Medidas de Avaliação na Paraparesia Espástica Tropical

Revisão de Literatura

Autores

  • Márcia Shublaq Fisioterapeuta, Mestre em Neurociências/Neurologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Marco Orsini Acadêmico de Medicina - UNIGRANRIO, Doutorando em Neurologia|Neurociências na Universidade Federal Fluminense – UFF, Professor Titular de Reabilitação Neurológica, Escola Superior de Ensino Helena Antipoff – ESEHA, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Marzia Puccioni Sohler Neurologista, Professora adjunta UNIRIO/UFRJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8435

Palavras-chave:

Paraparesia Espástica Tropical, Virus Linfotrópico de Células T Humanas Tipo 1, HTLV-1

Resumo

Introdução. A paraparesia espástica tropical/mielopatia associada ao HTLV-1 (PET/MAH) é uma doença causada pelo retrovírus T linfotrópico humano tendo como manifestação principal a paraparesia espástica progressiva. Objetivo. Promover uma revisão de literatura sobre o uso de escalas funcionais para avaliação de indivíduos com PET/MAH, para melhor orientação dos profissionais envolvidos na reabilitação desses pacientes. Método. Neste estudo de revisão de literatura, foi realizada uma busca nas bases de dados Bireme, Scielo e Pubmed a respeito dos principais perfis, medidas e indicadores de avaliação utilizados em pacientes com injúrias neurológicas. Discussão. Diversas avaliações têm sido propostas no sentido de acompanhar indivíduos com disfunções neurológicas durante o percurso de suas vidas, entretanto, recomendações para a utilização destes instrumentos são pouco abordadas em pacientes com PET/MAH. Conclusão. A literatura não apresenta uniformidade nos métodos e procedimentos de pesquisa. A Medida de Independência Funcional (MIF) parece ser a mais indicada para avaliação de pacientes com PET/MAH, uma vez que é capaz de mensurar as modificações funcionais do paciente ao longo do curso da doença.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Osame M. Pathological mechanism of human T-cell lymphotropic virus type I-associated myelopathy (HAM/TSP). J Neuro Virol 2002;8:350-64.

Souza LA, Lopes IGL, Maia EL, Azevedo VN, Machado LF, Ishak MO, et al. Molecular characterization of HTLV-1 among patients with tropical paraparesis/HTLV-1 associated myelopathy in Belem, Para. Rev Bras Med Trop 2006;39:504-6.

Figueroa EN, Remondegui C, Valdez M, Pintado A. Paraparesia espástica tropical na província de Jujuy. Cuad Fac Humanid Cienc Soc 2004;22:273-86.

Proietti ABF, Ribas JGR, Soares BCC. Infection and disease caused by the human T cell lymphotropic viruses type I and II in Brazil. Rev Soc Bras Med Trop 2002;35:499-508.

Orsini M, Lannes P, Machado D, Miana LC, Silva JG, Bastos VHV. Paraparesia Espástica Tropical: Mielopatia Associada ao HTLV - 1: Posíveis Estratégias cinesioterapêuticas para melhora dos padrões de marcha em portadores sintomáticos. Rev Neurocienc 2006;14:153-60.

Franzoi AC, Araújo AQC. Disability profile of patients with HTLV-1 associated myelopathy/tropical spastic paraparesis using the Functional Independence Measure (FIM). Spinal Cord 2005;43:236-40.

Castro-Costa CM, Salgueiro MR, Calrton H, Vale OC, De Arruda AM. Tropical spastic paraparesis in the Northeastern Brazil. Arq Neuropsiquiatr 1989;47:134-8.

Castro LHM, Chaves CJ, Callegaro D, Nóbrega JP, Scaff M. HTLV1 associated myelopathy in the Northeastern Brazil. Arq Neuropsiquiatr 1989;47:501-2.

Catalan-Soares BC, Proietti FA, Carneiro-Proietti ABF. Os vírus linfotrópicos de células T humanas (HTLV-I) na última década (1990-2000): aspectos epidemiológicos. Rev Bras Epidemiol 2001;4:81-94.

Caneda MA, Fernande JG, Almeida AG, Mugnol FE. Reliability of neurological asessment scales in patients with stroke. Arq Neuropsiquiatr 2006;64:690-7.

Gosman-Hedström G, Svensson E. Parallel reliability of the Functional Independence Measure and the Barthel Index. Dis Rehab 2000;22:702-15.

Putten JJMF, Hobart JC, Freeman JA, Thompson AJ. Measuring change in disability after inpatient rehabilitation: comparison of the responsiveness of the Barthel Index and the Functional Independence Measure. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1999;66:480-4.

Arbizu-Urdiain T, Martinez-Yélamos A, Casado-Ruiz V. Escalas de deterioro, discapacidad y minusvalía em la esclerose múltiple. Neurol 2002;35:1081-93.

Felipe E, Mendes FM, Moreira MA, Tilbery CP. Análise comparativa entre duas escalas de avaliação clínica na esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2000;58:300-3.

Claesson L, Svensson E. Measures of order consistency between paired ordinal data: application to the functional independence measure and Sunnaas index of ADL. J Rehab Med 2001;33:137-44.

Dodds TA, Matrin DP, Stolov WC, Deyo RA. A validation of the Functional Independence Measurement and its performance among rehabilitation inpatients. Arch Phys Med Rehabil 1993;74:531-6.

Haley SM, Coster WJ, Blinda-Sundberg K. Measuring physical disablement: the contextual challenge. Phys Ther 1994;74:443-51.

Mendes FM, Balsimelli S, Stangehaus G, Tilbery PT. Validação de escala de determinação funcional da qualidade de vida na esclerose múltipla para a língua portuguesa. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:108-13.

Stineman MG, Shea JA, Jette A, Tassoni CJ, Ottenbacher KJ, Fiedler R, et al. The functional independence measure: tests of scaling assumptions, structure, and reliability across 20 diverse impairment categories. Arch Phys Med Rehabil 1996;77:1101-8.

Bustamante SEZ, Bottino CMC, Lopes MA, Azevedo D, Hototian SR, Litvoc J, et al. Instrumentos combinados na avaliação de demência em idosos: resultados preliminares. Arq Neuropsiquiatr 2003;61:601-6.

Alarcón-Avilés T, Alarcón-Guzmán T, Roman CG. Tratamiento de la paraparesia espástica tropical con pentoxifilina: estudio piloto. Rev Ecuat Neurol 2002;1:1-2.

Alarcón-Gusmán T, Alarcón-Avilés T. Infección neurológica por HTLVI. Rev Ecuat Neurol 2001;10:12-9.

Mahoney FI, Barthel D. Functional evaluation: the Barthel Index. Maryland State Med J 1965;14:56-61.

Loewen SC, Anderson BA. Reliability of the Modified Motor Assessment Scale and the Barthel Index. Phys Ther 1988;68:1077-81

Creel GL, Light KE, Thigpen MT. Concurrent and construct validity of scores on the timed movement battery. Phys Ther 1986;66:1233-8.

Kurtzke JF. A new scale for evaluating of disability in multiple sclerosis. Neurol 1955;5:580-3.

Miller DM, Rudick RA, Cutter G, Baier M, Fischer JS. Clinical significance of the multiple sclerosis functional composite: relationship to patient-reported quality of life. Arch Neurol 2000;57:1319-24.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol 1999;39:143-50.

Castro M, Caiuby AV, Draibe AS, Canziani ME. Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise avaliada através do instrumento genérico SF-36. Rev Assoc Med Bras 2003;49:245-9.

Downloads

Publicado

2010-12-31

Como Citar

Shublaq, M., Orsini, M., & Sohler, M. P. (2010). Medidas de Avaliação na Paraparesia Espástica Tropical: Revisão de Literatura. Revista Neurociências, 18(4), 505–511. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8435

Edição

Seção

Revisão de Literatura

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>