Terapia de restrição e indução ao movimento no paciente com AVC

relato de caso

Autores

  • Cristiane Helita Zorél Meneghetti Fisioterapeuta, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento, MACKENZIE, São Paulo-SP, Brasil.
  • Juliana Alves da Silva Fisioterapeuta, Especialista em neurologia adulto e infantil, UNIARARAS, Araras-SP, Brasil.
  • Cristina Aparecida Veloso Guedes Fisioterapeuta, Doutoranda em Ciências Médicas, UNICAMP, Campinas-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8513

Palavras-chave:

Reabilitação, Acidente Cerebrovascular, Membro superior

Resumo

Objetivo. Avaliar a efetividade da terapia de restrição e indução ao movimento (TRIM) em um paciente crônico com hemiparesia após Acidente Vascular Cerebral (AVC). Método. Estudo de caso em um paciente masculino com diagnóstico clínico de AVC, com hemiparesia à direita, 45 anos de idade. Avaliou-se a função motora através da escala Fugl-Meyer modificada. A seguir iniciou-se o treinamento com a TRIM durante 3 horas por dia, num período de três semanas. Resultados. Houve melhora da função motora no membro comprometido, caracterizada por um aumento na pontuação na Escala de Fugl-Meyer, após o período de treinamento com a TRIM. Conclusão. A TRIM melhorou a função motora do membro superior do paciente estudado, podendo ser um método positivo para outros indivíduos com AVC crônicos, após estudo com número maior de casos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Souza SRS, Oliveira CA, Mizuta NA, Santos MH, Moreira AP. Reabilitação funcional para membros superiores pós-acidente vascular encefálico. Fisioter Bras 2003;4:195-9.

Diniz L, Abranches MHS. Neuroplasticidade na terapia de restrição e indução do movimento em pacientes com AVE. Med Reabil 2003;22:53-5.

Umphred DA. Fisioterapia Neurológia. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 1994, 876p.

Bobath B. Hemiplegia no adulto: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole, 1993, 181p.

Freitas ED. Manual prático de reeducação motora de membro superior na hemiplegia: fundamentos no método Brunnstrom. São Paulo: Memnon; 2000, 78p.

Page S, Sisto S, Johnston M, Levine P. Modified Constraint-Induced Therapy after Subacute Strocke: A Preliminary Study. Neurorehabil Neural Repair 2002;16:290-5.

Pierce S, Gallagher K, Schaumburg S, Gershkoff A, Gaughan J, Shutter L. Home Forced Use in an Outpatient Rehabilitation Program for Adults with Hemiplegia: A Pilot Study. Neurorehabil Neural Repair 2003;17:214-9.

Sterr A, Elbert T, Berthold I, Kolbel S, Rockstroh B, Taub E. Longer Versus Shorter Daily Constraint-Induced Movement Therapy of Chronic Hemiparesis: Na Exploratory Study. Arch Phys Med Rehabil 2002;83:1374-7.

Winstein C, Blanton S, Taub E, Uswatte G, Morris D, Nichols D, et al. Methods for a Multisite Randomized Trial to Investigate the Effect of Constraint-Induced Movement Therapy in Improving Upper Extremity Function among Adults Recovering from a Cerebrovascular Stroke. Neurorehabil Neural Repair 2003;17:137-52.

Alberts J, Butler A, Wolf S. The Effects of Constraint-Induced Therapy on Precision Grip: A Preliminary Study. Neurorehabil Neural Repair 2004;18:250-8.

Riberto M, Monroy HM, Kaihami HN, Otsubo PPS, Battistella LR. A terapia de restrição como forma de aprimoramento da função do membro superior em pacientes com hemiplegia. Acta Fisiatr 2005;12:11-4.

Rijntjes M, Hobbeling V, Hamzei F, Dohse S, Ketels G, Liepert J, et al. Individual Factors in Constraint-Induced Movement Therapy after Stroke. Neurorehabil Neural Repair 2005;19:238-49.

Tarkka I, Pitkanen K, Sivenius J. Paretic Hand Rehabilitation with Constraint-Induced Movement Therapy After Stroke. Am J Phys Med Rehabil 2005;84:501-5.

Maki T, Quagliato EMAB, Cacho EWA, Paz LPS, Nascimento NH, Inoue MMEA, et al. Estudo de confiabilidade da aplicação da escala de Fugl-Meyer no Brasil. Rev Bras Fisioter 2006;10:177-83.

Cacho EWA, Melo FRLV, Oliveira R. Avaliação da recuperação motora de pacientes hemiplégicos através do protocolo de desempenho físico FuglMeyer. Rev Neurocienc 2004;12:94-102.

Senkiio CH, Kill F, Negretti MR, Oliveira CA, Alves NPF, Souza SRS. A utilização da escala de Fugl-Meyer no estudo do desempenho funcional de membro superior no tratamento de indivíduos hemiparéticos pós AVE. Fisioter Bras 2005;6:13-8.

Gladstone DJ, Danells CJ, Black SE. The Fugl-Meyer assessment of motor recovery after Stroke: a critical review of its measurement properties. Neurorehabil Neural Repair 2002;16:232-40.

Downloads

Publicado

2010-03-31

Como Citar

Meneghetti, C. H. Z., Silva, J. A. da, & Guedes, C. A. V. (2010). Terapia de restrição e indução ao movimento no paciente com AVC: relato de caso. Revista Neurociências, 18(1), 18–23. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8513

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)