Reflexos, reações e tônus muscular de bebês prétermo em um programa de intervenção precoce

Autores

  • Renan Neves Urzêda Acadêmicos do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia-GO, Brasil.
  • Thalita Galdino de Oliveira Acadêmicos do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia-GO, Brasil.
  • Amanda Martins Campos Acadêmicos do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia-GO, Brasil.
  • Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga Fisioterapeuta, Doutora em Ciências Médicas pela FMRP/USP, Professora do Curso de Fisioterapia da UEG, Goiânia-GO, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8524

Palavras-chave:

ecém-nascido prematuro, Desenvolvimento musculoesquelético, Desenvolvimento infantil, Intervenção precoce

Resumo

Objetivo. Verificar a associação entre a evolução do tônus muscular, a idade de desaparecimento dos reflexos primitivos e aparecimento das reações posturais de bebês nascidos pré-termo. Método. Foram realizadas avaliações neuropsicomotoras mensais em 30 bebês pré-termo, admitidos no setor de Estimulação Precoce do “Follow-up do Bebê de Risco” do Instituto de Saúde Elpídio de Almeida, durante 18 meses após nascimento. Foi realizada correlação de Spearman. Resultados. Observou-se uma tendência de normalização do tônus muscular de acordo com o avanço da idade cronológica. A média de desaparecimento de alguns reflexos se encontrava fora da faixa de normalidade. Observou-se correlação direta negativa entre tônus muscular e reflexos primitivos e inversa entre tônus e reações posturais, ou seja, em geral, na medida em que o tônus muscular se normalizava (diminuía), desapareciam os reflexos primitivos e se desenvolviam (aumentavam) as reações posturais. Conclusão. Houve uma tendência de normalização do tônus muscular de acordo com o avanço da idade cronológica. A aquisição das reações posturais não foi diretamente prejudicada pela persistência de alguns reflexos primitivos devido a normalização do tônus muscular e pela facilitação dos movimentos ativos do bebê através dos estímulos oferecidos pelo programa de intervenção precoce.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gallahue DL, Ozmun JC. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: Bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte Editora, 2003, 641p.

Shermont AG, Cunha MS, Sales LMN, Moraes AN, Malveira SS. Avaliação do desenvolvimento pela escala de Denver II, de recém nascidos prematuros de baixo peso. Rev Para Med 2005;19:59-66.

Sapienza G, Predomônico MRM. Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicol Est 2005;10:209-16.

Halpern R, Giugliani E, Victora C, Barros F, Horta B. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. J Pediatr 2000;76:421-8.

Salles RF. Análise de um programa de intervenção com bebês e famílias atendidas em unidades básicas de saúde – SUS (Tese). São Paulo: UFSCar, 2000, 158p.

Marcondes E. Pediatria Básica. São Paulo: Sarvier, 2002, 843p.

Scochi CGS, Kokuday NLP, Riul NJS, Rossanez LSS, Fonseca LNM, Leite AM. Incentivando o vínculo mãe-filho em situação de prematuridade: As intervenções de enfermagem no Hospitas das Clínicas de Ribeirão Preto. Rev Lat Am Enfer 2003;11:539-43.

Moreira MEL, Rodrigues MA. O Bebê na UTI: Intercorrências e Exames Mais Freqüentes. In: Moreira MEL, Braga NA, Morsch DE. Quando a Vida Começa Diferente: O Bebê e sua Família na UTI Neonatal. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003, p.43-50.

Rugolo LMSS. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J Pediatr 2005;81:101-10.

Resegue R, Puccini RF, Silva EMK. Fatores de Risco Associados a Alterações no Desenvolvimento da Criança. J Pediatr 2007;29:117-28.

Santos RS, Araújo AP, Porto MA. Early Diagnosis of Abnormal Development of Preterm Newborns: Assessment Instruments. J Pediatr 2008;84:289-99.

Perlman MJ. Neurobehavioral Deficits in Premature Graduates of Intensive Care – Pontential Medical and Environmental Risk Factors. J Pediatr 2001;108:1339-48.

Mancini MC, Teixeira S, Araújo LG, Paixão ML, Magalhães LC, Coelho ZAC, et al. Estudo do Desenvolvimento da Função Motora aos 8 e 12 Meses de Idade em Crianças Nascidas Prétermo e a Termo. Arqneuropsiquiatr 2002; 60:974-80.

Rosa-Neto F, Caon G, Bissani C, Silva C, Sousa M, Silva E. Características Neuropsicomotoras de Crianças de Alto Risco Neurológico Atendidas em um Programa de Follow up. Pediatr Mod 2005;42:79-85.

Vilanova LCP. Aspectos neurológicos do desenvolvimento do comportamento da criança. Rev Neurocienc 1998;6:106-10.

Scherzer AL. Diagnostic approach to the infant. In: Scherzer AL. Early diagnosis and interventional therapy in cerebral palsy. New York: Marcel Dekker, 2000, p.49-94.

Marlow N. Neurocognitive outafter very preterm birth. Arch Dis Child Fetal Neonatal Ed 2004;89:224-8.

Brandão JS. Bases do tratamento por estimulação precoce da paralisia cerebral, ou, dismotria cerebral ontogenética. São Paulo: Memnon, 1992, 104p.

Schoen ACB, Ricci E, Oliveira WG. Aplicação do prognóstico de deambulação em crianças com paralisia cerebral descrito por Souza e Ferraretto. Arq Cienc Saúde Unipar 2003;7:51-6.

Formiga CKMR. Programa de intervenção precoce com bebês pré -termo e suas famílias: subsídios para prevenção de deficiências (Tese). São Paulo: UFSCar, 2003, 222p.

Guimarães EL. Estudo para detecção precoce de sinais indicativos de alterações no desenvolvimento neuro-sensóriomotor em bebês de risco (Tese). São Paulo: UFSCar, 2001, 159p.

Bobath B, Bobath KA. Diferenciação entre padrões primitivos e anormais. In: Bobath B. Desenvolvimento motor nos diferentes tipos de paralisia cerebral. São Paulo: Manole, 1990. p.19-22.

Flehmig I. Texto e atlas do desenvolvimento normal e seus desvios no lactente - Diagnóstico e Tratamento Precoce do Nascimento até o 18º mês. Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2005, 316p.

Levitt S. O tratamento da paralisia cerebral e do retardo motor. São Paulo: Editora Manole, 2001, 286p.

Volpe JJ. Neurology of Newborn. Pliladelphia: Saunders, 1987, 876p.

Capute AJ, Shapiro BK, Accardo PJ, Wachtel RC, Ross A, Palmer FB. Motor Functions Associated Primitive Reflex Profiles. Dev Med Child Neurol 1982;24:662-9.

Figueiredo HB. Diagnóstico precoce da paralisia cerebral. In: Leitão A. Paralisia cerebral: diagnóstico, terapia, reabilitação. Rio de Janeiro: Atheneu, 1983, p.15-29.

Shepherd RB. Fisioterapia em Pediatria. São Paulo: Editora Santos, 1995, 21p.

Thelen E. Motor Development: A New Synthesis. Am Psychol 1995;50:79-95.

Guimarães EL, Tudella E. Reflexos Primitivos e Reações Posturais como Sinais Indicativos de Alterações Neuro-SensórioMotoras em Bebês de Risco. J Pediatr 2003;25:28-35.

Piper MC, Darrah J, Byrne P. Impact of gestational age on preterm motor development at 4 months chronological and adjusted ages. Child Care Health Dev 1989;15:105-15.

Downloads

Publicado

2009-12-31

Como Citar

Urzêda, R. N., Oliveira, T. G. de, Campos, A. M., & Formiga, C. K. M. R. (2009). Reflexos, reações e tônus muscular de bebês prétermo em um programa de intervenção precoce. Revista Neurociências, 17(4), 319–325. https://doi.org/10.34024/rnc.2009.v17.8524

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)