Perfil dos pacientes acometidos por AVE tratados na clínica escola de fisioterapia da UMESP

Autores

  • José Erickson Rodrigues Pós-Graduando do Curso de Fisioterapia em Neurologia da UMESP.
  • Márcia da Silva da Silva Sá Pós-Graduando do Curso de Fisioterapia em Neurologia da UMESP.
  • Sandra Regina Alouche Professora Doutora em Neurociências e Comportamento, Coordenadora da Pós-Graduação de Fisioterapia em Neurologia da UMESP, Docente do Mestrado em Reabilitação Neuromotora da UNIBAN.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2004.v12.8857

Palavras-chave:

Hemiplegia, Acidente Vascular Cerebral, Fisioterapia, Resultados

Resumo

O objetivo deste estudo foi traçar o perfil clínico e funcional dos pacientes com diagnóstico de Acidente Vascular Encefálico (AVE) atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da UMESP. Foi feito um estudo retrospectivo em pacientes acometidos por AVE, realizado através de uma coleta de dados em prontuários de 109 pacientes no período de fevereiro de 2001 a junho de 2003. A coleta de dados foi realizada por meio de um protocolo previamente desenvolvido, abrangendo questões sócio-demográficas, clínicas, físicas e funcionais. O AVE é uma doença comum em todo mundo, por ser a principal causa de incapacidade neurológica em adultos, podendo acometer a função dos membros, controle motor, equilíbrio, força e mobilidade. Apesar de ocorrer uma maior recuperação motora e funcional nos primeiros três meses após o AVE, há evidência de que o exercício terapêutico é efetivo mesmo em casos crônicos. O estudo demonstrou que a população atendida na Clínica Escola de Fisioterapia da UMESP é em sua maioria composta de pacientes crônicos. Este fato acarreta uma permanência maior em terapia e dificulta ganhos funcionais. Contudo pôde-se constatar melhora do quadro motor durante o tratamento, o que reforça a idéia de que mesmo pacientes em fase crônica de AVE podem ter uma boa evolução em termos funcionais.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

. PETRILLI, Sabine; DURUFLE, Aurélie; NICOLAS, Benoit; et al. Prognostic Factors in the Ability to Walk After Stroke. Journal of Stroke and Cerebrovascular Diseases, 2002; 11(6): 330-5.

. SAPOSNIK, Gustavo; DEL BRUTTO, Oscar H. Stroke in South America: A Systematic Review of Incidence, Prevalence and Stroke Subtypes. Stroke, 2003; 34:2103-8.

. SCHAU, Brigitte; BOYSEN, Gudrun; TRUELSEN, Thomas; et al. Development and Validation of A Model to Estimate Stroke Incidence in A Population. Journal of Stroke and Cerebrovascular Diseases, 2003; 12(1): 22-8.

. KELLY-HAYES, Margaret; BEISER, Alexa; KASE, Carlos S; et al. The Influence of Gender and Age on Disability Following Ischemic Stroke: The Framingham Study. Journal of Stroke and Cerebrovascular Diseases, 2003; 12(3): 119-26.

. DEAN, Catherine M; RICHARDS, Carol L.; MALOUIN, Francine. Task-Related Circuit Training Improves Performance of Locomotor Tasks in Chronic Stroke: A Randomized, Controlled Pilot Trial. Archive of Physical Medicine and Rehabilitation, 2000; 81:409-17.

. DUNCAN, Pamela; STUDENSKI, Stephanie; RICHARDS, Lorie; et al. Randomized Clinical Trial of Therapeutic Exercise in Subacute Stroke. Stroke, 2003; 34:2173-80.

. YAVUZER, Güner; KÜÇÜKDEVECI, Ayse; ARASIL, Tansu; et al. Rehabilitation of Stroke Patients: Clinical Profile and Functional Outcome. American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation, 2001; 80(4):250-5.

. DEPAULO, J. R.; FOLSTEIN, M. F.; GORDON, B. Psychiatric Screening on a Neurological Ward. Psychological Medicine, 10, 125-32. 1980.

. COLLIN, C.; WADE, D. T.; HORNE, V. The Barthel ADL Index: a Rehability Study. International Disability Studies, 10, 61-3. 1988.

BRUNO, A. A.; FARIAS, C. A.; IRYIA, G. T.; et al. Perfil dos Pacientes Hemiplégicos Atendidos no Lar Escola São Francisco: Centro de Reabilitação. Acta Fisiátrica, 7(3): 92-94, 2000.

MORÍN-MARTÍN, M.; GONZÁLEZ-SANTIAGO, R.; GIL-NÚÑES, A. C.; et al. El Ictus en la Mujer: Epidemiología Hospitalaria en España. Revista de Neurología, 37(8): 701-5; 2003.

INOUYE, M.; HASHIMOTO, H.; MIO, T.; et al. Influence of Admisión Functional Status on Functional Change After Stroke Rehabilitation. American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation, 80(2): 121-5; 2001.

STEINER, M. M.; BRAININ, M. The Quality of Acute Stroke Units on a Nation-Wide Level: The Austrian Stroke Registry for Acute Stroke Units. European Journal of Neurology, 10: 353-60; 2003.

STEIN, J.; SHAFQAT, S.; DOHERTY, D.; et al. Patient Knowledge and Expectations for Functional Recovery After Stroke. American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation, 82(8): 591-6; 2003.

ÖZDEMIR, F.; BIRTANE, M.; TABATABAEI, R.; et al. Cognitive Evaluation and Functional Outcome After Stroke. American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation, 80(6): 410-5; 2001.

ZÉTOLA, V. H. F.; NÓVAK, E. M.; CAMARGO, C. H. F.; et al. Acidente Vascular Cerebral em Pacientes Jovens: Análise de 164 Casos. Arquivo de Neuro-Psiquiatria, 59(3): 740-5; 2001.

SZELIES, B.; MIELKE, R.; KESSLER, J.; et al. Prognostic Relevance of Quantitative Topographical EEG in Patients with Poststroke Aphasia. Brain and Language, 82: 87-94; 2002.

RYERSON, S. D. Hemiplegia Resultante de Dano ou Doença Vascular. In UMPHRED, D. A. Fisioterapia Neurológica. 2ª ed. São Paulo. Manole. 1994. 615-56.

SANVITO, W. L. Tono Muscular. In SANVITO, W. L. Propedéutica Neurológica Básica. São Paulo. Atheneu. 2000. 59-63.

ENG, J. J.; CHU, K. S. Reability and Comparison of Weight-Bearing Ability During Standing Tasks for Individuals With Chronic Stroke. Archive of Physical Medicine and Rehabilitation, 83: 1138-44; 2002.

ENG, J. J; KIM, C. M.; MACINTYRE, D. L. Reability of Lower Extremity Strenght Measures in Persons With Chronic Sroke. Archive of Physical Medicine and Rehabilitation, 83: 322-8; 2002.

Downloads

Publicado

2004-09-30

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)