Dor e Doença de Parkinson em idosos

impacto na qualidade de vida medido pelo questionário McGill

Autores

  • Mariane Ferreira Polidorio Fisioterapeuta, Epecialista em Fisioterapia Geriátrica, Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, Cascavel-PR, Brasil.
  • Eduardo Alexandre Loth Fisioterapeuta, Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana, Professor Adjunto do curso de fisioterapia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, Cascavel-PR, Brasil.
  • Paulo Eduardo Mestrinelli Carrilho Neurologista, Mestre em Neurologia, Professor assistente do curso de medicina da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, Cascavel-PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8546

Palavras-chave:

Doença de Parkinson, Dor, Qualidade de Vida

Resumo

Dor é uma queixa freqüente entre os pacientes portadores de Doença de Parkinson (DP), mas também entre idosos em geral. Seu impacto no cotidiano é considerado alto. O Questionário de McGill (Br-MPQ) é um instrumento desenvolvido para medir a magnitude do impacto da dor na qualidade de vida populações idosas. Objetivo. Medir o impacto da dor em pacientes idosos com e sem DP. Método. Br-MPQ foi aplicado em grupo de pacientes parkinsonianos (GI=15) e em controles pareados por idade (GII= 5). Resultados. Dor foi relatada em 53% de GI (n = 8) e 47% de GII (n=7). Um pequeno aumento nas respostas negativas sobre vida social e no cotidiano foi observado em GI. Essa impressão não atingiu diferença estatisticamente significativa em nenhum dos itens do Br-MPQ (p>0,05). Esse dado é dissonante da literatura recente, mas é importante salientar que a presente casuística é relativamente pequena e não permite maiores generalizações. É possível especular, entretanto, que outras complicações maiores da DPI possam sobrepujar o impacto da dor na qualidade de vida desses pacientes medidos pelo Br-MPQ, ou, talvez, esse instrumento não esteja adequado. Um possível viés derivado de eventuais diferenças no nível educacional dos elementos estudados e da grande diferença quanto ao sexo entre GI e GII também deveriam ser considerados.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lau LM, Breteler MM. Epidemiology of Parkinson’s disease. Lancet Neurol 2006;5:525-35.

Barbosa MT, Caramelli P, Maia DP, Cunningham MCQ, Guerra HL, Lima-Costa MF, et al. Parkinsonism and Parkinson’s disease in the elderly: a community-based survey in Brazil (the Bambui study). Mov Disord 2006;21: 800-8.

Goulart F, Santos CC, Teixeira-Salmela LF, Cardoso F. Análise do desempenho funcional em pacientes portadores de Doença de Parkinson. Acta Fisiatr 2004;11:12-6.

Ziemssen T, Reichmann H. Non-motor dysfunction in Parkinson’s disease. Parkin Rel Disord 2007;13:323-32.

Silva EG, Viana MA, Quagliato EMAB. Pain in Parkinson’s disease analysis of 50 cases in a clinic of movement disorders. Arq Neuropsiquiatr 2008;66:26-9.

Scherder E, Wolters E, Polman C, Sergeant J, Swaab D. Pain in Parkinson’s disease and multiple sclerosis: Its relation to the medial and lateral pain systems. Neurosci Biobeh Rev 2005;29:1047-56.

Lee MA, Walker RW, Hildreth TJ, Prentice WM. A survey of Pain in Idiopathic Parkinson´s disease. J Pain Symp Manag 2006;32:462-9.

Vela L, Lyons K, Singer C, Lieberman. Pain-pressure threshold in patients with Parkinson’s disease with or without dyskinesia. Parkin Rel Disord 2006;13:189-92.

Ford B. Pain in Parkinson’s disease. Clin Neurosci 1998;5:63–72.

Quittenbaum BH, Grahn B. Quality of life and pain in Parkinson’s disease: a controlled cross-sectional study. Parkin Rel Disord 2004;10:129-36.

Santos CC, Pereira LSM, Resende MA, Magno F, Aguiar V. Aplicação da versão brasileira do questionário de dor McGill em idosos com dor crônica. Acta Fisiatr 2006;13:75-82.

Augusto ACC, Soares CPS, Resende MA, Pereira LSM. Avaliação da dor em idosos com doença de Alzheimer: uma revisão bibliográfica. Tex Envelhecim 2004;7: 89-104.

Teixeira-Salmela LF, Santos LD, Goulart F, Cassiano JG, Hirochi TL. Efeitos de atividades físicas e terapêuticas em adultos maduros e idosos. Fisioter Bras 2001;2:99-106.

Nègres-Pagès L, Regragui W, Bouhassira D, Grandjean H, Rascol O. Chronic pain in Parkinson’s disease: The cross-sectional French DoPaMiP survey. Mov Disord 2008;23:1361-9.

Souza RG, Borges V, Silva SMCA, Ferraz HB. Quality of life scale in Parkinson’s disease: PDQ-39 (Brazilian Portuguese version) to assess patients with and without levodopa motor fluctuation. Arq Neuropsiquiatr 2007; 65:787-91.

Pinto RASR, Borges V, Aguiar PMC, Ferraz FAP, Hisatugo MKI, Ferraz HB. Avaliação das atividades da vida diária dos pacientes com doença de Parkinson submetidos à cirurgia estereotáxica. Arq Neuropsiquiatr 2002; 60:435-41.

Marinus J, Ramaker C, van Hilten JJ, Stiggelbout AM. Health related quality of life in Parkinson´s disease: a systematic review of disease specific instruments. J Neurol Neurosurg Psychiatr 2002;72:241-8.

Defazio G, Berardelli A, Fabbrini G, Martino D, Fincati E, Fiaschi A, et al. Pain as nonmotor symptom of Parkinson disease. Evidence of case control study. Arch Neurol 2008;65:1191-4.

Von Korff M, Dworkin S, Leresche L. Graded chronic pain status: an epidemiologic evaluation. Pain 1990;40: 279-91.

Kreling MCGD, Da Cruz DALM, Pimenta CAM. Prevalência de dor crônica em adultos. Rev Bras Enferm 2006; 59:509-13.

Downloads

Publicado

2009-09-30

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)