Avaliação motora relacionada ao IMC em crianças de primeira a terceira infância com Síndrome de Down

  • Luciana Crepaldi Lunkes Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Lavras – UNILAVRAS, Lavras-MG, Brasil.
  • Jacqueline Maria Resende Silveira Leite Mestre em Medicina Interna e Terapêutica, Professora do Centro Universitário de Lavras – UNILAVRAS, Lavras-MG, Brasil.
Palavras-chave: Síndrome de Down, Atividade Motora, Desenvolvimento Infantil

Resumo

Objetivo. Comparar o desenvolvimento motor (DM) em crianças com síndrome de Down (SD) entre primeira infância (PI), segunda infância (SI) e terceira infância (TI) verificando semelhanças ou diferenças entre as idades, e se estas são tão marcantes quanto nas crianças normais. Relacionar o índice de massa corporal (IMC) de cada criança ao resultado do PEDI, verificando se há interferência do IMC no DM. Método. Foram avaliadas 23 crianças com SD divididas em subgrupos: PI (6 meses-3 anos), SI (4-6 anos) e TI (7-12 anos). Para avaliação utilizou-se o PEDI. O teste t-student e o coeficiente de correlação de Pearson (r de Pearson) foram utilizados para análise estatística. Resultados. Para somatório do PEDI e assistência do cuidador a comparação entre PI e SI e, PI e TI obteve resultado significativo (p<0,01). Quanto ao IMC, a comparação entre SI e TI obteve resultado significativo (p><0,01). A variação do resultado do somatório do PEDI da PI em relação a SI foi maior que da SI em relação a TI. Não houve relação entre IMC e desenvolvimento motor pelo resultado da somatória do PEDI. Conclusão. O DM é maior entre a PI e SI. O IMC não interfere no desenvolvimento da criança com SD. >

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Da Silva DR, Ferreira JS. Intervenções na educação física em crianças com síndrome de Down. Revista da Educação Física – UEM 2001;12:69-76.

Meneghetti CHZ, Blascovi-Assis SM, Deloroso FT, Rodrigues GM. Avaliação do equilíbrio estático de crianças e adolescentes com síndrome de Down. Rev Bras Fisioter. 2009;13:230-5. http://dx.doi.org/10.1590/S141335552009005000029

Meneghetti CHZ, Porto CHS, Iwabe C, Poletti S. Intervenção da equoterapia no equilíbrio estático de criança com síndrome de Down. Rev Neurociênc 2009;17:392-6.

Florentino Neto J, Fernandes Filho J, De Pontes LM. Impacto de 12 semanas de treinamento de força sobre a composição corporal de portadores da síndrome de Down. Revista da AMRIGS 2009;53:11-5.

Tecklin JS. Fisioterapia Pediátrica. 3ª. ed. São Paulo: Artmed, 2002, 480p.

Schwartzman JS. Síndrome de Down. 2ª. ed. São Paulo: Mackenzie, 1999, 336p.

Leão E, Corrêa EJ, Mota JAC, Viana MB. Pediatria Ambulatorial. 4ª. ed. Belo Horizonte: Coopmed, 2005, 1034p.

Wiedemann HR, Kunze J, Dibbern H. Atlas de síndromes clínicas dismórficas. 3ª. ed. São Paulo: Manole, 1992, 570p.

Ribeiro CTM, Ribeiro MG, Araújo APQC, Torres MN, Neves MAO. Perfil do atendimento fisioterapêutico na Síndrome de Down em algumas instituições dos municípios do Rio de Janeiro. Rev Neurociênc 2007;15:114-9.

Stratford B. Crescendo com a Síndrome de Down. Brasília: CORDE, 1997, 118p.

Guérios LC, Gomes NM. Análise de um programa para desenvolvimento dos padrões fundamentais de movimento em crianças portadoras de síndrome de Down Revista Digital 2005;10:1-8.

Almeida M. Instabilidade atlantoaxial e hiperfrouxidão ligamentar na síndrome de down. Acta Ortopédica Brasileira 2005;13:165-8.

Pazin AC, Martins MRI. Desempenho funcional de crianças com Síndrome de Down e a qualidade de vida de seus cuidadores. Rev Neurociênc 2007;15:297-303.

Haley SM, Coster WJ, Ludlow LH, Haltiwanger JT, Andrellos PJ. Pediatric Evaluation of Disability Inventory: Development, Standardization, and Administration Manual, Version 1.0. Boston, MA: Trustees of Boston University, Health and Disability Research Institute. 1992, 300p.

Brito A, Silva IL, Cardoso D, Beresford H. Avaliação do perfil cinestésico-corporal de crianças com Síndrome de Down: um parâmetro para se atender à proposta das Diretrizes especial. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação 2009;17:341-54.

Haley SM, Coster WJ, Faas RM. A content validity study of the pediatric evaluation of disability inventory. Pediatric Physical Therapy 1991;3:177-84. http://dx.doi.org/10.1097/00001577-199100340-00002 http://dx.doi.org/10.1097/00001577-199103040-00002

Nichols DS, Case-Smith J. Reliability and validity of the Pediatric Evaluation of Disability Inventory Pediatric. Physical Therapy 1996;8:15-24.

Alegretti ALC, Mancini MC, Schwartzman JS. Study of children functional performance with spastic diplegia cerebral palsy utilizing the pediatriac evaluation of disability inventory (PEDI). Arquivos Brasileiros de Paralisia Cerebral 2004;1:35-40.

Mancini MC, Silva PC, Gonçalves SC, Martins SM. Comparação do desempenho funcional de crianças portadoras da síndrome de Down e crianças com desenvolvimento normal aos 2 e 5 anos de idade. Arq Neuropsiquiatr 2003;61:409-15. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2003000300016

Mancini MC. Inventário de Avaliação Pediátrica de Incapacidade (P.E.D.I.), Manual da Versão Brasileira Adaptada. Minas Gerais: UFMG, 2005, 261p.

Giaretta A, Ghirorzi AR. O ato de comer e as pessoas com Síndrome de Down. Rev Bras Enferm 2009;3:480-4. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000300024

Catenassi FZ, Marques I, Bastos CB, Basso L, Ronque ERV, Gerage AM. Relationship between body mass index and gross motor skill in four to six year-old children. Rev Bras Med Esporte 2007;13:203-6.

Ferreira DM, Salles BF, Marques DVM, Furieri M, Bonomo LMM, Salles FLP, et al. Funcionalidade de crianças com e sem Síndrome de Down. Rev Neurociênc 2009;17:231-8.

Olds SW, Papalia DE. Desenvolvimento Humano. 7ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 888p.

Flehmig, I. Desenvolvimento Normal e seus Desvios no Lactente: diagnóstico e tratamento precoce do nascimento ate o 18º mês. São Paulo: Atheneu, 2000, 316p.

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Lunkes, L. C., & Leite, J. M. R. S. (2011). Avaliação motora relacionada ao IMC em crianças de primeira a terceira infância com Síndrome de Down. Revista Neurociências, 19(2), 250-257. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8376
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##