Acessibilidade de um Centro de Treinamento Esportivo para Usuários de Cadeira de Rodas

  • Fausto Orsi Medola Fisioterapeuta, Professor Esp. auxiliar do curso de Fisioterapia - UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Dayara Luana Macedo Acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Débora S Santos Carreri Acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Eléia Felice Alves Marques Acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Lúcia Tiemy Kikuchi Acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Nicolle Lamberti Costa Acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEL, Londrina-PR, Brasil.
  • Rosangela Marques Busto Educadora Física, Prof. Dra. do curso de Ciências do Esporte - UEL, Londrina-PR, Brasil.
Palavras-chave: Estruturas de Acesso, Pessoas com Deficiência, Cadeiras de Rodas

Resumo

Objetivo. avaliar as condições de acesso de usuários de cadeira de rodas ao espaço físico de circulação e treinamento esportivo no Centro de Educação Física e Esporte da Universidade Estadual de Londrina. Método. Para avaliação das condições de acesso do local, foi elaborada uma ficha de coleta de dados com base nas normas para acessibilidade em cadeira de rodas da “NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos” da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Foram selecionados 32 pontos de observação, e medidas foram realizadas com a utilização de trena métrica, além de registros de imagens com o uso de câmera digital. Resultados. Dos 32 pontos avaliados, 21 (65,6%) não estavam de acordo com as normas de acessibilidade da NBR9050, e apenas 11 (34,4%) apresentavam-se adequados. Conclusões. o Centro de Educação Física e Esportes da Universidade Estadual de Londrina não apresenta condições apropriadas de acesso à pessoa usuária de cadeira de rodas. A presença diária de usuários de cadeira de rodas que utilizam a área para treinamento esportivo justifica a necessidade de redução das barreiras arquitetônicas e promoção de amplo acesso a todos. A diminuição de tais obstáculos promoveria maior independência e integração das pessoas que utilizam cadeira de rodas para locomoção.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Censo Demográfico 2000 (endereço na internet). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Brasil. (atualizado em: 12/2000; citado em: 08/2009). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/censo

Duarte CRS, Cohen R. Proposta de Metodologia de Avaliação da Acessibilidade aos Espaços de Ensino Fundamental. Anais NUTAU 2006: Demandas Sociais, Inovações Tecnológicas e a Cidade. São Paulo: USP, 2006.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2ª. ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2004, 97p.

Godoy A, Nunes CP, Reis DA, Hatem DS, Lorentz LN, Ferreira MJ. Cartilha da inclusão dos direitos da pessoa com deficiência. Belo Horizonte: PUC/MG, 2000.

Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000 (endereço na internet). Presidência da República do Brasil. (atualizado em: 12/2000; citado em: 8/2009). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS/L10098.htm

Vizioli SHT, Peres PT. O direito de ir e vir – Acessibilidade dos espaços de circulação do centro de São Paulo. Rev Eletron Ética e Cidadania. São Paulo. (atualizado em: 12/2006; citado em: 08/2009). Disponível em: http://www.mackenzie.com.br/fileadmin/Graduacao/EST/Publicacoes artigos/vizioli_peres_14.pdf

Silva MCR, Oliveira RJ, Conceição MIG. Efeitos da natação sobre a independência funcional de pacientes com lesão medular. Rev Bras Med Esporte 2005;11:251-4.

Manns PJ, Chad KE. Determining the relation between quality of life, handicap, fitness, and physical activity for persons with spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabili 1999;80:1566-71. http://dx.doi.org/10.1016/S00039993(99)90331-3

Randall EK. Improved upper-body endurance following a 12-week home exercise program for manual wheelchair users. J Rehabil Res Dev 2003;40:501-10. http://dx.doi.org/10.1682/JRRD.2003.11.0501

Chan SC, Chan AP. User satisfaction, community participation and quality of life among Chinese wheelchair users with spinal cord injury: a preliminary study. Occup Ther Int 2007;14:123-43. http://dx.doi.org/10.1002/oti.228

Charlifue SW, Weitzenkamp DA, Whiteneck GG. Longitudinal outcomes in spinal cord injury: aging, secondary, conditions, and well-being. Arch of Phys Med and Rehabil 1999;80:1429-34. http://dx.doi.org/10.1016/S00039993(99)90254-X

Leduc B, Lepage Y. Health-related quality of life after spinal cord injury. Disabil Rehabil 2002;24:196-202. http://dx.doi.org/10.1080/09638280110067603

Kirchner CE, Gerber EG, Smith BC. Designed to deter: Community barriers to physically activity for people with visual or motor impairments, Am J Prev Med 2008;34:349-52. http://dx.doi.org/10.1016/j.amepre.2008.01.005

Lamonica DAC. Acessibilidade em ambiente universitário: identificação de barreiras arquitetônicas no campus da USP de Bauru. Rev Bras Educ Esp 2008;14:177-88. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382008000200003

Ely VHMB. Avaliação das condições de acessibilidade espacial no colégio de aplicação da UFSC. Anais do XI Encontro nacional de tecnologia no ambiente construído. Florianópolis 2006, p.2742-51.

Pagliuca LMF, Aragão AEA, Almeida PC. Acessibilidade e deficiência física: identificação de barreiras arquitetônicas em áreas internas de hospitais de Sobral, Ceará. Rev Esc Enferm USP 2007;41:581-8.

Bennett S, Kirby RL, Macdonald B. Wheelchair accessibility: descriptive survey of curb ramps in an urban area. Disabil Rehabil Assist Technol 2009;4:17-23. http://dx.doi.org/10.1080/17483100802542603

Rivano-Fischer D. Wheelchair accessibility of public buildings in Al Ain, United Arab Emirates (UAE). Disabil Rehabil 2004;26:1150-7. http://dx.doi.org/10.1080/096382804100017214843

Useh U, Moyo AM, Munyonga E. Wheelchair accessibility of public buildings in the central business district of Harare, Zimbabwe. Disabil Rehabil 2001;23:490-6. http://dx.doi.org/10.1080/09638280010008924

Cutler L. As great as all outdoors. J Hous Elderly 2006;19:29-48. http://dx.doi.org/10.1300/J081v19n03_03

York SL. Residential design and outdoor area accessibility. NeuroRehabilitation 2009;25:201-8.

Leoni CF, Zamai CA. Análise das dificuldades de cadeirantes para a prática do basquetebol em cadeira de rodas. Movimento & Percepção 2006;6:149-65.

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Medola, F. O., Macedo, D. L., Carreri, D. S. S., Marques, E. F. A., Kikuchi, L. T., Costa, N. L., & Busto, R. M. (2011). Acessibilidade de um Centro de Treinamento Esportivo para Usuários de Cadeira de Rodas. Revista Neurociências, 19(2), 244-249. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8373
Seção
Artigos Originais