Marketing Social

Caracterização do Paciente do Ambulatório de Neuro-Sono da Unifesp

  • Eleida P Camargo Desenhista Industrial, Doutoranda do Setor de Neuro-Sono da UNIFESP, Professora das Faculdades Oswaldo Cruz/Faiter, Universidade São Judas Tadeu e Coordenadora do Curso de Design Gráfico da Panamericana Faculdade de Arte e Design Bolsista. CAPES/REUNI (33009015), São Paulo-SP, Brasil.
  • Luciane BC Carvalho Psicóloga, Doutora, setor Neuro-Sono, Departamento de Neurologia da UNIFESP, Bolsista Pesquisador CNPq (559187/2009-2), São Paulo-SP, Brasil
  • Rodrigo de Freitas Desenhista Industrial, pós-graduando do Setor de Neuro-Sono da UNIFESP, Professor das Faculdades Oswaldo Cruz/Faiter, Uniban e Unifran, São Paulo-SP, Brasil.
  • Welton Lopes Desenhista Industrial, pós-graduando do Setor de Neuro-Sono da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Lucila BF Prado Pediatra, Doutora, Coordenadora do Laboratório de Sono Hospital São Paulo, setor Neuro-Sono da UNIFESP, Bolsista Produtividade CNPq (312587/2009-0), São Paulo-SP, Brasil.
  • Gilmar F Prado Neurologista, Livre Docente, Professor Adjunto do Departamento de Medicina, Chefe do Setor de Neuro-Sono da UNIFESP, Bolsista Produtividade CNPq (312584/2009-1), São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Saúde Pública, Marketing Social, Demografia, Medicina Social, Distúrbios do Sono, Neurologia

Resumo

Objetivo. Este estudo tem por finalidade caracterizar o paciente do Ambulatório Neuro-Sono da Unifesp, identificando suas principais demandas e variáveis sócio-demográficas. Método. Foram analisados aleatoriamente 208 prontuários de pacientes. Destes prontuários foram extraídas as informações: data de nascimento, sexo, diagnóstico principal, 1ª consulta e número de retornos. A amostra foi analisada também segundo gênero e faixa etária. Resultados. 59,6% dos pacientes pertenciam ao sexo masculino; 44,23% eram menores de 16 anos (65,59% meninos). Os diagnósticos mais frequentes foram: Síndrome do Ronco (57,2%), SAOS (44,2%) e Insônia (19,7%). Comparando-se o subgrupo faixa etária temos diferenças (p<0,05; IC95%) para Insônia e Síndrome das Pernas Inquietas , prevalentes entre adultos; Bruxismo e Sonilóquio foram recorrente entre as crianças; no subgrupo gênero, há diferença para a prevalência da SAOS, predominantemente masculina. As condutas mais adotadas foram: Polissonografia (73,6%), Avaliação Psicológica (40,9%) e Diário de Sono (26,0%). O número de retornos: adultos (4,5 vezes) e crianças (3,6 vezes). Conclusão. Estes achados nos permitiram delinear o perfil dos pacientes, as doenças do sono e condutas prevalentes no Ambulatório estudado. Segundo o que preconiza o Marketing Social, este é o primeiro passo para a promoção de adequada ação educativa, objeto de nossos próximos estudos.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Atucha LMA, Calderón LS. Marketing Social: Aproximaciones Teóricas Desde la Práctica. La Paz: SEAMOS, 1995, p.26-7.

Drucker P. The Age of Social Transformation. New York, Atlantic, 1994, p.47.

Kotler P, Zaltman G. Social Marketing: An Approach to Planned Social Change. J Marketing 1971;35:3-12. http://dx.doi.org/10.2307/1249783

Kotler P, Fox KFA. The Marketing of Social Causes: The First Ten Years. J Marketing 1980;44:24-33. http://dx.doi.org/10.2307/1251226

Roberto EL. Social Marketing: Strategies for Diffusing the Adoption of Family Planning. Soc Sci Qua 1972;52:33-51.

Wasek G. Aplicações do Marketing Social na Saúde Pública: Uma Perspectiva de Marketing (Endereço na Internet). Brasília: Soacialtec (atualizado em: 04/2005; citado em: 08/2009). Disponível em: http://www.socialtec.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=152:aplicacaodo-marketing-social-na-saude-publica-uma-perspectiva-do-marketing&catid=26:saude&Itemid=2

Anuário Estatístico do Estado de São Paulo (Endereço na Internet). São Paulo: SEADE (atualizado em: 2003; citado em: 11/2004). Disponível em: http:// www.seade.gov.br/produtos/anuario/index.htm.

Hospital São Paulo (Endereço na Internet). São Paulo: Universidade Federal de São Paulo (atualizado em: 05/2009; citado em: 05/2009). Disponível em: http://www.unifesp.br/spdm/hsp/index.php

Balanço Público Universidade Federal de São Paulo (Endereço na Internet). São Paulo: Diário Oficial. (atualizado em: 2007; citado em 05/2009). Disponível em: http://www.unifesp.br/index.phpcod=12&pag=balanco.php e http://www.unifesp.br/balanco/spdm_balanco2007.pdf

Rocha FL, Lima e Costa MFF. Epidemiology and the impact of sleep disorders. J Bras Psiquiatr 2000;49:167-80.

Santos-Silva R, Tufik S, Conway SG, Taddei JA, Bittencourt LR. Sao Paulo Epidemiologic Sleep Study: Rationale, design, sampling, and procedures. Sleep Med 2009;10:679-85. http://dx.doi.org/10.1016/j.sleep.2008.11.001

Machado MAC, Carvalho LBC, Juliano ML, Taga M, Prado LBF, Prado GF. Clinical Co-morbidities in obstructive sleep apnea treated with mandibular repositioning appliance. Resp Med 2006;100:988-95. http://dx.doi.org/10.1016/j.rmed.2005.10.002

Martins RJ, Garcia AR, Garbin CS, Sundefeld MLM. Associação entre classe econômica e estresse na ocorrência da disfunção temporomandibular. Rev Bras Epidemiol 2007;10:215-22.

Molina OF, Peixoto MS, Santos ZC, Penoni JS, Aquilino RN. Bruxism as mechanism subserving hysteria: a new theory. Rev Neurocienc 2008;16;262-8.

Prado GF. Síndrome das pernas inquietas: há quanto tempo é ignorada? Rev Neurocienc 2002;10:38-43. http://dx.doi.org/10.4181/RNC.2002.10.38

Associação Brasileira da Síndrome das Pernas Inquietas – ABRASPI (Endereço na Internet). São Paulo: ABRASPI (atualizado em: 09/2009; citado em: 09/2009). Disponível em: http://www.sindromedaspernasinquietas.com.br/xpages/abraspi.html

Souza JC, Magna LA, Reimao R. Insomnia and hypnotic use in Campo Grande general population, Brazil. Arq Neuro-Psiquiatr 2002;60:702-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000500003 http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2002000400008

Grupo Brasileiro de Estudos em Síndrome das Pernas Inquietas (GBESPI). Síndrome das pernas inquietas: diagnóstico e tratamento. Opinião de especialistas brasileiros. Arq Neuro-Psiquiatr 2007;65:721-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000400035

Laberge L, Tremblay RE, Vitaro F, Montplaisir J. Development of Parasomnias From Childhood to Early Adolescence. Pediatrics 2000;106:67-74. http://dx.doi.org/10.1542/peds.106.1.67

Almeida MM, Carvalho LBC, Silva TAE, Ferreira VR, Atallah AN, Prado LBF, et al. Association between emotional disorders and sleep disorders in brazilian elementary school children. In: Sleep 2004; 27(suppl):A108.

Cash RG. Bruxism in children: review of the literature. J Pedodont 1988;12:07-27.

Krishnan CNA. Gender differences in sleep disorders. Curr Opin Pulm Med 2006;12:383-9. http://dx.doi.org/10.1097/01.mcp.0000245705.69440.6a

Restrepo CC, Alvarez E, Jaramillo C, Vélez C, Valencia I. Effects of psychological techniques on bruxism in children with primary teeth. J Oral Rehabil 2001;28:354-60. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2842.2001.00663.x

Morin CM, Hauri PJ, Espie CA, Spielman AJ, Buysse DJ, Bootzin RR. Nonpharmacologic treatment of chronic insomnia. An Am. Academy of Sleep Medicine Review. Sleep 1999;22:1134-56.

Pires MLN, Benedito-Silva AA, Mello MT, Del Giglio S, Pompeia C, Tufik S. Sleep habits and complaints of adults in the city of São Paulo, Brazil, in 1987 and 1995. Braz J Med Biol Res 2007; 40:1505-15. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-879X2006005000170

Blanco M, Kriber N, Cardinali DP. A survey of sleeping difficulties in an urban Latin American population. Rev Neurol 2004;39:115-9.

Silva LMP, Muccioli C, Belfort Jr R. Perfil socioeconômico e satisfação dos pacientes atendidos no mutirão de catarata do Instituto da Visão – UNIFESP. Arq Bras Oftalmol 2004;67:737-44. http://dx.doi.org/10.1590/S000427492004000500008

Coelho FMS, Pradella-Hallinan M, Oliveira JM, Abud PC, Tufik S. Antecedentes sócio-econômicos de pacientes neurológicos atendidos em serviços privados e públicos em São Paulo. Rev Neurocienc 2007;15:267-70.

Gomes BF, Biancardi AL, Netto CF, Gaffree FFP, Junior HV de M. Perfil socioeconômico e epidemiológico dos pacientes submetidos à cirurgia de catarata em um hospital universitário. Rev Bras Oftalmol 2008;67:220-5.

Chiusoli CL, Oda CM, Souza MJB, Pacanhan MN. Marketing Social Aplicado À Saúde Pública: Um Estudo Exploratório No Caso Dos Medicamentos Genéricos Como Fator Estratégico Para Sua Implantação (Endereço na Internet). São Paulo: VII S E M E A D, Seminários em Administração FEA-USP, 10 a 11/08 de 2004. (atualizado em: 08/2004; citado em: 08/2009). Disponível em: http://www.ead.fea.usp.br/semead/7semead/.

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Camargo, E. P., Carvalho, L. B., de Freitas, R., Lopes, W., Prado, L. B., & Prado, G. F. (2011). Marketing Social. Revista Neurociências, 19(2), 200-209. https://doi.org/10.4181/RNC.2010.05ip.09
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##