma droga que causa uma série de efeitos adversos ao organismo, que podem ser classificados de acordo com o tempo e dose utilizados, ou com o mecanismo de ação e o sistema afetado. Essa droga atua sobre o sistema nervoso central, aumentando a secreção de serotonina, dopamina e noradrenalina em neurônios pré-sinápticos, além de impedir a destruição desses neurotransmissores pela enzima monoaminoxidase (MAO). O aumento da síntese de dopamina promove ativação dos centros de prazer dependentes de dopamina no cérebro. Entre os efeitos tóxicos mais freqüentes da droga estão a dificuldade de concentração, a depressão, a insônia, os ataques de pânico, a psicose, a hipertermia e a rabdomiólise. Tais sintomas precisam ser tratados rapidamente. O presente artigo objetiva mostrar os principais efeitos tóxicos do êxtase e o seu tratamento, bem como alertar sobre os diversos efeitos indesejáveis advindos do seu uso crônico e agudo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Graeme KA. Pharmacologic advances in emergency medicine. New drugs of abuse – 3,4-methylenedioxymethamphetamine. Emergency Medicine Clinics of North America, 18(4), 2000. Disponível em: http://www.mdconsult.com. Acesso em: 20 de abril de 2001.

Willians & Wilkins. “Ecstasy”: 3,4-methylenedioxymethamphetamine. Ellenhorn’s Medical Toxicology, 2 ed., 1997. Disponível em: http://www.mdconsult.com. Acesso em: 20 de abril de 2001.

Yates B. Ecstasy may cause irreversible brain functioning. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry, 68:719-25, 2000. Disponível em: http://www.jama.com. Acesso em: 1o de abril de 2001.

Baggto M et al. Chemical analysis of Ecstasy Pills. Disponível em: http://www.jama.com. Acesso em: 11 de abril de 2001.

Gore SM. Fatal uncertainty: death-rate from use of Ecstasy or Heroin. The Lancet, 354:9, 1999. Disponível em: http://www.thelancet.com. Acesso em 5 de abril de 2001.

Engstrom JW, Hauser SL. Cognitive performance and recreational use of “Ecstasy”. JAMA, 2000. Disponível em: http://www.jama.com. Acesso em: 11 de abril de 2001.

Henry JA et al. Low Dose MDMA (“ecstasy”) induces vasopressin secretion. The Lancet, 351, 1998. Disponível em: http://www.thelancet.com. Acesso em 5 de abril de 2001.

Rochester JA, Kirchner JT. Ecstasy (3,4-Methylenedioxymethamphetamine): history, neurochemistry and toxicology. Journal of American Board of Family Practice, 12(2):137-142, 1999. Disponível em: http://www.mdconsult.com. Acesso em: 20 de abril de 2001.

Almeida SP, Silva MTA. Histórico, efeitos e mecanismos de ação do êxtase (3,4 metilenodioximetanfetamina): revisão de literatura. Revista Panamericana de Salud Publica, 6 de março de 2000. Disponível em: http://www.scielosp.com. Acesso em 10 de abril de 2001.

Boot BR et al. MDMA (Ecstasy) neurotoxicity: assessing and communicating the risks. The Lancet 355:20, 2000. Disponível em: http://www.thelancet.com. Acesso em 17 de abril de 2001.

Ferigolo M et al. “Êxtase”: revisão farmacológica. Rev Saúde Pública, 32(5):487-95, 1998.

McElahatton PR. Congenital anomalies after prenatal ecstasy exposure. The Lancet, 354:23, 1999. Disponível em: http://www.thelancet.com. Acesso em 22 de abril de 2001.

McCann UD et al. Positron emission tomographic evidence of toxic effect of MDMA (Ecstasy) on brain serotonin neurons in human beigns. The Lancet, 352:31, 1998. Disponível em: http://www.thelancet.com. Acesso em 22 de abril de 2001.

Mathias R. “Ecstasy” damages the brain and impairs memory in humans. NIDA. Disponível em: http://www.nida.nih.gov/NIDA_NOTES/NNVol14N4/Ecstasy.html. Acesso em: 17 de abril de 2001.

Kish SJ et al. “Striatal serotonin is depleted in brin of a human MDMA user”. Disponível em: http://www.mdconsult.com. Acesso em: 20 de abril de 2001.

MDMA (Ecstasy). NIDA Notes. Disponível em: http://www.nida.nih.gov/NIDA_NOTES/Infofax/Ecstasy.html. Acesso em: 17 de abril de 2001.

Jansen KLR. Adverse psychological effects associated with the use of ecstasy (MDMA) and their treatment. In: Sauders N. Ecstasy Reconsidered. p. 112-128, 1997. Disponível em: http://www.ecstasy.org/info/karl.html. Acesso em 11 de abril de 2001.

IOWA. Substance abuse-MDMA (3,4-methylenedioxymethamphetamine). University of IOWA, 2001. Disponível em: http://www.uiowa.edu/~shs/ecstasy.html. Acesso em: 10 de abril de 2001.

Downloads

Publicado

2003-03-31

Como Citar

Souza, L. M. V. de, Hoshi, L., Lima, L. F., Santiago, M. M., Alves, M. P. R., Mendonça, L. O., … Pondé, M. P. (2003). Revisão Toxicológica e Tratamento da Intoxicação pelo Êxtase. Revista Neurociências, 11(1), 18–22. https://doi.org/10.34024/rnc.2003.v11.8889

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)