Estudo dos efeitos sensório-motores da fisioterapia aquática com pacientes em estado de coma vigil

Autores

  • Fabio Jakaitis Fisioterapeuta do Hospital Israelita Albert Einstein, Supervisor de Estágio em Neurologia da Universidade Bandeirante de São Paulo (UNIBAN), Especialista em Fisiologia do Exercício pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Ada Bianca Abdulmacih Guazzelli Fisioterapeuta do Hospital Israelita Albert Einstein, especialista em neurologia e fisioterapia aquática (UMESP)

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2005.v13.8795

Palavras-chave:

Fisioterapia, Neurologia, Coma, Escala de Coma de Glasgow, Estimulação Física

Resumo

Objetivo: Avaliar o efeito no quadro do paciente pós Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), em estado de coma vigil, com a intervenção precoce da fisioterapia aquática. Método: O estudo consiste em um relato de caso, realizado no Hospital Israelita Albert Einstein, analisando paciente pós TCE em estado de coma vigil, nível cognitivo II (Rancho Los Amigos), estabilizado clinicamente, com um ano de internação, realizando somente fisioterapia aquática. Resultado: Observou-se melhora do potencial sensorial através da conscientização espacial e do potencial motor através do controle cervical, ajuste tônico e postural e conservação das Amplitudes de Movimento (ADM’s), além da redução do reflexo do membro inferior esquerdo. Conclusão: Através do presente estudo, conclui-se que o paciente em coma vigil, beneficiou-se com a intervenção da fisioterapia aquática. Devemos levar em consideração, no entanto, que em se tratando de um estudo de caso, analisamos um único paciente, desta forma não podemos nos certificar que haja benefício com um percentual significante de uma população

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Michaud, L.; Duhaime, A.; Batshaw, M. Traumatic Rain Injury in Children. Pediatric Clinic of North America, v. 40, n.3, p. 553-565, 1993.

Tecklin, J.S. Pediatric Physical Therapy, 3ª ed., Lippincot, 1998.

Guerra, S. et al Traumatismo Crânio Encefálico em Pediatria. Jornal de pediatria, Rio de Janeiro, n.75, p.279-293, 1999.

Mizumoto, N.; Tango, H. K.; Pagnocca, M. L.. Efeitos da hipertensão arterial induzida sobre a complacência e pressão de perfusão encefálica em hipertensão intracraniana experimental: comparação entre lesão encefálica criogenia e balão subdural.Rev. bras. anestesiol., 55(3):289-307, maio-jun. 2005.

Stokes, M. Neurologia para Fisioterapeutas, ed Premier, São Paulo, 2000.

Rosenthal, M., Whyte J. Reabilitação do Paciente com Traumatismo Craniano. In Delisa, J. Medicina de Reabilitação: Princípios e Práticas, ed. Manole, v. 2, cap 30, pp. 677-708, 1992.

Jennett, B.; Snoek, J.; Bond, M.R.; et al. Disability After Severe Head Injury: Observations on the Use of the Glasgow Outcome Scale, 44:285-293, J. Neurol. Neurosurg Phychiat, Philadelphia, 1981.

Chris Hagen, Ph.D., Danese Malkmus, M.A., Patricia Durham, M.A. Levels of Cognitive Functioning, Communication Disorders Service, Rancho Los Amigos Hospital, California, 2002.

Hall, D.M. et al. Rehabilitation of Head Injured Children. Archives of Diseases in Childhood, n.65, p. 553-556, 1990.

Ribas, G; Gherpelli, J.L.; Manresa, L. traumatismo Crânio Encefálico. In: Diament A. e Cypel, S. Neurologia Infantil, ed. Ateneu, 3ª edição, cap. 84, pp 1198-1214, 1996.

Di Scala, C. et al Functional Outcome in Children with Traumatic Brain Injury: Agreement between Clinical Judgment and the Functional Independence Measure. Am J Phys Med Rehabil, n.71, p.145-148, 1992.

Oliveira, C.E.N.; Salina, M.E.; Anunciatto, N. Fatores Ambientais que Influenciam a Plasticidade do SNC. Acta Fisiatrica.n.8, p.6-13, 2001.

Gimenes, R.O; et al. Análise crítica de ensaios clínicos aleatórios sobre fisioterapia aquática para pacientes neurológicos, revista neurociências, vol 13 nº1 São Paulo, 2005.

Becker,L.R. Enthusiastic physical therapists jump feet first into aquatic research. Advance for Physical Therapists, 4(22):10, Boston, 1993

Ruoti, Richard, et al. Reabilitação Aquática, ed. Manole, São Paulo, 2000.

Campion, M. Hidroterapia: Princípios e Prática, ed. Manole, São Paulo, 1999.

Souza, A.M., Ferrareto, I. Paralisia Cerebral: Aspectos Práticos, ed. Memon, 2ª edição, São Paulo, 2001.

Downloads

Publicado

2005-12-31

Como Citar

Jakaitis, F., & Guazzelli, A. B. A. (2005). Estudo dos efeitos sensório-motores da fisioterapia aquática com pacientes em estado de coma vigil. Revista Neurociências, 13(4), 215–218. https://doi.org/10.34024/rnc.2005.v13.8795

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)