Paralisia cerebral Aspectos Fisioterapêuticos e Clínicos

  • Jaqueline Maria Resende Silveira Leite Fisioterapeuta, Professora do Centro Universitário de Lavras
  • Gilmar Fernandes do Prado
Palavras-chave: Paralisia Cerebral, Espasticidade, Tratamento, Reabilitação

Resumo

A paralisia cerebral congrega um grupo de afecções permanentes do sistema nervoso central sem caráter progressivo e de instalação no período neonatal. Há várias abordagens terapêuticas com possíveis benefícios ao paciente com paralisia cerebral, porém poucas embasadas em evidências científicas indiscutíveis. A abordagem fisioterapêutica teria a finalidade de preparar a criança para uma função, manter ou aprimorar as já existentes, atuando sempre de forma a adequar a espasticidade. Entretanto, o prognóstico da paralisia cerebral depende evidentemente do grau de dificuldade motora, da intensidade de retrações e deformidades esqueléticas e da disponibilidade e qualidade da reabilitação. Este artigo revisa aspectos clínicos da paralisia cerebral, discutindo a fisioterapia e as diversas abordagens terapêuticas utilizadas.

Referências

Ferraretto, Ivan & Souza, Ângela M. C. Paralisia Cerebral – aspectos práticos. São Paulo: Memnon, 1998

Russman et al. Cerebral Palsy: A Rational Approach to a Treatment Protocol, and the Role of Botulinum Toxin in Treatment. Muscle & Nerve, Suppl.6, 1997.

González, R. C. & Sepúlveda, R. F. C. Tratamiento de La Espasticidad en Parálisis Cerebral con Toxina Botulínica. Rev. Neurol, 34 (1), 2002.

Young, R. R. Spasticity: a review. Neurology, 44 (Suppl 9), 1994.

Williams, P. E. & Goldspick, G. The effect of immobilization on the longitudinal growth of striated muscle fibers. J. Anatomy, 116, 1973.

O‘dwyer, N. J. et al. Mechanisms of muscle growth related to muscle contracture in cerebral palsy. Dev Med Child Neurol, 31, 1989.

Nitrini, Ricardo & Bacheshi, Luiz A. A neurologia que todo médico deve saber, 4ª ed., São Paulo: Santos, 1999.

Behrmar, R.E. et al. Tratado de Pediatria; 15a edição, Rio de Janeiro, Ed. Guanabara Koogan, 1997 (Vol.II).

Marcondes, E.; Pediatria básica; 8ª edição, São Paulo, Savier, 1991, vol.2.

Ratliffe, Katherine T. Fisioterapia na clínica pediátrica. 1ª ed. São Paulo: Santos, 2000.

Salter, Robert. Distúrbios e lesões do sistema músculo-esquelético.2ª ed. São Paulo: Medsi,,1985.

Shepherd, Roberta B. Fisioterapia em pediatria. 3 ª ed. São Paulo: Santos, 1995.

Cambier, J. ; MASSON, M.; DEHEN, H. Manual de Neurologia, 2ª ed. São Paulo, Atheneu. 1988.

Flehmig, Inge. Texto e Atlas do Desenvolvimento Normal e seus Desvios no Lactente: diagnóstico e tratamento precoce do Nascimento até o 18º mês. São Paulo: Atheneu. 2000.

Teive, H. A. G. et al. Tratamento da espasticidade: uma atualização. Arq Neuropsiquiat 1998; 56 (4): 852 – 858.

Bobath, B. Hemiplegia no Adulto

Stokes, M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Premier, 2000.

Helsel, P, McGee, J, Graveline CH. Physical Management of Spasticity. J Child Neurol 2001; 16: 24 – 30.

Rotta, N. T. Paralisia cerebral, novas perspectivas terapêuticas. J Pediatr (Rio J) 2002; 78 (Supl.1): S48 – S54.

Diament, A & Cypel, A. Neurologia Infantil. 3ª ed. São Paulo, Atheneu.1996. p.781-98.

Howad,D.C. Anti Spastic Medication for Spasticity in Cerebral Palsy (Protocol). The Cochrane Library, Issue 4, 2002.

Davidoff, R.A. Antispasticity Drugs: Mechanisms of Action. Ann Neurol, 17: 107-116, 1985.

Milla, P.J. & Jackson, A.D.M. A Controlled Trial of Baclofen in Children with Cerebral Palsy. J Int Med Res, 5: 398-404, 1977.

Publicado
2019-01-23
Como Citar
Leite, J. M. R. S., & Prado, G. F. do. (2019). Paralisia cerebral Aspectos Fisioterapêuticos e Clínicos. Revista Neurociências, 12(1), 41-45. https://doi.org/10.4181/RNC.2004.12.41
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 3 4 5 > >>