Validação das Condutas de Enfermagem na orientação de clientes com Esclerose Múltipla em uso de imunomoduladores

Autores

  • Ivone Regina Fernandes Doutora em Ciências da Saúde pela FCMSCSP (Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo), Enfermeira do CATEM (Centro de Atendimento e Tratamento da Esclerose Múltipla) e Chefe de Enfermagem da Educação Continuada da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil
  • Charles Peter Tilbery Doutor em Neurologia, Professor Titular da FCMSCSP e Coordenador do CATEM, São Paulo-SP, Brasil.
  • Maria do Carmo Querido Avelar Doutora em Enfermagem, Diretora do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), São Paulo-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8404

Palavras-chave:

Enfermagem, Esclerose Múltipla, Imunomodulares, Técnica Delphi

Resumo

Objetivo. Este estudo objetivou validar as condutas de Enfermagem nas orientações dos clientes com Esclerose Múltipla para aplicação de imunomoduladores. Método. Foram analisadas e julgadas as condutas de Enfermagem num total de 66 itens relativos às sete etapas do preparo e administração de imunomoduladores, incluindo cuidados gerais com o procedimento; com o ambiente; com o preparo e aplicação do medicamento e após sua realização. O grupo de juízes foi composto por enfermeiros com experiência mínima de 2 anos na orientação destes clientes. Resultados. Utilizou-se a Técnica Delphi, em três fases, sendo alcançado um índice maior que 80% de consenso, em 90% dos itens. Conclusão. Com base na experiência dos profissionais especializados foi possível validar as condutas de enfermagem propostas para a orientação aos clientes com Esclerose Múltipla em terapia com imunomoduladores.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Kelian GLR. Critérios e diagnósticos. In: Tilbery CP (Ed.). Esclerose múltipla no Brasil: aspectos clínicos e terapêuticos. São Paulo: Atheneu; 2005, p.47-55.

Carpenito-Moyet LJ. Esclerose múltipla. In: Carpenito-Moyet. Planos de cuidados de enfermagem e documentação diagnóstico de enfermagem e problemas colaborativos. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006, p.331-42.

Lana-Peixoto MA, Callegaro D, Moreira MA, Campos GB, Marchiori PE, Gabbai AA, et al. Consenso expandido do BCTRIMS para o tratamento da esclerose múltipla: III. Diretrizes baseadas em evidências e recomen-dações. Arq Neuropsiquiatr 2002;60:881-6.

Moreira MA, Lana-Peixoto MA, Callegaro D, Haussen SR, Gama PD, Gabbai AA, et al. Consenso expandido do Bctrims para o tratamento da esclerose múltipla. II. As evidências para o uso de glicocorticóides e imunomoduladores. Arq Neuropsiquiatr 2002;60:875-80.

Callegaro D. Tratamento medicamentoso - uso de imunomoduladores no tratamento da esclerose múltipla. In: Haussen SR (org.). Esclerose múltipla: informações científicas para o leigo. Porto Alegre: Conceito; 2004, p.95-103.

Smeltzer SC, Bare BG. Tratamento de pacientes com infecções neurológicas, distúrbios auto-imunes e neuropatias. In: Smeltzer SC, Bare BG, Brunner & Suddarth Tratado de enfermagem medico-cirúrgica. 10ª ed., vol 2, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004, p.2061-8.

Spinola AWP. Delfos: Proposta Tecnológica Alternativa. 2a ed., São Paulo: FSP/USP, 2001, 92p.

Fernandes IR, Avelar MCQ, Tilbery CP. Valuation of illustrative pamphlet of orientation p LACTRIMS. Program of home parenteral self application by carrier of Multiple Sclerosis. [Anais] In: Consortium of Multiple Sclerosis Centers, 2001. 4th Worth Texas. Teaneck (N.J): Multiple Sclerosis Comprehensive Care Center; 2001, p.121.

Fernandes IR. Avaliação do aprendizado da aplicação subcutânea executada pelo portador de esclerose múltipla. Dissertação [Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; 2005, 96p.

Fernandes IR. Validação das condutas de enfermagem relativas às orientações de enfermagem ao cliente com esclerose múltipla para aplicação de imunomoduladores por via parenteral – técnica Delphi. Tese [Doutorado]. São Paulo: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; 2008, 124p.

Ávila HA, Santos MPS. A utilização de cenários na formulação e análise de políticas para o setor público. Rev Adm Púb 1988;22:17-33.

Williams PL, Webb C. The Delphi technique: a methodological discussion. J Adv Nurs 1994;19:180-6.

Duffield C. The Delphi technique: a comparison of results obtained using two expert panels. Int J Nurs Stud 1993;30:227-37.

Faro ACM. Do Diagnóstico à conduta de enfermagem: a trajetória do cuidar na reabilitação do lesado medular. Tese [Doutorado]. São Paulo: Escola de Enfermagem. Universidade de São Paulo; 1995, 208p.

Campbell SM, Roland MO, Quayle JA, Buetow SA, Shekelle PG. Quality indicators for general practice: which ones can general practitioners and health authority managers agree are important and how useful are they? J Public Health Med 1998;20:414-21.

Miller FW, Rider LG, Chung YL, Cooper R, Danko K, Farewell V, et al. Proposed preliminary core set measures for disease outcome assessment in adult and juvenile idiopathic inflammatory myopathies. Rheumatology (Oxford) 2001;40:1262-73.

De Lima L, Krakauer EL, Lorenz K, Praill D, MacDonald N, Doyle D. Ensuring palliative medicine availability: the development of the IAHPC list of essential medicines for palliative care. J Pain Symp Man 2007;33:521-6.

Salmond SW. Orthopaedic nursing research priorities: a Delphi study. Orthop Nurs 1994;13:31-45.

Carty B. Information features of clinical nursing information systems: a Delphi survey. In: Grobe S, Pluyter-Wenting E. Nursing informatics: an overview for nursing in a technological era. Amsterdam: Elsevier; 1994, p.461-5.

Witt RR. Competências da enfermeira na atenção básica: contribuição à construção das funções essenciais de saúde pública. Tese [Doutorado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo; 2005, 268p.

Rizzolo MA. Factors influencing the development and use of interactive video in nursing education. A Delphi study. Comput Nurs 1990;8:151-9.

Huckfeldt VE, Judd RC. Issues in large scale Delphi studies. Technological Forecasting an social change; 1974; 7:175-84.

Duncan BB, Schmidt MI. Diretrizes e estratégias da Rede IDA. Bol Inform Rede IDA 1992;9:6-7.

Deluiz N. Formação do trabalhador: produtividade e cidadania. Rio de Janeiro:Shape, 1995, 212p.

Gutierrez MGR, Adami NP, Castro RAP, Fonseca SM. Natureza e classificação das intervenções de enfermagem em ambulatório de quimioterapia de adultos. Rev Latinoam Enferm 2000;8:33-9.

Downloads

Publicado

2011-03-31

Como Citar

Fernandes, I. R., Tilbery, C. P., & Avelar, M. do C. Q. (2011). Validação das Condutas de Enfermagem na orientação de clientes com Esclerose Múltipla em uso de imunomoduladores. Revista Neurociências, 19(1), 68–76. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8404

Edição

Seção

Artigos Originais
##plugins.generic.dates.received## 22/02/2019
##plugins.generic.dates.published## 31/03/2011

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.