A Interferência da Dança na Qualidade de Vida de Indivíduos Portadores de Esclerose Múltipla

Relato de Caso

  • Fernanda Carvalho Ribeiro Discente do Curso de Graduação em Fisioterapia UNIBAN/SP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Douglas Martins Braga Especialista em hidroterapia na reabilitação de doenças neuromusculares UNIFESP-EPM, Fisioterapeuta do setor de Fisioterapia aquática da AACD e ambulatório de Neuroimunologia da UNIFESP, Fisioterapeuta responsável pelo setor artístico do Clube dos Paraplégicos de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Esclerose Múltipla, Qualidade de vida, Dança

Resumo

Introdução. A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica, crônica, auto-imune, progressiva e incapacitante que trás consequências negativas afetando o sistema motor, sensorial, psicológico, as relações sociais e, sobretudo, a qualidade de vida (QV) de seus portadores. Objetivo. Avaliar a influência que a dança exerce na QV de pacientes portadores de EM. Método. Este estudo foi realizado no Clube dos Paraplégicos de São Paulo (CPSP), onde foram avaliados três pacientes com diagnóstico de EM. As amostras foram avaliadas pelas escalas SF- 36 e DEFU antes e após a aplicação do protocolo de dança proposto. Resultados. Foram observadas melhora significativa nos aspectos sociais destes pacientes, principalmente nos quesitos saúde mental, estado geral de saúde e vitalidade da SF- 36. No domínio limitação por aspecto físico, foi observado melhora significante nos três casos. Já na DEFU, observamos melhoras nos domínios: pensamento e fadiga e sistema social e familiar. Conclusão. Neste contexto, a dança demonstrou ser um recurso eficaz na melhoria da QV e da auto-estima dos pacientes portadores de EM.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Alastair C. Multiple Sclerosis. Lancet 2002;359:1221-31. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(02)08220-X

Sliwa JA, Cohen BA. Esclerose múltipla In: Delisa JA, Gans BM. Tratado de medicina de reabilitação. São Paulo: Manole, 2001, p.1307-23.

Minguetti G. Ressonância magnética na esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2001;59:563-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2001000400015

Rodrigues IF, Nielson MBP, Marinho AR. Avaliação da fisioterapia sobre o equilíbrio e a qualidade de vida em pacientes com esclerose múltipla. Rev Neurocienc 2008;4:269-74.

Hecox B, Levine E, Scott D. Dance in physical rehabilitation. Physical Therapy 1976; 56:919-24.

Fux, Maria. Dançaterapia. 3rd ed. São Paulo: Summus, 1988, 112p.

Nanni D. Dança educação: princípios, métodos e técnicas. 4 rd ed. Rio de Janeiro: Sprint. 2002, 288p.

Braga DM, Melo APG, Labronici RHDD, Cunha MCB, Oliveira ASB. Benefícios da dança para pessoas com deficiência física. Rev Neurocienc 2002;3:153-7.

Guimarães EL, Santana JM. Aplicabilidade da dança terapêutica para recuperação funcional de portadores de distúrbios percepto - motores (tese). Faculdades Integradas Fafibe, Bebedouro, 2005, 74 p.

Calil SR, Santos TABP, Braga DM, Lambronice RHDD. Reabilitação por meio da dança: uma proposta fisioterapêutica em pacientes com sequela de AVC. Rev Neurocienc 2007;15:195-202.

Organização mundial de saúde. (endereço na internet). Brasil: OMS. (atualizado em: 20/10/2010; citado em: 05/2009). Disponível em: http://www.ufrgs.br/Psiq/whoqol1.html.

Bortoli AK. Qualidade de vida em idosos de grupos de convivência: uma reflexão dialógica. Rev Fisiobrasil 2009;94:29-32.

Benito L. A review about the impact of multiple sclerosis on health. Disability and Rehabilitation 2003;25:1291-303. http://dx.doi.org/10.1080/09638280310001608591

Morales RR. Avaliação transversal da qualidade de vida em portadores de esclerose múltipla por meio de um instrumento genérico (SF- 36) (tese). Minas Gerais: Faculdade de medicina Universidade Federal de Uberlândia, 2005, 96p.

Ciconelli RM. Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida “Medical Outcomes Study 36-item short-form health survey (SF-36)” (Tese). São Paulo: UNIFESP, 1997, 143p.

Mendes MF, balsimelli S, Stangehaus G, Tilbery CP. Validação da escala de determinação funcional da qualidade devida na esclerose múltipla para língua portuguesa. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:108-13. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2004000100019

Peres M, Gonçalves CA. Dança para pessoas com lesão medular uma experiência de abordagem terapêutica. Rev Conexões 2001;6:54-60.

Nogueira LAC, Nóbrega FR, Nogueira K, Thuler LCS, Alvarenga RMP. Estudo comparativo entre duas escalas funcionais para pacientes com esclerose múltipla. Rev Fisioter Bras 2008;9:31-6.

Esclerose múltipla: conhecer para desmistificar. (endereço na internet). Portugal. Última atualização: 11/2008; citado em 10/2009). Disponível em: http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0453.pdf.

Lima EP, Haase VG, Peixoto MAL. Heterogeneidade neuropsicológica na esclerose múltipla. Psicol Reflex Crit 2007;21:100-9.

Bernardi CL, Prado ALC. A dança como um caminho para a melhorada imagem corporal do indivíduo portador de deficiência física. Fisiobrasil. 1999;1:20-5.

Moreira MA, Lana-Peixoto MA, Callegaro D, Haussen SR, Gama PD, Gabbai AA, et al. Consenso expandido do BCTRIMS para o tratamento da esclerose múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2002;60:875-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000500036

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Ribeiro, F. C., & Braga, D. M. (2011). A Interferência da Dança na Qualidade de Vida de Indivíduos Portadores de Esclerose Múltipla. Revista Neurociências, 19(2), 258-265. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8390
Seção
Relato de Caso

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##