Eletroestimulação e Crioterapia para espasticidade em pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral

Autores

  • Thais Duarte Felice Fisioterapeuta, especialista em Fisioterapia Neurofuncional, Docente da disciplina de Fisioterapia Pediátrica e Supervisora de Estágio em Fisioterapia em Pediatria Ambulatorial e Neurologia – Lesão Medular do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN), Dourados-MS, Brasil
  • Raphaela Oliveira Ramos Ishizuka Fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Hospitalar, Docente da disciplina de Bases, Métodos e Técnicas de Avaliação e Supervisora de Estágio em Fisioterapia em Musculoesquelética Ambulatorial do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN), Dourados-MS, Brasil.
  • Jacques Denis Amarilha Fisioterapeuta graduado pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN), Dourados-MS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8415

Palavras-chave:

Espasticidade Muscular, Crioterapia, Terapia por Estimulação Elétrica, Acidente Cerebral Vascular

Resumo

Vários recursos fisioterapêuticos podem ser instituídos para tratar pacientes no que se refere o controle da espasticidade. Tanto a crioterapia quanto a estimulação elétrica neuromuscular (EENM) apresentam evidências científicas que postulam a redução da espasticidade. Objetivo. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar entre as técnicas de EENM e crioterapia, aquela que obtêm a diminuição da espasticidade muscular e a melhora da atividade funcional. Método. Consistiu um estudo de três casos, onde os sujeitos, acometidos por Acidente Vascular Cerebral (AVC) e com quadro de espasticidade no grupo muscular do quadriceps, foram o seu próprio grupo controle. Estes foram submetidos a dois protocolos de tratamento, onde cada terapêutica teve cinco sessões de tratamento em dias consecutivos. Primeiro foi aplicado o Protocolo A (terapêutica com crioterapia), após dois dias, aplicação do Protocolo B (terapêutica com estimulação elétrica neuromuscular). Resultados. Foi observada redução da atividade elétrica muscular, avaliada através da eletromiografia de superfície, e melhora no desempenho funcional, no teste Timed Up and Go, após os tratamentos. Conclusão. A crioterapia e a EENM promoveram redução da atividade elétrica muscular em quadríceps e melhora no desempenho funcional da marcha. Contudo, a crioterapia sobressai a EENM no desempenho muscular.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Robinson AJ, Mackler LS. Eletrofisiologia clínica: eletroterapia e teste eletrofisiológico. 2ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001, 426p.

Leitão AV, Musse CAI, Granero LHM, Rossetto R, Pavan K, Lianza S. Espasticidade: avaliação clínica. Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, 2006, 8p.

Teive H, Zonta M, Kumagai Y. Tratamento da espasticidade: uma atualização. Arq Neuropsiquiatr 1998;56:8528.

Richardson D. Physical therapy in spasticity. Eur J Neurol 2002;9(Suppl. 1):17-22.

Pontes LS, Fontes SV, Botelho LAA, Fukujima MM. Toxina botulínica tipo A em pacientes com hemiplegia e/ou hemiparesia espástica: abordagem fisioterapêutica. Rev Neurocienc 2000;8:99-102.

Agne JE. Eletrotermoterapia: teoria e prática. Porto Alegre: Palotti, 2004, 365p.

Lianza S. Medicina de reabilitação. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995, 452p.

Rodrigues EM, Guimarães CS. Manual de recursos fisioterapêuticos. São Paulo: Revinter, 1998, 148p.

Felice TD, Santana LR. Recursos fisioterapêuticos (crioterapia e termoterapia) na espasticidade: revisão de literatura (Tese). Dourados: UNIGRAN, 2007, 53p.

Cares AF, Teles J, Cruz SP. O uso da crioterapia no controle da espasticidade de origem encefálica. Estudos 2004;31:307-16.

Prentice WE. Modalidades terapêuticas em medicina esportiva. 4ª. ed. São Paulo: Manole, 2002, 375p.

Andrews JR, Harrelson GL, Wilk K. Reabilitação física de lesões desportivas. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 313p.

Knight KL. Crioterapia no tratamento das lesões esportivas. São Paulo: Manole, 2000, 304p.

Coelho G, Junior E, Lemos T, Cravo S. A influência da crioterapia no senso posicional da articulação do cotovelo. In: XI Congresso Brasileiro de Biomecânica, 2005, São Pedro - SP. Anais do XII Congresso Brasileiro de Biomecânica. São Paulo-SP: TEC ART, 2007;1:200-3.

Marini R, Forti F. A influência da crioterapia na propriocepção do joelho de indivíduos saudáveis. In: Anais do XII Congresso Brasileiro de Biomecânica, São Pedro: Unesp, 2007, 5p. http://www2.rc.unesp.br/eventos/educacao_fisica/biomecanica2007/upload/50-1-A-CBB%20identificada.pdf.

Foster BJ. Researchers weigh cryotherapy benefits against loss of control. Biom Mag Bod Mov Med 2005;3:605.

Cross KM, Wilson RW, Perrin DH. Functional performance following an ice immersion to the lower extremity. Athl Train 1996;2:113-6.

Barbosa DP, Manfio EF. Influência da crioterapia por imersão do tornozelo no equilíbrio estático. In: XII Congresso Brasileiro de Biomecânica, 2007, São Pedro - SP. Anais do XII Congresso Brasileiro de Biomecânica. São Paulo - SP: TEC ART, 2007;1:1570-5.

Weimar W, Campbell B. The influence of ankle cryotherapy on unilateral static balance. Medicine & Science in Sports & Exercise 2004;36:S187.

Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 2001, 421p.

Soares AV. Biofeedback eletromiográfico na recuperação do pé caído. Rev Fisioter Univ São Paulo 1998;5:104 10.

O’Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 1993, 775p.

Lianza S. Estimulação elétrica funcional – FES e reabilitação. São Paulo: Atheneu, 1993, 70p.

Lianza S, Pavan K, Lourenço AF, Fonseca AP, Leitão AV, Musse CAI, et al. Diagnóstico e tratamento da espasticidade. Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, 2001, 12p.

Baker LL, Yeh C, Wilson D, Waters RL. Electrical stimulation of wrist and fingers for hemiplegics patients. Phys Ther 1979;59:1495-9.

Carvalho FN, Fonseca APC. Avaliação da marcha de pacientes hemiparéticos em tratamento com órtese elétrica funcional. Med Reabil 2001;56:5-10.

Downloads

Publicado

2011-03-31

Como Citar

Felice, T. D., Ishizuka, R. O. R., & Amarilha, J. D. (2011). Eletroestimulação e Crioterapia para espasticidade em pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral. Revista Neurociências, 19(1), 77–84. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8415

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)