Avaliação da Força Muscular Respiratória em Indivíduos Acometidos por Acidente Vascular Cerebral

Autores

  • Cristiane Helita Zorél Meneghetti Fisioterapeuta, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento – MACKENZIE, São Paulo-SP, Brasil.
  • Vivian Edvani Figueiredo Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Respiratória – UNIARARAS, Araraas-SP, Brasil.
  • Cristina Aparecida Veloso Guedes Fisioterapeuta, Mestre em Ciências Médicas – UNICAMP, CampinasSP, Brasil
  • Ana Carolina Teixeira Batistela Fisioterapeuta, Mestre em Fisioterapia – UNIMEP, Piracicaba -SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8398

Palavras-chave:

Avaliação, Força Muscular Respiratória, Acidente Vascular Cerebral

Resumo

Objetivo. Avaliar a força dos músculos respiratórios em indivíduos acometidos por acidente vascular cerebral (AVC). Método. Foi realizado um estudo transversal com 22 indivíduos acometidos por AVC, sendo 14 com hemiparesia a esquerda e 8 com hemiparesia a direita, ambos os gêneros com idades entre 30 e 87 anos. Os indivíduos realizaram avaliação da força dos músculos respiratórios pela mensuração da pressão inspiratória máxima (PImáx) e pressão expiratória máxima (PEmáx), através do manovacuômetro. Resultados. A força dos músculos respiratórios em indivíduos acometidos por AVC foi menor quando comparada aos valores preditos descritos na literatura brasileira (p<0,001). Conclusão. A força dos músculos respiratórios de indivíduos com AVC mostrou-se abaixo dos valores preditos para a idade.>

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cecatto RB. Aspectos Clínicos. In: Moura EW, Campos e Silva PA. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes médicas Ltda, 2005, p.257-70.

Calasans PA, Alouche SR. Correlação entre o nível cognitivo e a independência funcional após AVE. Rev. Bras. Fisioter. 2004;8:105-9.

Neves RCM, Pires MA. Abordagem Fisioterapêutica no Acidente Vascular Encefálico. In: Moura EW, Campos e Silva PA. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes médicas, 2005, p.359-82.

Davies PM. Passos a Seguir: Um manual para o Tratamento da Hemiplegia no Adulto. São Paulo: Manole; 1996, 314 p.

Bobath B. Hemiplegia em Adultos. 3ª ed. São Paulo: Manole: 2001, 209p.

Page S, Sisto S, Johnston M, Levinew P. Modified Constraint-Induced Therapy after Subacute Strocke: A Preliminary Study. Neurorehabil Neural Repair 2002;16:290-5.

Pierce S, Gallagher K, Schaumburg S, Gershkoff A, Gaughan J, Shutter L. Home Forced Use in Outpatient Rehabilitation Program for Adults with Hemiplegia: A Pilot Study. Neurorehabil Neural Repair 2003;17:214-9.

Annoni JM, Ackermann D, Kesselring J. Respiratory function in chronic hemiplegia. Int Disabil Stud 1990;12:78 80.

Fernandes FE, Martins SRG, Bonvent JJ. Efeito do Treinamento Muscular Respiratório por Meio do Manovacuômetro e do Threshold Pep em Pacientes Hemiparéticos Hospitalizados IFMBE Proceedings 2007; 18:1199-202.

Smith M. The effect of hemiplegia on the diaphragm. Am Rev Respir Dis 1962;89:450-2.

Cohen E, Mier A, Heywood P, Murphy K, Boultbee J, Guz A. Diaphragmatic movement in hemiplegic patients measures by ultrasonography. Thorax 1994;49:890-5.

Lanini B, Bianchi R, Romagnoli I, Coli C, Binazzi B, Gigliotti F, et al. Chest wall kinematics in patients with hemiplegia. Am J Respir Crit Care Med 2003;168:109-13.

Hamnegard CH, Wragg S, Kyroussis D, Aquilina R, Moxham J, Green M. Portable measurement of maximum mouth pressures. Eur Respir J. 1994;7:398-401.

McConnell AK, Copestake AJ. Maximum static respiratory pressures in healthy elderly men and women: issues of reproducibility and interpretation. Respiration. 1999;66:251-8.

Neder JA, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res. 1999;32:719-27.

Souza RB. Pressões respiratórias estáticas máximas. J Pneumol. 2002;28(Suppl 3):S155-65.

Parreira VF, França DC, Zampa CC, Fonseca MM, Tomich GM, Brito RR. Pressões respiratórias máximas: valores encontrados e preditos em indivíduos saudáveis. Rev Brás Fisioter. 2007;11:361-8.

Brunetto AF, Fregonezi GAF, Paulin E. Comparação das medidas de pressões respiratórias máximas (PImáx, PEmáx) aferidas através de manovacuômetro e sistema de aquisição de dados (SAQDADOS). Revista Brasileira de atividade física e saúde. 2000;5:30-7.

Rodrigues JE, Sá MS, Alouche SR. Perfil dos pacientes acometidos por AVE tratados na clínica escola de fisioterapia da UMESP. Rev. Neurociênc. 2004;12:117-22.

Pires SL, Gagliardi RJ, Gorzoni ML. Estudo das frequências dos principais fatores de risco para acidente vascular cerebral isquêmico em idosos. Arq. Neuro-psiquiatr. 2004;62:844-51.

Pittell JEH, Duarte JE. Prevalência e padrão de distribuição das doenças cerebrovasculares em 242 idosos, procedentes de um hospital geral, necropsiados em Belo Horizonte Minas Gerais, no período de 1976 a 1997. Arq. Neuro-psiquiatr. 2002;60:47-55.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente Vascular Precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev. Brás. Saúde Mater. Infant. 2004;4:95 101.

Cordeiro PB, Fernandes PM. Abordagem fisioterapêutica no adulto com lesões encefálicas adquiridas. In: Moura EW, Campos e Silva PA. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes médicas Ltda, 2005, p.301-8.

Pereira JS, Cardoso SR. Distúrbio respiratório na Doença de Parkinson. Revista Fisioterapia Brasil. 2000;1:23-6.

Salmela LT, Parreira VF, Britto RR, Brant CT, Inácio EP, Alcântara TO, et al. Respiratory Pressures and Thoracoabdominal Motion inCommunity-Dwelling Chronic Stroke Survivors. Arch Phys Med Rehabil. 2005; 86:1974-8.

Downloads

Publicado

2011-03-31

Como Citar

Meneghetti, C. H. Z., Figueiredo, V. E., Guedes, C. A. V., & Batistela, A. C. T. (2011). Avaliação da Força Muscular Respiratória em Indivíduos Acometidos por Acidente Vascular Cerebral. Revista Neurociências, 19(1), 56–60. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8398

Edição

Seção

Artigos Originais
##plugins.generic.dates.received## 22/02/2019
##plugins.generic.dates.published## 31/03/2011

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.