Funcionalidade de pessoas amputadas por acidentes de trânsito após adaptação protética

série de casos

  • Lílian de Fátima Dornelas Fisioterapeuta, Doutoranda em Ciências da Reabilitação, Mestre em Ciências da Saúde, Professora Substituta da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG, Belo Horizonte-MG, Brasil.
Palavras-chave: Acidentes de trânsito, Amputação de membros, Funcionalidade

Resumo

kruegereddy@gmail.com

 escheeren@gmail.com

guinnn@gmail.com

Introdução. Dentre as lesões decorrentes de um acidente de trânsito (AT), têm-se as amputações de membros e o objetivo de reabilitar estes indivíduos é proporcionar independência funcional. Objetivo. Conhecer a funcionalidade das pessoas amputadas por AT após adaptação protética. Método. Estudo de série de casos por meio de uma entrevista semi-estruturada, com 25 pessoas amputadas de membro inferior por AT após adaptação protética, que foram cadastradas no período de dezembro de 2002 a dezembro de 2004 na Associação de Assistência à Criança Deficiente de Minas Gerais (AACD/MG) e entrevistadas em maio e junho de 2005. Resultados. A maioria (15; 60%) dos participantes relatou utilizar a prótese somente para passeio, e todas as pessoas amputadas de membro inferior por AT após adaptação protética permaneceram com queixas funcionais como: andar em solo irregular (21; 75%), andar por longas distâncias (18; 64,3%) e subir degraus (16; 57,1%). Conclusão. Os pacientes amputados de membro inferior por AT utilizam a prótese comumente para passeio e, além disso, queixam de dificuldades funcionais que limitam às demandas do dia-a-dia. Sugere-se a necessidade de um processo de reabilitação voltado para a funcionalidade destes indivíduos, uma vez que, adquirir a prótese não é sinônimo de independência.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Mello Jorge MHP, Laurenti R. Acidentes e violência no Brasil. Apresentação. Rev Saúde Pública 1997;31:1-4.

Benedetto KM, Forgione MCR, Alves VLR. Reintegração corporal em pacientes amputados e a dor fantasma. Acta fisiátrica 2002;9:85-9.

Farias N, Buchalla CM. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: Conceitos, Usos e Perspectivas. Rev Bras Epidemiol 2005;8:187-93. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2005000200011

Cassefo V, Nacaratto DC, Chamlian TR. Perfil epidemiológico dos pacientes amputados do Lar Escola São Francisco: estudo comparativo de 3 períodos diferentes. Acta Fisiátrica. 2003;10:67-71.

Geertzen JH, Martina JD, Rietman HS. Lower limb amputation part 2: Rehabilitation – a 10 year literature review. Prosth. Orthot. Inter 2001;25:14-20. http://dx.doi.org/10.1080/03093640108726563

Chamlian TR, Masiero D. Perfil epidemiológico dos pacientes Amputados Tratados no Centro de Reabilitação “Lar Escola São Francisco”. Acta Fisiátrica 1998;5:38-42.

Monzón Y, Cho R, Salinas PJ, Carrasco H. Recuperación Funcional Y Laboral de Los Amputados Del Hospital Universitário de Los Andes, Mérida, Venezuela. Rev Medula 1998;7:41-53.

Andrade SM, Soares DA, Braga GP, Moreira JH, Botelho FMN. Comportamentos de risco para acidentes de trânsito: um inquérito entre estudantes de medicina na região sul do Brasil. Rev Assoc Med Bras 2003;49:439-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000400038

Andrade SM, Mello Jorge MHP. Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Rev Saúde Pública 2000;34:149-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200008

Marín L, Queiroz MS. A atualidade dos acidentes de trânsito na era da velocidade: uma visão geral. Cad Saúde Pública 2000;16:7-21.

Acidentes de trânsito – Pedestres, caracterização dos pacientes (endereço na internet). Brasília: Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação. (atualizado em: 2005; citado em: 01/2006). Disponível em: http://www.sarah.br(prevencao/pesquisa/acidentes-de-trânsito-pedestres).

Mello Jorge MHP, Koizumi MS. In: Ferreira DL, Ribeiro LA. Panorama dos acidentes de trânsito/transporte no Brasil.. Acidentes de trânsito em Uberlândia: ensaios da epidemiologia e da geografia. Uberlândia: Aline, 2006, p.11-39.

Monzón Y, Gavidia U, Carrasco H. Amputados com y sin tratamiento fisiátrico. Doce años de experiência en el Hospital Universitário de Los Andes (HULA). Rehabil 1992;26:147-55.

González Viejo MA, Poza Vinuesa FJ, Ruber Martin C. Función y uso de la prótesis por los amputados femorales frente a los amputados tibiales. Rehabil 1998;32:163-70.

Ramos ACR, Salles ICD. Amputações de membros inferiores: Aspectos clínicos. In: Moura EW, Amaral P. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas 2005, p.433-46.

Picolotto P, Carvalho AB, Chamlian R, Masiero D. Perfil epidemiológico dos pacientes amputados do Lar Escola São Francisco. Rev Med Reab 2005;24:59-62.

Urbano Dulce S. Amputados de miembro inferior y su protetizacion. Rehabil. 1975;9:543-52.

Shoppen T, Boonstra A, Groothoff JW, Sonderen EV, Goeken LN, Eisma WL. Factors related to successful job reintegration of people with a lower limb amputation. Arch Phys Med Rehabil 2001;82:1425-31. http://dx.doi.org/10.1053/apmr.2001.26074

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Dornelas, L. de F. (2011). Funcionalidade de pessoas amputadas por acidentes de trânsito após adaptação protética. Revista Neurociências, 19(2), 280-283. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8391
Seção
Relato de Caso