Funcionalidade de crianças com e sem Síndrome de Down

Autores

  • Denise Maciel Ferreira Mestre em Engenharia Biomédica, Professora da Faculdade Estácio de Sá de Vitória, Vitória-ES, Brasil.
  • Bruna Figueiredo Salles Graduandas do Curso de Fisioterapia da Faculdade Salesiana de Vitória, Vitória-ES, Brasil.
  • Deborah Vieira Miranda Marques Graduandas do Curso de Fisioterapia da Faculdade Salesiana de Vitória, Vitória-ES, Brasil.
  • Mayne Furieri Graduandas do Curso de Fisioterapia da Faculdade Salesiana de Vitória, Vitória-ES, Brasil.
  • Lívia Maria Marques Bonomo Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória-ES, Brasil.
  • Fagner Luiz Pacheco Salles Graduandas do Curso de Fisioterapia da Faculdade Salesiana de Vitória, Vitória-ES, Brasil.
  • Mônica de Andrade Fisioterapeuta da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE Vitória, Vitória-ES, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8547

Palavras-chave:

Síndrome de Down, Desenvolvimento Infantil, Destreza Motora

Resumo

Objetivo. Comparar a funcionalidade de crianças com Síndrome de Down (SD) e crianças com desenvolvimento típico (DT). Método. Foram avaliadas 68 crianças com SD e 68 com DT (n=136), divididas em 3 subgrupos etários: 6 meses a 23 meses, 24 meses a 59 meses e de 60 meses a 90 meses. Para avaliação, utilizou-se o teste funcional PEDI (Pediatric Evaluation of Disability Inventory). O teste não paramétrico de Mann-Whitney e a correlação de Spearman foram utilizados para análise estatística. Resultados. As crianças SD apresentam escores inferiores às crianças DT nas funções de autocuidado, de mobilidade e de função social em todas as faixas etárias (p <0,05). Os subgrupos de 60 meses a 90meses não apresentaram diferença quanto à função de mobilidade (p=0,081). A renda per capita e escolaridade materna impactaram a funcionalidade do grupo DT na função social (r=0,635) e de autocuidado (r=0,581), mas não impactaram a funcionalidade grupo SD. Conclusão: A função social e de autocuidado na SD diferem do desenvolvimento típico e as funções de mobilidade são compatíveis com o DT por volta do quinto ano de vida. As condições socioeconômicas não impactam a funcionalidade das crianças com SD.>

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Haubenstricker JL, Seefeldt V. Acquisition of motor skills during childhood. In: Seefeldt V (eds). Physical Activity and WellBeing. Reston: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation, and Dance, 1986, p.41-102.

Perrotti AC, Manoel ED. Uma visão epigenética do desenvolvimento motor. Rev Bras Cien Mov 2001;9:77-82.

Isaranurug S, Nanthamongkolchai S, Kaewsiri D. Factors influencing development of children aged one to under six old. J Med Assoc Thai 2005;88:86-90.

Ramalho CMJ, Pedremônico MR, Perissinoto J. Síndrome de Down: avaliação do desempenho motor, coordenação e linguagem (entre dois e cinco anos). Temas Desenvolv 2000;9:11-4.

Moreira LMA, Gusmão FAF. Aspectos genéticos e sociais da sexualidade em pessoas com síndrome de Down. Rev Bras Psiquiatr 2002;24:94-9.

Wisniewski KE, Schmidt-Sidor B. Postnatal delay of myelin formation in brains from Down syndrome infants and children. Clin Neuropathol 1989;8:55-62.

Silva MFMC, Kleinhans ACS. Processos cognitivos e plasticidade cerebral na síndrome de down. Rev Bras Edu Esp 2006;12:123-38.

Virji-Babul N, Kerns K, Zhou E, Kapur A, Shiffrar M. Perceptualmotor deficits in children with Down syndrome: Implications for intervention. Down Synd Res Prac 2006;10:74-82

Palisano RJ, Walter S, Russell D, Rosenbaum PL, Gémus M, Galuppi BE, et al. Gross Motor Function of Children With Down Syndrome. Arc Phys Med Rehab 2001;82:494-500.

Gazzaniga MS, Ivry RB, Mangun GR. Development and plasticity. In: Gazzaniga MS, Ivry RB, Mangun GR (eds). Cognitive Neuroscience: the biology of the mind. New York: WW Norton, 1998, p. 465-93.

Parloir C, Fryns JP, Van den Berghe H. Down’s syndrome in brother and sister without evident trisomy 21. Hum Gen 1979;51:227-30.

Vicari S. Motor Development and Neuropsychological Patterns in Persons with Down Syndrome. Beh Gen 2006;36:355-64.

Ludlow JR, Allen LM. The effect of early intervention and preschool stimulus on the development of the Down’s syndrome child. J Ment Defic Res 1979;23:29-44.

Wu J, Looper J, Ulrich BD, Ulrich DA, Angulo-Barroso RM. Exploring Effects of Differentt Treadmill Intervention on Walking Onset Gait Patterns in Infants with Down Syndrome. Dev Med Child Neurol 2007;49:839-945.

Mancini MC. Inventário de avaliação pediátrica de incapacidade (PEDI): manual da versão brasileira adaptada. Belo Horizonte: UFMG, 2005, 261p.

Soares JF, Siqueira LS. Introdução à estatística médica. Departamento de Estatística. Belo Horizonte: Coopmed, 2002, 83p.

Mancini MC, Silva PC, Gonçalves SC, Martins SM. Comparação do desempenho funcional de crianças portadoras de Síndrome de Down e crianças com desenvolvimento normal aos 2 e 5 anos de idade. Arq Neuropsiquiatr 2003: 409-15.

Latash ML. Motor coordination in Down syndrome: The role of adaptive changes. In: Weeks DJ, Chua R, Elliott D (Eds.). Perceptual-Motor Behavior in Down Syndrome. Champaign: Human Kinetics, 2000, p. 199-223.

Gallahue DL. Motor Development and movement skill acquisition in early childhood education. In: Ozmum JC. Handbook of Research on the Education Of Young Children. New York: Macmillan. Spodek, 1993, p. 24-41.

Spanò M, Mercuri E, Randò T, Pantò T, Gagliano A, Henderson S, et al. Motor and perceptual-motor competence in children with Down syndrome: variation in performance with age. Eur J Paediatr Neurol 1999;3:7-13.

Wilson M, Knoblich G. The case for motor involvement in perceiving conspecifics. Psychol Bul 2005;131:460 73.

Conti J. A interferência dos aspectos percepto-cognitivos nas atividades de vida diária e nas atividades instrumentais de vida diária, em clientes com seqüelas por lesão neurológica. Acta Fisiatr 2006;13:83-6.

Silva NLP, Dessen MA. Deficiência Mental e Família: Implicações para o Desenvolvimento da Criança. Psicologia: Teor Pes 2001;17:133-41.

Andrade AS, Santosa DN, Bastos AC, Marcondes MR, Almeida-Filho PN. Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Rev Saúde Pub 2005;39:606-11.

Linhares MBM, Carvalho AEV, Machado C, Martinez FE. De senvolvimento de bebês nascidos pré-termo no primeiro ano de vida. Paidéia 2003;13:29-34.

Merrick J, Kandel I, Vardi G. Adolescents with down syndrome. Inter J Adol Med Health 2004;16:13-9.

Shumway-Cook A, Woollacott MH. Aprendizagem Motora e Recuperação da Função. In: Shumway-Cook A, Woollacott MH (eds). Controle Motor: Teorias e Aplicações Práticas. São Paulo: Manole, 2003, p. 25-83.

Downloads

Publicado

2009-09-30

Como Citar

Ferreira, D. M., Salles, B. F., Marques, D. V. M., Furieri, M., Bonomo, L. M. M., Salles, F. L. P., & de Andrade, M. (2009). Funcionalidade de crianças com e sem Síndrome de Down. Revista Neurociências, 17(3), 231–238. https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8547

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)