Análise funcional na polineuropatia hereditária sensitivo-motora em diferentes idades:

relato de caso

Autores

  • Lívia Antonellini Lucci Graduadas em Fisioterapia pelo Centro Universitário Herminio Ometto.
  • Maísa R. Dias Graduadas em Fisioterapia pelo Centro Universitário Herminio Ometto.
  • Maria da Graça B. Deloroso Docente do Curso de Fisioterapia Uniararas.
  • Cristina Iwabe Fisioterapeuta, Especialista em Neurologia Infantil – Unicamp, Doutoranda em Ciências Médicas – Unicamp, Docente do Curso de Fisioterapia Uniararas, Unip Campinas.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8668

Palavras-chave:

Polineuropatia, Hereditariedade, Estudos de avaliação

Resumo

A polineuropatia hereditária sensitivo-motora é uma alteração encontrada nos nervos periféricos resultando em déficit da função sensorial e motora. O objetivo deste estudo foi avaliar o comprometimento da função motora em três indivíduos de uma mesma família, com idades entre 8 e 22 anos, para estabelecer uma comparação da evolução da doença de acordo com a idade. Para tal, foi utilizada uma escala de avaliação das funções motoras, denominada Medida da Função Motora (MFM) específica para doenças neuromusculares e polineuropatias. Os resultados demonstraram que os indivíduos mais velhos apresentaram maiores déficits funcionais, principalmente nas Dimensões Posição em Pé e Transferências, e Função Motora Distal, enquanto o indivíduo mais novo apresentou maior déficit na Dimensão Posição em Pé e Transferências. Desse modo,
conclui-se que quanto maior a idade do indivíduo, maiores as dificuldades na realização das funções motoras, principalmente aquelas que requerem função de segmentos distais de membros superiores, e proximais/axiais de membros inferiores, como a escrita e a deambulação.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nicklin J. Distúrbios Nervosos II: Polineuropatias. In: Stokes M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Editora Premier, 2000, pp. 201-14.

Latov N. Antibodies to glycoconjugates in neuropathy and motor neuron disease. Prog Brain Res 1993;101:295-303.

Beneti GM, Silva DLD. Síndrome de Guilain–Barre. Semina: Ciênci Biol Saúde 2006;27(1):57-69.

Sanvito WL, Cataldo BOV, Costa AR. Neuropatia sensitiva e autonômica hereditária tipo II: A propósito de dois casos. Arq Neuropsiquiatr 2003;61(3-A):654-8.

Edwards S. Tratamento a longo prazo para pacientes com incapacidade residual ou progressiva. In: Edwards S. Fisioterapia Neurológica: uma abordagem centrada na resolução de problemas. Porto Alegre: Editora Artmed, 1999, pp. 201-18.

Geurts ACH, Mulder TW, Neinhuis B. Influence of orhopaedic footwear on postural control in patients with hereditary motor and sensory neuropathy. J Rehabil Sciences 1992;5(1):3-9.

Moxley RI. Funcional Testing. Muscle Nerve 1990;13:26-9.

Watson GR, Wilson FM. Guillain–Barré syndrome: an update. NZT Physioter 1989;17:17-24.

Guinvarch S, Berard C, Calmels P. Affection’s neuromusculaires. In: Guinvarch S, Berard C, Calmels P. Guide des outils de mesure et d’évaluation en médecine physique et réadaptation. Paris: Ed Frison-Roche, 2003, pp. 269-283.

Berard C, Payan C, Hodgkinson I, Fermanian J. A motor function measure scale for neuromuscular diseases. Construction and validation study. Neuromus disor 2005;15:463-70.

Blanco JB, Durán, AO, Pascual OC. Neuropatías hereditarias. Medicine 1998;7(98):4543-53.

Oferil JC. Polineuropatías sensitivo-motoras. Barcelona: Associación Española de Pediatría, 2001, pp. 133-9.

Harding AE, Thomas PK. The clinical features of hereditary motor and sensory neuropathy types I and II. Brain 1980;103(2):259-80.

Sanvito WL, Cataldo BOV, Costa AR. Neuropatia sensitiva e autonômica hereditária tipo II. Arq Neuropsquiatr 2003;61(3A):654-8.

Pádua L, Pazzaglia C, Cavallaro T, Commodari I, Pareyson D, Quatrone A, et al. Quality of life is not impaired in patients with hereditary neuropathy with liability to pressure palsies. Eur J Neurol 2007;14: e45-6.

Vrancken AF, Franssen H, Wokke JH, Teunissen LL, Notermans NC. Chronic idiopathic axonal polyneuropathy and successful aging of the peripheral nervous system in elderly people. Arch Neurol 2002;59(4):533-40.

Quattrone A, Gambardella A, Bono F, Aguglia U, Bolino A, Bruni AC, et al. Autosomal recessive hereditary motor and sensory neuropathy with focally folded myelin sheaths: clinical, electrophysiologic and genetic aspects of al large family. Neurology 1996;46(5):1318-24.

Bordas Julve JM, Avila Rivera F, Penas Lopez F, Cots Yago JM, Espel Masferrer C, Guarga Rojas A. Hereditary familial neuropathies: genetics counseling and early diagnosis in primary care. Aten Primaria 1991;7(8):568-70.

Maravi Petri E, Garcia Bragado F, Martin Ruiz E, Guarch R, Ruiz de Azua Y, Yoldi ME. Giant axonal neuropathy. Presentation of 2 familial cases. Neurologia 1989;4(1):24-30.

Downloads

Publicado

2008-03-31

Como Citar

Lucci, L. A., Dias, M. R., Deloroso, M. da G. B., & Iwabe, C. (2008). Análise funcional na polineuropatia hereditária sensitivo-motora em diferentes idades:: relato de caso. Revista Neurociências, 16(1), 71–74. https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8668

Edição

Seção

Relato de Caso
##plugins.generic.dates.received## 2019-03-05
##plugins.generic.dates.published## 2008-03-31

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.