Análise da pressão plantar em pacientes com acidente vascular encefálico

Autores

  • Rodrigo Costa Schuster Fisioterapeuta, especialista em Ciências Morfofisiológicas – Anatomia, mestrando em Ciências Médicas, professor de Anatomia Humana, Neuroanatomia e Estágio Supervisionado em Fisioterapia na Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Karine Zadra Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Mathias Luciano Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Janaine Cunha Polese Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Daiane Mazzola Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Igor Sander Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Passo Fundo, RS.
  • Gilnei Lopes Pimentel Fisioterapeuta, mestre em Ciências do Movimento Humano, professor e supervisor de estágio em Fisioterapia na Universidade de Passo Fundo, RS.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8629

Palavras-chave:

Acidente Cerebrovascular, Hemiparesia, Marcha

Resumo

Objetivo. Comparar o pico de pressão plantar do membro acometido com o não-acometido de pacientes hemiparéticos pós-Acidente Vascular Encefálico (AVE) e verificar as regiões do pé onde se encontram os picos de pressão nesses pacientes. Método. Foram avaliadas nove pacientes, com média de idade de 56,77 anos, 5 do sexo masculino e 4 do sexo feminino, sendo 8 casos do tipo AVE isquêmicos e 1 do hemorrágico. Para avaliar a pressão plantar foi realizada baropodometria computadorizada, pelo sistema F-Scan. Foram analisadas três regiões do pé, assim divididas: ante-pé, médio-pé e retro-pé. A análise dos dados foi realizada
utilizando-se a média e a freqüência absoluta dos dados. Resultados. Pôde-se observar que a amostra apresentou uma média de pressão plantar maior no hemicorpo não-acometido, quando comparado ao acometido, e que nos dois hemicorpos a região do pé onde existe uma maior pressão plantar é no ante-pé. Conclusão. Pode-se concluir que ocorre uma diminuição da pressão plantar no hemicorpo parético de pacientes pós-AVE com um predomínio de pico de pressão plantar na região do ante-pé.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira MSR, Abramo A, Mendes MRP. Acidente Vascular Encefálico; Análise da Função Motora de um Caso em Tratamento na piscina Aquecida. Rev Fisioter Bras 2004;5(6):484-9.

Saponisk G, Del Brutto OH. Stroke in South América: a Systematic Review of Incidence, Prevalence, and Stroke Sbtypes. Stroke 2003;34:2103-8.

Umphred DA. Reabilitação Neurológica. 4ª ed. São Paulo: Manole, 2004, 118p.

Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares. Primeiro consenso brasileiro do tratamento da fase aguda do acidente vascular cerebral. Arq Neuropsiquiatr 2001;59(4):972-80.

André C. Manual de AVC. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2006, 250p.

Thrift AG, Dewey HM, Macdonell RAL, McNeil JJ, Donnan GA. Incidence of the Major Stroke Subtypes: Initial Findings From the North East Melbourne Stroke Incidence Study (NEMESIS). Stroke 2001;32:1732-8.

Sacco RL, Adams R, Albers G, Alberts MJ, Benavente O, Furie K, et al. Guidelines for prevention of stroke in patients with ischemic stroke or transient ischemic attack: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association. Stroke 2006;37:577-617.

O’Sullivan SB, Scmhmitz T. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 4ª ed. São Paulo: Manole, 2004, 1200p.

Perry J. Análise de Marcha Normal. São Paulo: Manole, 2005, 200p.

Lennon S. Gait re-education base don the Bobath concept in two patients with hemiplegia following stroke. Phys Ther 2001;81:924-35.

Saad LMV. Análise computadorizada dos parâmetros temporais da marcha em 25 pacientes hemiplégicos. Med Reab 2004;37/38:18-25.

Guedes PV. Protocolo de avaliação da marcha para pacientes hemiplégicos após acidente vascular cerebral. Rev Reabil 2000;8:16-23.

Gilbertoni F, Lopes J, Scoton MK. Análise da Marcha Hemiplégica após a Eletroestimulação Funcional. Rev Reabil 2003;5(18):11-6.

Nery MG, Santos LL. Avaliação baropodométrica dos Agentes Fiscais de Trânsito da Cidade de Passo Fundo – RS [monografia]. Passo Fundo: Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade de Passo Fundo, 2003, 50p.

Battistela LR, Lourenço C, Filho DJ. Hemartroses Recindivantes do Tornozelo em Hemofílicos – “Diagnóstico Funcional pela Podobarometria Dinâmica Computadorizada e Uso Profilático de Órteses para os Pés – Relato de um Caso”. Rev Acta Fisiatr 2002;8(1):34-44.

Hessert MJ, Vyas M, Leach J, Kun Hu K, Lipsitz LA, Novak V. Foot pressure distribution during walking in young and old adults. BMC Geriatr 2005;5(8):10-8.

Oliveira GS, Greve JMD, Imamura M, Bolliger R. Interpretação das variáveis quantitativas da baropodometria computadorizada em indivíduos normais. Rev Hosp Clin Fac Med S Paulo 1998;53(1):16-20.

Mazzola D, Polese JC, Schuster RC, Oliveira SG. Perfil dos pacientes acometidos por AVE assistidos na Clínica de Fisioterapia Neurológica da UPF. Rev Bras Prom Saúde 2007;20(1):22-7.

Radanovic M. Características do atendimento de pacientes com acidente vascular cerebral em hospital secundário. Arq Neuropsiquiatr 1999;58(1):99-106.

Ridola C, Palma A, Gravante G, Russo G, Truglio G, Pomara F, et al. Symmetry of healthy adult feet: role of orthostatic footprint at computerized baropodometry and of digital formula. Int J Anat Embryol 2001;106(2): 99-112.

Conteças TS, Junio NJS, Banjai RM, Rangel HAL. Utilização de palmilha eletrônica na avaliação da marcha de portadores de hemiparesia após acidente vascular encefálico. Santos: Universidade Santa Cecília, 2005, 45p.

Bonamigo ECB, Plentz R, Canfield JA. Reeducação da marcha do hemiplégico: um estudo da alteração na distribuição da pressão plantar após programa cinesioterapêutico. In: IX Congresso Brasileiro de Biomecânica.

Anais. Porto Alegre: Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001, 253-8.

Meyring S, Diehl RR, Milani TL, Henning EM, Berlit P. Dynamic plantar pressure distribution measurements in hemiparetic patients. Clin Biomechan 1997;12(1):60-5.

Titianova EB, Pitkänen K, Pääkkönen A, Sivenius J, Trakka IM. Gait Characteristics and Functional Ambulation Profile in Patients with Chronic Unilateral Stroke. Am J Phys Med Rehab 2003;82(10):778-86.

Haart M, Geurts AC, Huidekoper SC, Fasotti L, van Limbeek J. Recovery of standing balance in postacute stroke patients: a rehabilitation cohort study. Arch Phys Med Rehabil 2004;85:886-95.

Voos C. Existe diferença na recuperação funcional de pacientes com acidente vascular encefálico à esquerda e à direita? [dissertação]. São Paulo: Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, 2005, 104p.

Boza R, Duarte E, Belmonte R, Marco E, Muniesa JM, Tejero M, et al. Estúdio baropodométrico em el hemipléjico vascular: relación com la discapacidad, equilíbrio y capacidad de marcha. Rehabilitac 2007;41(1):3-9.

Downloads

Publicado

2008-09-30

Como Citar

Schuster, R. C., Zadra, K., Luciano, M., Polese, J. C., Mazzola, D., Sander, I., & Pimentel, G. L. (2008). Análise da pressão plantar em pacientes com acidente vascular encefálico. Revista Neurociências, 16(3), 179–183. https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8629

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)