Efeito de um protocolo fisioterapêutico na função respiratória de crianças com paralisia cerebral

Autores

  • Monique Maglovsky Feroldi Fisioterapeuta, Uniararas, Araras-SP, Brasil.
  • Rafaela Baptistella Mira Fisioterapeuta, Uniararas, Araras-SP, Brasil.
  • Ana Beatriz Sasseron Fisioterapeuta, Mestre em Cirurgia Experimental (Unicamp), Especialista em Clínica Fisioterápica – Uniararas, docente do curso de graduação em Fisioterapia e Especialização em Fisioterapia Respiratória adulto e infantil da Uniararas, Araras-SP, Brasil.
  • Patricia Fregadolli Fisioterapeuta da UTI da ISCM de Rio Claro-SP, Especialista em Fisioterapia Respiratória adulto e infantil (Uniararas), Araras-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8420

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Quadriplegia, Testes de Função Respiratória, Fisioterapia

Resumo

Objetivo. Verificar os efeitos de um protocolo fisioterapêutico composto por técnicas manuais de mobilização torácica, na função respiratória de pacientes com paralisia cerebral (PC). Método. Foi realizado um estudo piloto com 05 pacientes com PC quadriplégica com idade média de 8,6 ± 3,5 anos. A função respiratória foi avaliada com um ventilômetro de Wright (FerrarisR MK8) adaptado a uma máscara facial para verificação do volume minuto (VM), frequência respiratória (FR) e volume corrente (VC). O padrão respiratório foi avaliado através da inspeção do paciente. As avaliações foram feitas pelo mesmo avaliador antes e após 10 sessões de fisioterapia utilizando técnicas manuais de mobilização torácica. Foi realizada análise estatística das variáveis numéricas entre os períodos pré e póstratamento através do teste de Wilcoxon. Resultados. Após o tratamento, houve aumento na FR de 22,9%, aumento significativo de 23,13% no VM (p=0,043) e redução de 14,62% no VC. Em todos os pacientes, o padrão respiratório inicial foi costal e alteraram para padrão respiratório misto após o tratamento. Conclusão. os pacientes estudados obtiveram aumento significativo no VM e alteração do padrão respiratório.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Burns Y, Gelmour J, Kentish M, Macdonald J. Fisioterapia na criança com problemas neurológicos, neuromusculares e de desenvolvimento do sistema nervoso. In: Fisioterapia e Crescimento na Infância. São Paulo: Santos Livraria Editora, 1999, p.359-69.

Borges MBS, Galigali AT, Assad RA. Prevalência de distúrbios respiratórios em crianças com paralisia cerebral na clínica escola de fisioterapia da Universidade Católica de Brasília. Fisioter Mov 2005;18:37-47.

Mier-Jedrzejowicz A, Brophy C, Green M. Respiratory muscle weakness during upper respiratory tract infections. Am Rev Respir Dis 1988;138:5-7.

Teitelbaum JS, Borel CO. Respiratory dysfunction in Guillain-Barr`e syndrome. Clin Chest Med 1994;15:705-14.

Tzeng AC, Bach JR. Prevent of pulmonary morbidity for patients with neuromuscular disease. Chest 2000;118: 1390-6.

Nelson CA. Paralisia Cerebral. In: Umphred DA. Reabilitação Neurológica. 4ª. ed. São Paulo: Manole, 2004, p. 272-85.

Gianni MAC. Paralisia Cerebral. In: Moura EW, Campos e Silva PA. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas, 2005, p.14-83.

Kakizaki F, Shibuya M, Yamazaki Y, Yamada M, Suzuki H, Homma I. Preliminary report on the effects of respiratory muscle stretch gymnastics on chest wall mobility in patients with chronic obstructive pulmonary disease. Respiratory Care 1999; 44:409-14.

Moreno MA, Catai AM, Teodori RM, Borges BLA, Cesar MC, Silva E. Efeito de um programa de alongamento muscular pelo método de Reeducação Postural Global sobre a força muscular respiratória e a mobilidade toracoabdominal de homens jovens sedentários. J bras pneumol 2007;33:679-86.

Moreno MA, Catai AM, Teodori RM, Borges BLA, Zuttin RS, Silva E. Adaptações do sistema respiratório referentes à função pulmonar em resposta a um programa de alongamento muscular pelo Método de Reeducação Postural Global. Revista Fisioterapia e pesquisa 2009; 16(1): 11-5.

Emmerich JC. Monitorização Respiratória: Fundamentos. Rio de Janeiro: Ed. Revinter Ltda, 2001, p.51-2.

Reddihough DS, Baikie G, Walstab JE. Cerebral palsy in Victoria, Australia: mortality and causes of death. J Paediatr Child Health 2001;37:183-6.

Ersöz M, Selçuk B, Gündüz R, Kurtaran A, Akyüz M. Decreased chest mobility in children with spastic cerebral palsy. The Turkish journal of pediatrics 2006;48:344.

Souchard PE. Respiração. São Paulo: Summus, 1989, p.100-2.

Kalen V, Conklin MM, Sherman FC. Untreated Scoliosis in Severe Cerebral Palsy. J Pediatr Orthop 1992;12:337-40.

West JB. Mecânica da Respiração. In: Fisiologia Respiratória Moderna. 5ª. ed. São Paulo: Manole, 1996, p.83-92.

Downloads

Publicado

2011-03-31

Como Citar

Feroldi, M. M., Mira, R. B., Sasseron, A. B., & Fregadolli, P. (2011). Efeito de um protocolo fisioterapêutico na função respiratória de crianças com paralisia cerebral. Revista Neurociências, 19(1), 109–114. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8420

Edição

Seção

Relato de Caso
##plugins.generic.dates.received## 2019-02-22
##plugins.generic.dates.published## 2011-03-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Obs .: Este plugin requer que pelo menos um plugin de estatísticas / relatório esteja ativado. Se seus plugins de estatísticas fornecerem mais de uma métrica, selecione também uma métrica principal na página de configurações do site do administrador e / ou nas páginas de configurações do gerente da revista.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.