Correlação entre a função motora e cognitiva de pacientes com Paralisia Cerebral

Autores

  • Renata Hydee Hasue Vilibor Fisioterapeuta, Doutorada, Professora do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - USP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Regiane Henrique Vaz Fisioterapeuta, Especialista em Pesquisa Clínica pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8462

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Desenvolvimento Infantil, Cognição

Resumo

Este trabalho é uma revisão da literatura sobre a correlação entre a função motora e cognitiva em pacientes com Paralisia Cerebral (PC). Os estudos encontrados correlacionam as alterações motoras em crianças com PC com as alterações de quociente de inteligência (QI), linguagem, percepção visual, auditiva, somatossensorial, e funções executivas. Foi visto que quanto maior o comprometimento motor, maior o comprometimento cognitivo. Entretanto, crianças com quadros motores mais graves podem ter funções cognitivas como percepção auditiva, somatossensorial e de raciocínio dentro do padrão de normalidade se forem expostas a um ambiente enriquecido e à interação social intensa. Algumas crianças com PC podem ainda ter um desempenho superior em habilidades de auto-cuidado quando comparadas com crianças normais, devido a constante estimulação pela equipe multiprofissional e cuidadores

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nelson CA. Paralisia Cerebral. In: Umphred DA. Fisioterapia Neurológica. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 1994, p.237-56.

Kottke FJ, Lehmann J. Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen. 4ª. ed. São Paulo: Manole, 1994, p.419-21.

Lianza S. Medicina de Reabilitação. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2001, p.304-26.4.Mancini MC, Fiuza PM, Rebelo JM, Magalhães LC, Coelho ZAC, Paixão ML. Comparação do desempenho de atividades funcionais em crianças com desenvolvimento normal e crianças com paralisia cerebral. Arq Neuropsiquiatr. 2002;60(2B):446-52.

Fonseca V. Da filogênese à ontogênese da motricidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988, 309p.

Cohen H. Neurociências para fisioterapeutas - incluindo correlações clínicas. São Paulo: Manole, 2001, 47p.

Backin JS. Your child’s development. In: Geralis E. Children with cerebral palsy: A parent’s guide. Bethesda: Woodbine House, 1992, p.175–208.

Atkinson RL, Atkinson RC, Smith EE, Bem DJ, Nolen HS. Introdução à neuropsicologia. Porto Alegre: Artmed, 2002, 11p.

Miller G, Clark GD. Paralisias cerebrais: causas, consequências e condutas. São Paulo: Manole, 2002, 24p.

Shepherd RB. Fisioterapia em Pediatria. 3ª. ed. São Paulo: Santos, 1996, 421p.

Lamônica DAC. Linguagem na paralisia cerebral. In: Ferreira LP, Befilopes DM, Limongi SCO. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 2004, p.967-76.

Gardner H. Inteligências Múltiplas. A teoria na prática. Porto Alegre: Artmed, 2000, 214p.

Damiano DL. Activity, Activity, Activity: Rethinking Our Physical Therapy Approach to Cerebral Palsy. Phys Ther 2006;86:1534–9.

Rizzo AMPP. Psicologia em Paralisia Cerebral: Experiência no Setor de psicologia infantil da AACD. In: Souza AMC, Ferraretto I. Paralisia Cerebral - Aspectos práticos. ABPC 2ª. ed, São Paulo: Memnon, 2001, p.297-317.

Wolke D, Meyer R. Cognitive status, language attainment, and prereading skills of 6-years-old very preterm children and their peers: The Bavarian Longitudinal Study. Dev Med Child Neurol 1999;41:94-109.

Guimarães AEO, Pereira EC, Emmel MLG. A brincadeira simbólica nas situações lúdicas de crianças portadoras de necessidades especiais e crianças normais. Temas em desenvolvimento. São Paulo: Memnon, 2002, p.3-5.

Fawer CL, Besnier S, Forcada M, Buclin T, Calame A. Influence of perinatal, Devmental and environmental factors on cognitive abilities of preterm children without major impairments at 5 years. Early Hum Dev 1995;43: 151-64.

Oliveira K, Vygotsky M. Aprendizado e desenvolvimento um processo sócio – histórico. São Paulo: Scipione, 1999, p.26-83.

Souza AMC, Ferrareto I. Paralisia Cerebral, aspectos Práticos. São Paulo, Memnon, 2001, 38p.

Wojciech K, Wojciech S, Bozena K, Jerzy W. Corpus Callosum Size in Children With Spastic Cerebral Palsy: Relationship to Clinical Outcome. J Child Neurol 2007;22:371–4.

Falkner LJ, Cadenhead S, Muers M. Keys to patenting a child with cerebral palsy. Baltimore: Barrond´s Edycation Series, 1997, 217p.

Lamônica DAC; Devitto LPM; Rouston JC; Withaker ME; Ribeiro LM. Avaliação dos aspectos semânticos da linguagem de paralíticos cerebrais. Rev Salusvita 2003;22:229-37.

Pfeifer LI. Comprometimento motor e Aquisição das habilidades cognitivas em crianças portadoras de Paralisia Cerebral. Temas em desenvolvimento. São Paulo: Memnon, 1997;31:4-13.

Fredrizzi E, Invemo M, Botteon G, Anderloni A, Filippini G, Farinotti M. The cognitive development of children born preterm and affected by spastic diplegia. Brain Dev 1993;15:428-32.

Davatzikos C, Barzi A, Lawrie T, Hoon A.H.J, Melhem E.R. Correlation of Corpus Callosal Morphometry with Cognitive and Motor function in Periventricular Leukomalacia. Neuropediatr 2003;34:247–52.

Jakobson LS, Frisk V, Knight RM, Downie ALS, White H. The Relationship Between Periventricular Brain Injury and Deficits in Visual Processing Among Extremely-Low-Birthweight (1000 g) Children. J Pediatric Psychol 2001; 26:503-12.

Bergin E. Perinatal Asphyxia, ischemia and hearing loss: on overview. Scan Audiol 1997;26:77-91.

Lamônica DAC, Chiari BM, Pereira LD. Perda auditiva em indivíduos Paralíticos Cerebrais: Discussão etiológica. Rev bras otorrinolaringol 2002;68:40-5.

Oliveira AIA, Pinto RF, Ruffeil E. A tecnologia e o desenvolvimento cognitivo da criança com Paralisia Cerebral. Belém (Tese). Universidade do Estado do Pará 2004, 28p.

Bass N. Cerebral palsy and neurodegenerative disease. Curr Opin Pediatr 1999;11:504-7.

Rose J, Wolff DR, Jones VK, Bloch DA, Oehlert JW, Gamble JG. Postural Balance in children with Cerebral Palsy. Dev med child Neurol. 2002;44:58-63.

Ostensjo S, Carlberg EB, Vollestad NK. Motor impairments in young children with cerebral palsy: relationship to gross motor function and everyday activities. Dev med child Neurol. 2004;46:580-9.

Barela AMF, Almeida GL. Controle de movimentos voluntários no membro superior não plégico de portadores de paralisia cerebral hemiplégica espástica. Rev bras fisiot 2006;10:325-32.

Downloads

Publicado

2010-09-30

Como Citar

Vilibor, R. H. H., & Vaz, R. H. (2010). Correlação entre a função motora e cognitiva de pacientes com Paralisia Cerebral. Revista Neurociências, 18(3), 380–385. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8462

Edição

Seção

Revisão de Literatura

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.