Percepção do Paciente Neurológico Sobre os Resultados da Neurólise Química com Toxina Botulínica

  • Tito Luca da Silva Coelho Fisioterapeuta, pós-graduado em Reabilitação Neurofuncional pela Faculdade Social da Bahia (FSBA), Salvador-BA, Brasil.
  • Nildo Manoel da Silva Ribeiro Fisioterapeuta, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Docente da disciplina de Neurologia da FSBA, Salvador-BA, Brasil.
Palavras-chave: Espasticidade, Toxina Botulínica, Reabilitação, Percepção

Resumo

Objetivo. Avaliar a percepção e o nível de satisfação do paciente portador de espasticidade, quando submetido ao bloqueio neuromuscular com Toxina Botulínica (TB). Método. Trata-se de um estudo de caráter qualitativo onde foram selecionados, de forma aleatória, pacientes portadores de espasticidade de qualquer etiologia, em que os dados foram coletados a partir de um questionário elaborado pelos próprios autores, sendo a percepção e satisfação dos pacientes pós-bloqueio os principais parâmetros avaliados. Os resultados foram analisados por um único avaliador. Resultados. Foram encontradas diferentes percepções nas categorias mencionadas no estudo, fato que corroborou com outras pesquisas no que discerne aos mitos e às realidades dessa terapêutica. Conclusão. Na presente pesquisa, observa-se que nem sempre a percepção do profissional é a mesma sob ótica do paciente, havendo, em algumas situações, total controvérsia entre as percepções frente ao bloqueio neuroquímico com a Toxina Botulínica.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Proetti S. Praticando a metodologia do trabalho científico. 2ª. ed, São Paulo: Edicon, 2005, 85p.

Umphred DA. Reabilitação neurológica. 2ª. ed, São Paulo: Manole, 2004, 1118p.

Levy JA, Oliveira ASB. Reabilitação em Doenças Neurológicas. 2ª. ed, São Paulo: Atheneu, 2003, 263p.

Lianza S, Pavan K, Lourenço AF, Fonseca AP, Leitão AV, Musse CAI, et al. Análise epidemiológica do consenso nacional sobre espasticidade. Med Reabil 2002;58:19-28.

Silva GJ. Toxina botulínica: uso en medicina de rehabilitación, mitos y realidades. Rev Mex Fis Rehab 2004;16:37-40.

Silva AAT, Oliveira DD. Benefícios da toxina botulínica do tipo A em pacientes com paralisia cerebral do tipo espástica associados a condutas fisioterapêuticas (tese). Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 2003, 67p.

Mariscal JI. Comparación de proporciones de la recuperación funcional en la muñeca y mano espasticas de pacientes con secuela de enfermidad vascular cerebral entre un grupo tratado con fisioterapia y toxina botulinica tipo A y otro con fisioterapia y placebo (Tese). Colima: Universidade de Colima, 2003, 28p.

Melo A, Gabrieli AP, Rodrigues B, Lima C, Nora DB, Cardoso E, et al. Consenso sobre o uso da toxina na paralisia cerebral. Arquivos Brasileiros sobre Paralisia Cerebral 2005;2:18-25.

Sposito MMM, Condratcki S. Hemiplegia por acidente vascular cerebral: Tratamento da espasticidade de membros superiores através de bloqueio com toxina botulínica do tipo- A BOTOX. Med Reabil 1998;47:17-21.

Ekman LL. Neurociência Fundamentos para a Reabilitação. 2ª. Ed, São Paulo: Elsevier, 2004, 477p.

Kandel E, Schwartz JH, Jessel TM. Princípios da Neurociência. 4ª. Ed, São Paulo: Manole, 2003, 1412p.

Teive HAG, Zonta M, Kumagai Y. Tratamento da espasticidade: uma atualização. Arq Neuropsiquiatr 1998; 56:852-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1998000500025

Lasalvia CGG, Pereira LS, Cunha MC, Kitadai SPS. Custos e benefícios da toxina botulínica tipo A no tratamento do blefaroespasmo essencial e espasmo hemifacial. Arq Bras Oftalmol 2006;69:701-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492006000500016

Mangilli LD, Andrade CRF. Botulismo e disfagia. Pró-Fono R. Atual. Cient. 2007;19:215-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872007000200010

Dressler D, Saberi F, Adib S. Barbosa, Egberto Reis. Botulinum toxin mechanisms of action. Arq Neuropsiquiatr 2005;63:180-3. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2005000100035

Monica FC, Mendonça TS, Bicas HEA. Toxina botulínica no tratamento de estrabismo horizontal em crianças com paralisia cerebral. Arq Bras Oftalmol 2006;69:523-9.

Pontes LS, Fontes SV, Botelho LAA, Fukujima MM. Toxina botulínica tipo A em pacientes com hemiplegia e/ou hemiparesia espástica: uma abordagem fisioterapêutica. Rev Neurocienc 2000;8:99-102.

Merrison AFA, Chidley KE, Dunnett J, Sieradzan KA. Leson of the week: wound botulismo associated with subcutaneous drug use. BMJ, Londres 2002;325:1020-1. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.325.7371.1020

Cardoso E, Pedreira G, Prazeres A, Ribeiro N, Melo A. Does botulinuim toxin improve the funciotion of the patient with spasticity after stroke? Arq neuropsiquiatr 2007;65:592-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2007000400008

Lianza S, Bang GSS, Peres PT. Metodologia da neurólise química seletiva na espasticidade de membros superiores em pacientes hemiplégicos. Med Reabil 2000;54:19-21.

Cardoso E, Rodrigues B, Lucena R, Oliveira IR, Pedreira G, Melo A. Botulinum toxin type A for the tratament of the upper limb spasticity after stroke: Meta- analysis. Arq Neuropsiquiatr 2005;63:30-3. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2005000100006

Sposito MMM. Toxina botulínica tipo A para o tratamento da espasticidade nos membros superiores em pacientes com paralisia cerebral. Arquivo Brasileiro de Paralisia Cerebral 2005;2:16-20.

Sgrott DD. Tratamento da paralisia cerebral espástica após aplicação da toxina butulínica tipo A em região adutora de quadril na Therapie – centro integrado de saúde de Blumenau – SC. São Paulo. Reabilitar 2004;23:23-8.

Faria TCC, Danilo M, Spósito MMM, Saad M. A avaliação do uso da toxina botulínica A e da cinesioterapia na melhora da marcha do portador de paralisia cerebral do tipo hemiparética. Acta Fisiátrica 2001;8:101-6.

Lianza S, Baron CE. Mensuração da qualidade de vida de pacientes hemiplégicos espásticos após aplicação da toxina botulínica tipo A. Fisioter Bras 2004;5:416-9.

Fragoso YD, Araújo MG, Veloso SRR. A injeção de toxina botulínica A para o tratamento do ombro doloroso hemiplégico. Reabilitar 2004;6:9-13.

Figueiredo MMP, Barbosa MCC, Moreira MCS. Avaliação de um manual de exercícios domiciliares para pacientes externos de um ambulatório de bloqueio neuromuscular. Acta Fisiatrica 2005;12:7-10.

Fragoso YD, Araujo MG, Gennaro KV, Penteado ALT. A expectativa e a realidade de pacientes submetidos a bloqueio neuroquímico com toxina botulínica A para tratamento de espasticidade. Reabilitar 2003;5:22-5.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4ºed, São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2004, 270p.

Bocchi SCM, Angelo M. Interação cuidador familiar - pessoa com AVC: autonomia compartilhada. Ciênc. saúde coletiva 2005;10:729-38.

Publicado
2011-06-30
Como Citar
Coelho, T. L. da S., & Ribeiro, N. M. da S. (2011). Percepção do Paciente Neurológico Sobre os Resultados da Neurólise Química com Toxina Botulínica. Revista Neurociências, 19(2), 221-228. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8370
Seção
Artigos Originais