Os efeitos do comando verbal na reabilitação física

Autores

  • Luana ACS Galdino Fisioterapeuta, especialista em Reabilitação Física pela AACD, São Paulo-SP, Brasil
  • Eliana Maria Varise Fisioterapeuta, Mestranda em Neurologia, Professora da UNINOVE, São Paulo- SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8509

Palavras-chave:

Fisioterapia, Reforço Verbal, Desempenho Psicomotor

Resumo

Introdução. Embora pouco explorado, o comando verbal constitui uma ferramenta amplamente utilizada na reabilitação física. Este estudo, analisou as funções do comando verbal como recurso terapêutico, sua influência no desempenho motor e aplicabilidade na reabilitação física por meio de uma revisão da literatura. Método. Revisão de literatura, com publicações de 1950 a 2008, proveniente dos bancos de dados LILACS, SCIELO, MEDLINE. Foram incluídas publicações que abordavam os efeitos do comando verbal como recurso terapêutico na reabilitação física, especialmente associada ao ato motor. Resultados. A literatura revisada permite descrever dois componentes que constituem o comando verbal: o componente verbal, que atribui o propósito (o que fazer), e o componente não-verbal que elucida a maneira que a tarefa deve ser realizada (como fazer). Ambos podem ser modulados de acordo com os objetivos terapêuticos pretendidos. Conclusão. O comando verbal, aliado às tarefas motoras orientadas, torna-se uma interface importante entre o terapeuta e o paciente para a obtenção de resultados positivos na reabilitação física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Lameira AMP, Gawryszewski LG, Pereira Junior A. Neurônios Espelhos. Psic USP 2006;17:123-33.

Lent R. Cem bilhões de neurônios. São Paulo: Atheneu; 2002, 698p.

Watzlavick BF, Beavin JH, Jackson DD. Pragmática da comunicação humana. São Paulo: Cultrix, 2004, 263p.

Pardo MS. Estudo comparativo dos efeitos da utilização de dois tipos de comandos verbais diferentes no treinamento de alongamento muscular [dissertação]. São Paulo: Instituto de Fisiopatologia Experimental, Universidade de São Paulo, 2005, 88p.

Kandel ER, Schwartz JH, Jessell TM. Principles of Neural Scienc. New York: McGraw-Hill; 2000, 1430p.

Cohen H. Neurociências para fisioterapeutas- Incluindo correlações clínicas. São Paulo: Manole; 2001, 519p.

Niemeijer AS, Smits- Engelsman BCM, Reynders K, Schoemaker M. Verbal actions of physiotherapists to enhance motor learning in children with DCD. Hum Mov Sci 2003;22:567-81.

Bernatzy G, Bernatzy P, Hesse HP, Sraffen W, Laudurner G. Simulation music increases motor coordination in patients afflicted with Morbus Parkinson. Neusci Lett 2004; 6:361:4- 8.

Souza EML. Comportamento verbal: definição, relações de contingência e importância no contexto clínico. Psicol Argum 2002;20:31-6.

Skiner BF. Selection by consequences. Behav Brain Sci 1984;7:477-510.

Teixeira LA. Coordenação intersegmentar de arremessos com diferentes demandas de precisão. Rev Paul Educ Fís 1997;11:5-14.

Maita KK, Telage KM, Rice MS. Self- speech- induced facilitation of simple reaching movements in persons with stroke. Am J Occup Ther 2006;6:146-54.

Maitra KK. Enhancement of reaching performance via self- speech in people with Parkinson’s disease. Clin Rehabil 2007; 21:418-24.

Carr JH Shepherd RB. The changing face of neurological rehabilitation. Rev Bras Fisioter 2006;10:147-56.

Voss DE, Ionta MK, Myers BJ. Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva- padrões e técnicas. São Paulo: Médica Panamericana, 1987, 488p

Sidman M. Equivalence relations and the reinforcement contingency. J Exp Anal Behav 2000;74:127-46.

Barzouka K, Bergeles N, Hatziharistos D. Effect of simultaneous model observation and self- modeling of volleyball skill acquisition. Percept Mot Skills 2007;104:32-42.

Aguilar G, Leal C. Análisis comportamental aplicado al deporte: efectos de la retralimentação visual y del refuerzo verbal en “softbol” competitivo. Rev Latinoam Psicol 1985;17:315-28.

Demeurisse G. Mechanisms of functional restoration after brain injury. Acta Neurol Belg 2000;100:77-83.

Guiyat GH, Pugsley SO, Sullivan MJ, Thompsom PJ, Berman LB, Jones N, Fallen, E, Taylor DW. Effect of encouragement on walking test performance. Thorax 1984; 39:818-22.

Teixeira LA. Frequência de conhecimento de resultados na aquisição de habilidades motoras: efeitos transitórios e de aprendizagem. Rev Paul Educ Fis 1993;7:8-15.22.Smith VA, De Vellis SBM, Kalet A, Roberts JC, De Vellis RF. Encouraging patient adherence: primary care physicians use of verbal compliancegaining strategies in medical interviews. Patient Educ Couns 2005;57:62-76.

Butt ML, Kisilevsky BS. Music modulates behaviour of prematures infants following heel lance. Can J Nur Res 2000;31:17-39.

Koger SM, Chapin K, Botons M. Is Music Therapy an Effective Intervention for Dementia? A Meta-Analytic Review of Literature. J Music Ther 1999;36:2-15.

Downloads

Publicado

2010-03-31

Como Citar

Galdino, L. A., & Varise, E. M. (2010). Os efeitos do comando verbal na reabilitação física. Revista Neurociências, 18(1), 95–102. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8509

Edição

Seção

Revisão de Literatura
Recebido: 2019-02-16
Publicado: 2010-03-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)