Dança e fisioterapia em crianças e adolescentes com paralisia cerebral

Autores

  • Luciana Barbosa dos Santos Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia UNIBAN/SP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Douglas Martins Braga Especialista em hidroterapia na reabilitação de doenças neuromusculares UNIFESP-EPM, Fisioterapeuta do setor de Fisioterapia aquática da AACD e ambulatório de Neuroimunologia da UNIFESP, Fisioterapeuta responsável pelo setor artístico do Clube dos Paraplégicos de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8434

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Dança, Qualidade de Vida

Resumo

Introdução. A Paralisia Cerebral PC é caracterizada por uma desordem do tônus do movimento e da postura de caráter não progressivo. A qualidade de vida está baseada na percepção de um indivíduo, como uma experiência interna de satisfação e bem-estar. O uso lúdico da dança tem proporcionado benefícios no que se refere aos aspectos: físico, emocional e social melhorando a qualidade de vida dos indivíduos com PC. Objetivo. O presente estudo teve como objetivo verificar a qualidade de vida em crianças e adolescentes com PC que realizam fisioterapia e que praticam aulas de dança. Método. Foi realizado um estudo transversal envolvendo 20 crianças e adolescentes com diagnóstico de PC entre 05 a 19 anos, que frequentavam duas instituições diferentes em uma instituição realizava aulas de dança e fisioterapia e na outra apenas fisioterapia. O instrumento utilizado foi o questionário “Child Health Questionnaire” (CHQ- PF50). Resultados. Os resultados mostraram diferenças estatisticamente significantes nos domínios comportamento, auto-estima e saúde mental para o grupo que praticava aulas de dança. Conclusão. A partir desses resultados podese concluir que as crianças e adolescentes com PC que realizavam fisioterapia e aulas de dança tiveram uma melhor QV, em relação aquelas que realizavam fisioterapia.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lianza S. Medicina de Reabilitação princípios e prática. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2001, 463p.

Dzienkowski RC, Smith KK, Dillow KA, Yucha CB. Cerebral palsy: a comprehensive review. Nurse Practitioner 1996;21:45-59.

Piovesana AMSG. Encefalopatia crônica (paralisia cerebral): etiologia, classificação e tratamento clínico. In Fonseca LF, Pianetti G, Xavier CC (eds). Compêndio de neurologia infantil. Rio de Janeiro: MEDSI, 2002; p.825-38.

Rotta N T. Paralisia cerebral: novas perspectivas terapêuticas. Jornal de Pediatria. 2002;78:48-54.

Petersen MC, Kube DA, Palmer FB. Classification of developmental delays. Sem Ped Neural. 1998;5:2-14.

Bax M, Goldstein M, Rosenbaum P, Leviton A, Paneth N, Ban B, et al. Proposed definition and classification of cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 2005;47:571-6.

Caminada E. História da dança: Evolução Cultural. São Paulo: Sprint,1999, 486p.

Hollatz K, Sarro KJ. O uso da dança como aspecto lúdico no tratamento fisioterapêutico para criança portadora de paralisia cerebral. Fisioterapia Brasil. 2005;6:223-5

Pratt RR. Art, dance, and music therapy. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2004;15:827-4.

WHOQOL Group. The World Health Organization Quality of life assessment (WHOQOL): positiion paper from the World Health Organization. Soc. Sci. Med.1995;41:1403-95.

Minayo MC, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência saúde coletiva. 2000;5:7-18

Santos SR, Santos IBC, Fernandes MGM, Henriques MERM. Qualidade de vida do idoso na comunidade: aplicação da escala de franagan. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2002;10:757-64.

Guyatt GH, Naylor D, Juniper E, Heyland D K, Jaeschke R, Cook DJ. Users’ guides to medical literature: how to use article about related quality of life. JAMA.1997;15:1232-7.

Guyatt GH, Feeny DH, Patrick DL. Measuring health-related quality of life. Annals of Internal Medicine. 1993; 118:622-9.

Machado CSM, Ruperto N, Silva CHM, Ferriani VPL, Roscoe I, Campos SKF, et al. The Brazilian version of the childhood health assessment questionnaire (CHAQ) and the child health questionnaire (CHQ). Clinical and Experimental Rheumatology. 2001;19:525-7.

Landgraf JM, Maunsell E, Speechley KN, Bullinger M, Campbell S, Abetz L, et al. Canadian-French, German and UK versions of the child health questionnaire: methodology and preliminary item scaling results. Qual. life res. 1998;7:433-45.

Cullough N, Parkes J, White MK, Beckung E, Allan C. Reliability and validity of the child health questionnaire-PF50 for Europen children with cerebral. Journal of Pediatric Psychology. 2009:34:41-50.

Morales NMO. Avaliação transversal da qualidade de vida em crianças e Adolescentes com paralisia cerebral por meio de um instrumento genérico (CHQ-PF50). Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) Uberlândia –Universidade Federal de Uberlândia, 2005, 119p.

Silva F, Carvalho BA, Neto ARM. Dança em cadeira de roda e paralisia cerebral: estudo de caso da menina Laura. Revista Conexão 2009;10:15-6.

WaKe M, Salmon L, Reddihough D. Health status of Australian children with mild to severe cerebral palsy: cross-sectional survey using the child health Questionnaire. Developmental Medicine and Child Neurology, 2003; 45:194-9.

Majnemer A, Shevell M, Posenbaum P, Law M, Poulin C. Determinants of life quality in school-Age children with cerebral Palsy. J of Pediatrics. 2007;151:463-9.

Braccialli LMP, Ravazz RMD. Dança: influência no desenvolvimento da criança com paralisia cerebral. Temas sobre desenvolvimento. 1998;7:22-5.

Bernardi CH, Prado ALC. A dança como um caminho para a melhora da imagem corporal do indivíduo portador de deficiência física. FisioBrasil. 2005;70:20-5.

Peres M, Gonçalves CA. Dança para pessoas com lesão medular uma experiência de abordagem terapêutica. Revista Conexões 2000;6:54-60.

Downloads

Publicado

2010-12-31

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)