Avaliação do risco de queda em pacientes com Doença de Parkinson

Autores

  • Fabiana Araújo Figueiredo da Mata Fisioterapeuta.
  • Alcidezio Luiz Sales Barros Médico neurologista, Mestre em fonoaudiologia pela PUC SP, Universidade Católica de Pernambuco, Hospital Geral de Areias.
  • Cláudia Fonsêca Lima Fisioterapeuta, Mestre em saúde da criança e do adolescente pela UFPE, Universidade Católica de Pernambuco.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8659

Palavras-chave:

Avaliação, Acidentes por queda, Doença de Parkinson

Resumo

Introdução. A doença de Parkinson (DP) é neurodegenerativa, causa uma condição clínica na qual ocorrem perturbações posturais e movimentos involuntários que predispõem a freqüente situação de quedas. Objetivos. Avaliar o risco de queda em portadores da DP e verificar a correlação entre risco de queda e estágio de progressão da doença. Método. A pesquisa foi descritiva, composta por 30 pacientes, e foram aplicadas as escalas de Webster e a de Tinetti, com o objetivo de classificar o estágio de progressão da doença e o risco de queda, respectivamente; foi utilizado o coeficiente de correlação linear de Pearson. Resultados. A maioria (60%) dos pacientes classificados no estágio leve de progressão da DP apresentou
um risco moderado de queda, e 20% um risco alto. Já a maioria dos que se encontravam no estágio intermediário da DP (75%) e todos aqueles classificados no estágio grave da doença apresentaram um risco alto de queda. Foi verificada uma correlação significativa entre o estágio de progressão da DP e o risco de queda. Conclusão. O estudo observou que o risco de queda na DP aparece desde o estágio leve e aumenta com a progressão da doença, e chamou a atenção para fatores de risco envolvidos neste evento.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Thomson A, Skinner A, Piercy J. Fisioterapia de Tidy. 12a ed. São Paulo: Santos, 1994, 500 p.

Aragão FA, Navarro FM. Influências do envelhecimento, do tempo de evolução da doença e do estado cognitivo sobre os episódios de quedas, em uma população parkinsoniana. Rev Fisioter Bras 2005;6:250-4.

Brandão ML. As bases biológicas do comportamento introdução à neurociência. São Paulo: EPU, 2004, 224 p.O’Sullivan SB, Schimitz J. Fisioterapia / Avaliação e tratamento. 3a ed. São Paulo: Manole, 1993, 1200 p.

Barbosa ER. Síndromes extrapiramidais In: Filho ETC. Geriatria. Fundamentos, clínica e terapêutica. São Paulo: Atheneu, 2005, pp. 83–6.

Pelissier J, Benaim C, Bonin-Koang KY, Castelnovo G, Perennou D. Assessment of idiopathic Parkinson’s disease in physical medicine and rehabilitation. Ann Réadaptat Méd Phys 2005;48:341-5.

Maitra KK, Dasgupta AK. Incoordenation of a sequential motor task in Parkinson’s disease. Occupat Ther Inter 2005;12:218-33.

Pinheiro JES. Distúrbios do movimento: Doença de Parkinson e não-Parkinson. In: Freitas EV. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, pp. 196-7.

Cano-de la Cuerda R, Macías-Jiménez AL, Cuadrado-Pérez ML, Miangolarra-Page JC, Morales-Cabezas M. Posture and gait disorders and the incidence of falling in patients with Parkinson. Rev Neurol 2004;38(12):1128-32.

Balash Y, Peretz C, Leibovich G, Herman T, Hausdorff JM, Gilad N. Falls in outpatients with Parkinson’s disease: frequency, impact and identifying factors. J Neurol 2005;252:1310-5.

Alexander BH, Rivara FP, Wolf ME. The cost and frequency of hospitalization for fall related injuries in older adults. Am J Public Health 1992;82:1020-3.

Barbosa MT. Como avaliar quedas em idosos? Rev Assoc Med Bras 2002;42:93-4.

Goulart F, Pereira LX. Uso de escalas para avaliação da Doença de Parkinson em fisioterapia. Fisioter Pesq 2005; 2:49-56.

Ribeiro ASB, Pereira JS. Melhora do equilíbrio e redução da possibilidade de queda em idosas após os exercícios de Cawthorne e Cooksey. Rev Bras Otorrinolaringol 2005;71:38-47.

Hageman P. Treinamento de marcha. In: Kauffman TL. Manual de reabilitação geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, pp. 308-9.

Resnick B, Corcoran M, Spellberg AM. Desordens da marcha e do equilíbrio. In: Adelman AM, Daly MP. 20 problemas mais comuns / Geriatria. São Paulo: Revinter, 2004, pp. 272–3.

Wood BH, Bilclough JA, Bowron A, Walker RW. Incidence and prediction of falls in Parkinson’s disease: a prospective multidisciplinary study. J Neurol Neurosurg Psychiatr 2002;72:721-725.

Grimbergen YAM, Munneke M, Bloem BR. Falls in Parkinson’s disease. Curr Opin Neurol 2004;17:405-15.

Jöbges M, Heuschkel G, Pretzel C, Illhardt C, Renner C, Hummelsheim H. Repetitive training of compensatory steps: a therapeutic approach for postural instability in Parkinson’s disease. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2004; 75:1682-7.

Prevenção e manejo de quedas no idoso. São Paulo: Fapesp (citado em 05/2007). Disponível em: http://pequi.incubadora.fapesp.br/portal/quedas.

Protas EJ, Mitchell K, Williams A, Qureshy H, Caroline K, Lai EC. Gait and step training to reduce falls in parkinson’s disease. Neuro Rehab 2005;20:183-90.

Braga A, Xavier ALIL, Machado RPO, Marques MB. Benefícios do treinamento resistido na reabilitação da marcha e equilíbrio nos portadores da doença de Parkinson. Rev Dig Vida Saúde 2003;2.

Christofoletti G, Oliani MM, Gobbi LTB, Gobbi S, Stella F. Risco de queda em idosos com doença de Parkinson e demência de Alzheimer: um estudo transversal. Rev Bras Fisioter 2006;10:429-33.

Sánchezl MV, Motilva RC. Evaluación de la marcha y el equilíbrio como factor de riesgo em las caídas del anciano. Rev Cub Med Gen Integ 2003;19.

Souza DOR, Silva VF. A importância do treinamento mental na organização do equilíbrio corporal em gerontes. Fit Perfor J 2006;5:91-4.

Downloads

Publicado

2008-03-31

Como Citar

Mata, F. A. F. da, Barros, A. L. S., & Lima, C. F. (2008). Avaliação do risco de queda em pacientes com Doença de Parkinson. Revista Neurociências, 16(1), 20–24. https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8659

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)