Acidente Vascular Cerebral e sequelas fonoaudiológicas

atuação em área hospitalar

  • Aline Jacques Fonoaudióloga, mestranda em Distúrbios da Comunicação Humana pela UFSM, Santa Maria-RS, Brasil.
  • Maria Cristina de Almeida Freitas Cardoso Fonoaudióloga, docente do curso de Fonoaudiologia no Centro Universitário Metodista – IPA, doutora em Gerontologia Biomédica pela PUCRS, Porto Alegre-RS, Brasil.
Palavras-chave: Transtornos de deglutição, Linguagem, Fonoaudiologia

Resumo

Objetivo. Realizar um levantamento das possíveis seqüelas fonoaudiológicas dos pacientes internados por Acidente Vascular Cerebral nas enfermarias do Hospital Parque Belém, destinando-se diretamente à ampliação do conhecimento dos profissionais de saúde pública a respeito de tal tema e auxiliando-os, assim, em futuros encaminhamentos e atendimentos a esta população, dada a importância do profissional da fonoaudiologia frente a estas seqüelas. Método. Estudo transversal, observacional, individual, não comparado e contemporâneo, avaliando a prevalência de seqüelas fonoaudiológicas (disfagias e distúrbios de linguagem) em pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral, internados no Hospital Parque Belém em Porto Alegre, no período de março a maio de 2007. Resultados. Foram avaliados 26 (100%) pacientes com Acidente Vascular Cerebral (88,5% isquêmicos e 11,5% hemorrágicos), encontrando-se a prevalência de 42,3% com disfagia e 30,8% com distúrbio de linguagem. Foi analisada ainda, a variação de saturação destes pacientes, verificando-se incidência de dessaturação em 57,7% do total de pacientes. Conclusão. Pacientes acometidos por AVC apresentam alta prevalência de problemas de deglutição e linguagem, indicando a relevância da atuação do fonoaudiólogo em pelo menos duas de suas áreas de intervenção (motricidade orofacial – disfagias; distúrbios de linguagem).

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Radanovic M. Características do Atendimento de Pacientes com Acidente Vascular Cerebral em Hospital Secundário. Arq. Neuropsiquiatria 2000;58:99-106. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2000000100015

Damiani IT, Yokoo I. Acidente Vascular Cerebral (Endereço na Internet). Saúde em Movimento. (atualizado em: 04/2010; citado em: 04/2010). Disponível em: http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_print.asp?cod_noticia=44

André C. Manual de AVC. Rio de Janeiro: Revinter, 1999, 232p.

Neuwald RJ, Ferri A, Magalhães AV, Zeni KMM. Aspectos gerais no atendimento emergencial dos acidentes vasculares encefálicos isquêmicos. Rev Cient AMECS 1999;8:43-7.

Castro JAB de, Epstein MG, Sabino GBS, Nogueira GLO, Blankenburg C, Staszko KF, et al. Estudo dos principais fatores de risco para acidente vascular encefálico. Rev Bras Clin Med 2009;7:171-3.

Schelp AO, Cola PC, Gatto AR, Silva RG da, Carvalho LR de. Incidência de Disfagia Orofaríngea Após Acidente Vascular Encefálico em Hospital Público de Referência. Arq. Neuropsiquiatr 2004;62:503-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2004000300023

Xerez DR, Carvalho YSV, Costa MMB. Estudo Clínico e Videofluoroscópico da Disfagia na Fase Subaguda do Acidente Vascular Encefálico. Radiol. Brás 2004;37:9-14.

Lamônica DAC, Minervino-Pereira ACM, Ferreira GC. Conversando sobre afasia: guia familiar. Bauru: Edusc, 2000, 37p.

Block F, Kastrau F. Primary progressive aphasia. Nervenarzt 2004;75:1167-71. http://dx.doi.org/10.1007/s00115004-1770-z

Maciel JAJ. Processamento da linguagem: modelos anátomo-funcionais. In: Nitrini R, Caramelli P, Mansur L. Neuropsicologia: das bases anatômicas à reabilitação. São Paulo: FMUSP, 2003, p.171-81.

Mac-Kay APMG, Assencio-Ferreira VJ, Ferri-Ferreira TMS. Afasias e Demências: Avaliação e Tratamento Fonoaudiológico. São Paulo: Ed. Santos, 2003, 102p.

Ortiz KZ.(Org.). Distúrbios Neurológicos Adquiridos: Fala e Deglutição. Barueri: Ed. Manole, 2006, 303p.

Macedo Filho ED de, Gomes GF, Furkim AM. Manual de cuidados do paciente com disfagia. São Paulo: Lovise, 2000, 127p.

Moschetti MB. Disfagia Pós-Acidente Vascular Cerebral – Estudo de um caso. São Paulo: Rev CEFAC 2001;3: 133-41.

Furkim AM, Mattana A. Disfagia Orofaríngea Neurogênica. São Paulo: Revista da Fonoaudiologia, 2004;56:21.

Teixeira INDO. O envelhecimento cortical e a reorganização neural após o acidente vascular encefálico (AVE): implicações para a reabilitação. Ciência & Saúde Coletiva 2008;13(Sup 2):2171-8.

Gatto AR, Rehder MIBC. Comparação entre queixas de deglutição e achados videofluoroscópicos no paciente pós Acidente Vascular Encefálico. Rev CEFAC 2006;8:320-7.

Cardoso MCAF. Disfagia Orofaríngea de Causa Neurogênica: Verificação do Índice de Saturação de O2 na Avaliação Clínica Fonoaudiológica [Dissertação de Mestrado]. Santa Maria: UFSM, 2004, 167p.

Kirby RR, Taylor RW, Civetta JM. Manual de Terapia Intensiva. 2ª. ed. São Paulo: Manole, 2000, 797p.

Pryor JA, Weber BA. Fisioterapia para problemas respiratórios e cardíacos. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2002, 384p.

Collins MJ, Bakheit AM. Does pulse oximetry reliably detect aspiration in dysphagic stroke patients? Stroke, 1997;28:1773-5.

Lim SHB, Lieu PK, Phua SY, Seshadri R, Venketasubramanian N, Lee SH, et al. Accuracy of bedside clinical methods compared with Fiberoptic endoscopic examination of swallowing (FEES) in determining the risk of aspiration in acute stroke patients. Dysphagia 2001;16:1-6. http://dx.doi.org/10.1007/s004550000038

Colodny N. Comparation of dysphagics and nondysphagics on pulse oximetry during oral feeding. Dysphagia 2000;15:68-73.

World Health Organization. Health and aging (with reference to Resolutions CE130/15 Port., of the 130 Session of the Executive Committee). (Endereço na Internet). Washington, DC: Pan American Health Organization - PAHO (atualizado em: 2010; citado em: 2010). Disponível em: http://www.paho.org/portuguese/gov/csp/csp2613p.pdf).

Silva RG, Vieira MM. Disfagia orofaríngea neurogênica em adultos pósacidente vascular encefálico: identificação e classificação. In: Macedo Filho E, Pisani JC, Carneiro J, Gomes G. Disfagia: abordagem multidisciplinar. 3a ed. São Paulo: Frôntis Editorial, 1999, p.29-46.

Yamada EK, Siqueira KO de, Xerez D, Koch HA, Costa MMB. A influência das fases oral e faríngea da dinâmica da deglutição. Arq Gastroenterol 2004;41:18-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032004000100004

Smithard DG, O’Neill PA, England RE, Park CL, Wyatt R, Mantin DF, et al. The natural history of dysphagia following a stroke. Dysphagia 1997;12:188-93. http://dx.doi.org/10.1007/PL00009535

McCullough GH, Wertz RT. Sensivity and specificity of clinical/bedside examination signs for detecting aspiration in adults subsequent to stroke. Journal of Communication Disorders 2001;34:55-72. http://dx.doi.org/10.1016/S0021-9924(00)00041-1

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Jacques, A., & Cardoso, M. C. de A. F. (2011). Acidente Vascular Cerebral e sequelas fonoaudiológicas. Revista Neurociências, 19(2), 229-236. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8371
Seção
Artigos Originais