Influência do sedentarismo no equilíbrio e coordenação de crianças da região do ABC paulista

Autores

  • Cristina dos Santos Cardoso de Sá Fisioterapeuta. Professora Doutora do Curso de Fisioterapia da Universidade Municipal de São Caetano do Sul - Universidade IMES.
  • Mayra Dutra Bellintane Alunas do curso de Fisioterapia da Universidade IMES
  • Joelma Santa Marques Alunas do curso de Fisioterapia da Universidade IMES

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8661

Palavras-chave:

Criança, Atividade motora, Desenvolvimento infantil, Equilíbrio, Destreza motora

Resumo

Introdução. Atualmente, as crianças apresentam baixos níveis de atividade física em conseqüência da forte atração por atividades sedentárias. Esta evidência crescente é preocupante à medida que a prática de atividade física na infância não é só relevante para o crescimento e desenvolvimento saudável, mas pela sua repercussão na fase adulta. Objetivo. O objetivo deste estudo foi verificar a influência do sedentarismo no equilíbrio e coordenação motora de crianças de 5 a 7 anos da região do ABC paulista. Método. Foram avaliadas 74 crianças de 5 anos, 68 de 6 anos e 74 de 7 anos, com base no protocolo de testes de equilíbrio e coordenação de Lefèvre e questionário (PAQ-C) para nível de atividade física regular. Para cada teste, observamos o sucesso ou insucesso de cada criança e comparamos com a literatura. Resultados. 100% das crianças mostraram-se sedentárias (nível de atividade física < 3). O sedentarismo afetou o aperfeiçoamento do equilíbrio dinâmico e coordenação nas crianças de 5 anos; o equilíbrio estático, dinâmico e coordenação,
nas de 6 anos e o equilíbrio estático e coordenação, nas de 7 anos. Conclusão. O sedentarismo influi negativamente sobre o refinamento do equilíbrio e coordenação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Puccini RF, Lousada MW. O crescimento da criança. In: Carvalho ES, Carvalho WB. Terapêutica e prática pediátrica. 2a ed. São Paulo: Atheneu, 2000, 2012 p.

Lefèvre AB, Penna H. Estudo comparativo psicomotor. Exemplo: Estudo comparativo do desenvolvimento, pelo método de Gesell, entre crianças asiladas e crianças mantidas em ambiente familiar. Ped Prát 1995;26(8):214-42.

Verderi E. Encantando a educação física. Rio de Janeiro: Sprint, 1999, 188 p.

Ferreira E. Principais alterações e conseqüências funcionais no aprendizado motor. Fisio&terapia 2000;13(14):12-4.

Neto AS, Mascarenhas LPG, Nunes GF, Lepre C, Campos W. Relação entre fatores ambientais e habilidades motoras básicas em crianças de 6 e 7 anos. Rev Mack Educ Fís Esp 2004;3(3):135-40.

Blaak EE, Westerterp KR, Bar-Or O, Wouters LJM, Saris WHM. Total energy expenditure and spontaneous activity in relation to training in obese boys. Am J Clin Nutr 1992;55:777-82.

Ribeiro IC. Obesidade entre escolares da rede pública de ensino de Vila Mariana – São Paulo: estudo de caso-controle (Dissertação). São Paulo: Universidade Federal de São Paulo-UNIFESP, São Paulo, 2001, 123 p.

Marcondes E, Vaz FAC, Ramos JLA, Okay Y. Pediatria básica: pediatria geral e neonatal. 9a ed, São Paulo: Sarvier, 2003, 1006 p.

Spence JC, Lee RE. Toward a comprehensive model of physical activity. Psychol Spor Exer 2003;4:7-24.

Dietz WH, Gortmaker SL. Do we fatten our children at the television set? Obesity and television viewing in children and adolescents. Pediatrics 1985;75:807-12.

Dietz WH. Factors increasing risk of obesity and potential for prevention overweight in childhood. In: Annals of Workshop in prevention of obesity population at risk, etiologic factors and intervention strategies. Baltimore: National Institutes of Health/National Institute of diabetes and kidney diseases, 1993, 64 p.

Kohl HW, Hobbs KE. Development of physical activity behaviors among children and adolescents. Pediatrics 1998; 101(3 Pt 2):549-54.

Coon KA, Tucker KL. Television and children’s consumption patterns. A review of the literature. Min Ped 2002;54 (5):423-36.

Silva MAM, Rivera IR, Ferraz MRMT, Pinheiro AJT, Alves SWS, Moura AA, et al. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de Maceió. Arq Bras Cardiol 2005;84(5): 387-92.

Durigon OFS, Sanches KC, Sá CSS, Viudes KCQ. Evaluation of the neuromotor development institutionalized normal children. Annals of 12th Congress of the World Confederation for Physical Therapy 1995; Washington DC, American Physical Therapy Association, PORR-0188T.

Lefèvre AB. Exame neurológico evolutivo. São Paulo: Ed. Savier, 1972, 132 p.

Crocker PR, Bailey DA, Faulkner RA. Validation of the physical activity questionnaire for older children. Med Sci spor Exer 1997;9:174-86.

Silva RCR, Malina RM. Nível de atividade física em adolescentes do município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Púb (Rio de Janeiro) 2000;16(4):1091-7.

Santos C, Deliberato PCP, Sá CSC. Proposta de protocolo de exercícios baseado na relação do equilíbrio e da coordenação motora com os hábitos de vida diária de crianças de 7 anos. Rev Bras Ciênc Saúde (IMES) 2007;3 (11):8-15.

Bessa MFS, Pereira JS. Equilíbrio e coordenação motora em pré-escolares: um estudo comparativo. Rev Bras Cien Mov 2002;4(10):57-62. Giugliano R, Carneiro EC. Fatores associados à obesidade em escolares. J Ped 2004; 80(1): 17-23.

Bracco MM. Estudo da atividade física, gasto energético e ingestão calórica em crianças de escola pública na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Campinas; 2001, 151 p.

Amaral APA, Palma AP. Perfil epidemiológico da obesidade em crianças: relação entre televisão, atividade física, e obesidade. Rev Bras Cien Mov 2001;4:19-24.

Berkey CS, Rockett RH, Gillman MW. One year changes in activity and in inactivity among 10- to 15-year-old boys and girls relationship to change in body mass index. Pediatrics 2003;4:836-43.

Seabra AFT, Mendonça DMMV, Garganta RM, Mais JAR. Influência de determinantes demográfico-biológicos e sócio-culturais nos níveis de atividade física de crianças e jovens. Rev Bras Cien Des Hum 2004;6(2):62-72.

Downloads

Publicado

2008-03-31

Como Citar

Sá, C. dos S. C. de, Bellintane, M. D., & Marques, J. S. (2008). Influência do sedentarismo no equilíbrio e coordenação de crianças da região do ABC paulista. Revista Neurociências, 16(1), 30–37. https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8661

Edição

Seção

Artigos Originais
Recebido em 2019-03-05
Publicado em 2008-03-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)