Perfil e desenvolvimento de crianças com síndromes genéticas em tratamento multidisciplinar

  • Ana Paula Vasconcelos Alves Acadêmica de Fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) e bolsista de iniciação cientifica BIC/PUC-Goiás, GoiâniaGO, Brasil.
  • Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga Fisioterapeuta, Doutora em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP e docente da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e PUC Goiás, Goiânia-GO, Brasil
  • Fabiana Pavan Viana Fisioterapeuta, Doutora em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal de São Carlos e docente da PUC Goiás, Goiânia-GO, Brasil.
Palavras-chave: Desenvolvimento infantil, Fisioterapia, Síndromes Genéticas

Resumo

Objetivo. Descrever o perfil neurofuncional de crianças com síndromes genéticas que frequentam um centro de reabilitação e verificar a evolução do desenvolvimento neuropsicomotor destas crianças em um intervalo de tempo de quatro meses. Método. Estudo longitudinal e descritivo com 13 portadores de síndromes genéticas que frequentam um centro de reabilitação. Realizou-se duas aplicações do Inventário Portage com intervalo de 4 meses. As crianças foram submetidas a tratamento multidisciplinar duas vezes na semana por 35 minutos. Resultados. 54% (7) são do sexo masculino e a síndrome de Down foi prevalente. A média de idade foi de 4 anos. Em 100% (13), o pré-natal foi realizado regularmente. 69% (9) apresentavam hipotonia de membros superiores e inferiores em 54% (7). Reações de equilíbrio estavam presentes na maioria das posturas. Reflexos primitivos, orais e posturais estavam ausentes, em grande parte e os oculares presentes. No desenvolvimento neuropsicomotor houve evolução entre as avaliações. Conclusão. Crianças com síndromes genéticas apresentam características funcionais que necessitam de cuidados especiais por equipes multidisciplinares. Além disso, grande parte é totalmente dependente nas atividades de rotina, o que pode gerar sobrecarga aos familiares.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Pinto Júnior W. Diagnóstico pré-natal. Ciênc saúde coletiva 2002;7:139-57.

Kim CA. O pediatra e o aconselhamento genético. Pediatr. 2005;27:25-7.

Nakata NMK. Síndromes genéticas e ambientais em distúrbios da audição. (Dissertação de Mestrado). São Paulo, Universidade de São Paulo, 2006, 234p.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Programa de ação Mundial para as Pessoas com Deficiência – Resolução 37/52 de 03 de dezembro de 1982. (Tradução da versão em espanhol elaborada pelo Real Patronato de Prevención y de Atención a Personas con Minusvalia, de España.), Assembléia Geral das Nações Unidas. São Paulo: CEDIPOD, 1992: 75p (http://www.cedipod.org.br/w6pam.htm).

Miranda LP, Resegue R, Figueiras ACM. A criança e o adolescente com problemas do desenvolvimento no ambulatório de pediatria. J Pediatr (Rio J) 2003;79:33-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000700005

Halpern R, Giugliani ERJ, Victora CG, Barros FC, Horta BL. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. J Pediatr (Rio J). 2000;76:421-8.

Silva LP, Dessen M. A Deficiência Mental e Família: Implicações para oDesenvolvimento da Criança. Psicol. Teor. e Pesq. 2001;17:133-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722001000200005

Mancini MC, Paixão ML, Silva TT, Magalhães LC, Barbosa VM. Comparação das habilidades motoras de crianças prematuras e crianças nascidas a termo. Rev de Fisiot. da USP. 2000;7:25-31.

Miranda LP, Resegue R, Figueiras ACM. A criança e o adolescente com problemas do desenvolvimento no ambulatório de pediatria. J Pediatr. 2003;79:33-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000700005

Williams LCA, Aiello ALR. O Inventário Portage Operacionalizado: Intervenção com famílias. São Paulo: Memnon/ Fapesp, 2001, 299p.

Flehmig I. Texto e Atlas do desenvolvimento normal e seus desvios no lactente – Diagnóstico e Tratamento Precoce do Nascimento até o 18º mês. Rio de Janeiro: Atheneu, 2005, 344p.

Diament A. Exame neurológico do recém-nascido de termo. In Diament A, Cypel S (eds). Neurologia infantil. São Paulo: Livraria Atheneu, 1999, p.10-21.

Morris C, Kurinczuk JJ, Fitzpatrick R, Rosenbaum PL. Reliability of the manual ability classification system for children with cerebral palsy. Dev Med Child Neurol 2006;48:950-3. http://dx.doi.org/10.1017/S001216220600209X http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2006.tb01264.x

Palisano R, Rosenbaum P, Walter S, Russell D, Wood E, Galuppi B. Development and reliability of a system to classify gross motor function in children with cerebral palsy. Dev. Med Child Neurol. 1997;39:214-23. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.1997.tb07414.x

Silva NLP, Dessen MA. Deficiência Mental e Família: Implicações para o Desenvolvimento da Criança. Psicologia: Teoria e Pesquisa 2001;17:133-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722001000200005

Graminha SSV, Martins MAO. Condições adversas na vida de crianças com atraso no desenvolvimento. Medicina, Ribeirão Preto 1997;30:259-67.

Sameroff AJ. Development systems and psychopathology. Development and psychopathology 2000;12:297 312. http://dx.doi.org/10.1017/S0954579400003035

Guimarães EL, Tudella E. Reflexos Primitivos e Reações Posturais como Sinais Indicativos de Alterações Neuro-Sensório-Motoras em Bebês de Risco. J Pediatr 2003;25:28-35.

Vilanova LCP. Aspectos Neurológicos do Desenvolvimento do Comportamento da Criança. Rev Neurocienc 1998;6:106-10.

Castro EM. Desenvolvimento sensório-motor e perceptivo-motor de populações. (Dissertação de Mestrado). São Paulo, Universidade Estadual Paulista, 2006, 232p.

Bouvier SM. Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educ. Soc, Campinas 2005;26:391-403.

Brêtas JRS, Pereira SR, Cintra CC, Amirati KM. Avaliação de funções psicomotoras de crianças entre 6 e 10 anos de idade. Acta Paul Enferm 2005;18:403-12.

Marcondes E, Machado DVM, Setian N, Carrazza FR. Pediatria básica. 9ª. ed. São Paulo: Sarvier, 1991, 776p

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Alves, A. P. V., Formiga, C. K. M. R., & Viana, F. P. (2011). Perfil e desenvolvimento de crianças com síndromes genéticas em tratamento multidisciplinar. Revista Neurociências, 19(2), 284-293. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8388
Seção
Relato de Caso