A reabilitação funcional do membro superior de pacientes espásticos, pós Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Autores

  • Adriana Cristina Franco Thame Graduanda em Terapia Ocupacional – Universidade de Sorocaba, Sorocaba-SP, Brasil.
  • Priscila Alves Pinho Graduanda em Terapia Ocupacional – Universidade de Sorocaba, Sorocaba-SP, Brasil.
  • Bruneta Reys Terapeuta Ocupacional, Mestre em Educação – UNISO, professora titular da Universidade de Sorocaba, Sorocaba-SP, Brasil
  • Adriano Conrado Rodrigues Terapeuta Ocupacional, Mestre em Ciências da Reabilitação Neuromotora – UNIBAN, professor titular da Universidade de Sorocaba, Sorocaba-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8496

Palavras-chave:

Acidente Cerebral Vascular, Terapia Ocupacional, Hemiplegia, Aprendizagem, Movimento

Resumo

Objetivo. Essa pesquisa procura estabelecer parâmetros para a elaboração de um protocolo de abordagem a pacientes espásticos pós Acidente Vascular Cerebral, para a reabilitação funcional do membro superior. Método. Esta pesquisa foi desenvolvida em uma abordagem quali-quantitativa, exploratória e descritiva, a partir de uma revisão de literatura e o acompanhamento de um caso clínico, em um recorte de tempo de seis meses. Resultados. Como resultados, observamos a melhor percepção do membro superior acometido, bem como o uso desse membro em atividades bi manuais, o que refletiu diretamente em ganho de independência e maior autonomia nas Atividades da Vida Diária, aferido pela ANOVA (Análise de Variância para Medidas Repetidas) da Medida de Independência Funcional (MIF) nas três etapas de avaliação, onde p= 0,01 (p <0,05). Conclusão. Nesta pesquisa, o protocolo elaborado para estímulo do comportamento motor do membro superior da paciente, associado ao uso de Toxina Botulínica, mostrou-se eficiente, promovendo o ganho de mobilidade ativa e seletiva, além da melhora no uso funcional do membro superior.>

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Kandel ER, Schwartz JH, Jessell TM. Princípios da Neurociência. 4 ed. Barueri: Editora Monole, 2003, 843p.

Lianza S. Espasticidade: Conceitos atuais baseados em evidências científicas. Coordenação e editoração médica. São Paulo: Sociedade Paulista Física e Reabilitação, 2004, 470p.

Jarus T. Motor learning and Occupational Therapy: The Organization of practice. Am J Occup Ther, 1994;48:9-11.

Trombly CA, Radomski MV. Terapia Ocupacional para Disfunções Físicas. 5ª. ed. São Paulo: Editora Santos, 2005, 811p.

Teixeira E, Sauron FN, Santos LSB, Oliveira MC. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física. São Paulo: Editora Roca, 2003, 422p.

Magill RA. Aprendizagem Motora Conceitos e Aplicações. 1 ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher ltda., 2002, 226p.

Levy JA, Oliveira ASB. Reabilitação em Doenças Neurológicas. São Paulo: Editora Atheneu, 2003, 347p.

Warren Jr WH. Perceiving Affordances: Visual Guidence of Stair Climbing. J Exp Psychol Hum Percept Perform 1984;10:683-703.

Rugy A. The Control of Human Locomotor Point Under Restricted Informational Conditions. Neurosci Lett 2000; 281:87-90.

Keele SW, Posner MI. Processing of Visual Feedback in Rapid Moviments. J Exp Psychol Gen 1968;77:155-8.

Shea JB, Morgan RL. Contextual Interference Effects on the Acquisition, Retention and Transfer of a Motor Skill. J Exp Psychol Learn Mem Cogn 1979;5:179-87.

Almeida MC. Saúde e Reabilitação de Pessoas com Deficiências: Modelos Assistenciais. Tese de Doutorado. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, 2000, 206p.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Como Citar

Thame, A. C. F., Pinho, P. A., Reys, B., & Rodrigues, A. C. (2010). A reabilitação funcional do membro superior de pacientes espásticos, pós Acidente Vascular Cerebral (AVC). Revista Neurociências, 18(2), 179–185. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8496

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)