Avaliação da independência funcional e da qualidade de vida no pós-operatório de tumor cerebral

Autores

  • Juliana Noronha de Pieri Fisioterapeuta Especializada em Fisioterapia Motora Hospitalar e Ambulatorial aplicada à Neurologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Caroline Háruka Giriko Fisioterapeuta Especializada em Fisioterapia Motora Hospitalar e Ambulatorial aplicada à Neurologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo-SP, Brasil.
  • Márcia Helena dos Santos Abranches Fisioterapeuta Especializada em Fisioterapia Motora Hospitalar e Ambulatorial aplicada à Neurologia, Fisioterapeuta do Hospital São Paulo e Preceptora do Curso de Especialização em Fisioterapia Motora Hospitalar e Ambulatorial aplicada à Neurologia da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Heloise Cazangi Borges Fisioterapeuta do Lar Escola São Francisco (LESF), Coordenadora e Preceptora do Curso de Especialização em Fisioterapia Motora Hospitalar e Ambulatorial aplicada à Neurologia da UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Therezinha Rosane Chamlian Fisiatra, Doutora, Professora Afiliada, Chefe de Clínica da Disciplina de Fisiatria do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da UNIFESP e Diretora Técnica do Lar Escola São Francisco (LESF), São Paulo-SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8363

Palavras-chave:

Neoplasias Encefálicas, Avaliação da Deficiência, Qualidade de Vida, Fisioterapia, Reabilitação

Resumo

Objetivo. Verificar os efeitos da fisioterapia na independência funcional e na qualidade de vida em pacientes no pós-operatório de tumor cerebral. Método. Participaram deste estudo 6 indivíduos no pós-operatório de tumor cerebral internados na enfermaria de neurocirurgia do Hospital São Paulo (HSP) no período de julho a dezembro de 2009. Foram mensuradas a independência funcional e a qualidade de vida por meio da Medida de Independência Funcional (MIF) e da Versão Brasileira do questionário de qualidade de vida (SF-36), respectivamente, logo após a cirurgia e ao término das intervenções fisioterapêuticas, realizadas por 5 dias consecutivos durante 45 minutos. Resultados. Os indivíduos apresentaram uma média de idade de 65±10.43 anos e 50% dos pacientes (n=3) apresentaram comprometimento motor de hemiparesia à esquerda. Ao término das intervenções fisioterapêuticas, observou-se na MIF um aumento de sua pontuação em 66.68% dos pacientes (n=4) variando entre 7 e 34 pontos e no SF-36 uma manutenção de sua pontuação em cerca de 50% (n=3) a 83.35% (n=5) dos pacientes. Conclusão. A maioria dos pacientes em pós-operatório de tumor cerebral apresentou um aumento de sua independência funcional, bem como, uma manutenção de sua qualidade de vida ao término das intervenções fisioterapêuticas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Marciniak CM, Sliwa JA, Heinemann AW, Semik PE. Functional outcomes of persons with brain tumors after inpatient rehabilitation. Arch Phys Med Rehabil 2001;82:457-63. http://dx.doi.org/10.1053/apmr.2001.21862

Geler-Kulcu D, Gulsen E, Buyukbaba E, Ozkan D. Functional recovery of patients with brain tumor or acute stroke after rehabilitation: A comparative study. J Clin Neurosci 2009;16:74-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.jocn.2008.04.014

Stávale JN. Gliomas cerebrais. In: Braga FM, Melo PMP. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina: neurocirurgia. São Paulo: Editora Manole; 2005, p.87-94.

Mukand JA, Blackinton DD, Crincoli MG, Lee JJ, Santos BB. Incidence of neurologic deficits and rehabilitation of patients with brain tumors. Am J Phys Med Rehabil 2001;80:346-50. http://dx.doi.org/10.1097/00002060200105000-00005

Santos AV, Saraiva PF, Santiago B. Metastização extracraniana de Glioblastoma Multiforme. Acta Med Port, 2003;16:209-11.

Tang V, Rathbone M, Dorsay JP, Jiang S, Harvey D. Rehabilitation in primary and metastatic brain tumours: Impact of functional outcomes on survival. J Neurol 2008;255:820-7. http://dx.doi.org/10.1007/s00415-008-0695-z

Christiansen CJ, Lopez RO, Phillips KM. Tumores cerebrais. In: Umphred, DA. Reabilitação neurológica. 4ª. ed. São Paulo: Editora Manole, 2004, p.734-53.

Kirshblum S, O’Del WM, Ho C, Barr K. Rehabilitation of persons with central nervous system tumors. Câncer 2001;92:1029-38. http://dx.doi.org/10.1002/1097-0142(20010815)92:4+<1029::AIDCNCR1416>3.0.CO;2-P

Huang ME, Wartella JE, Kreutzer JS. Functional outcomes and quality of live in patients with brain tumors: a preliminary report. Arch Phys Med Reha-bil 2001;82:1540-5. http://dx.doi.org/10.1053/apmr.2001.26613

Greenberg E, Treger I, Ring H. Rehabilitation outcomes in patients with brain tumors and acute stroke: comparative study of inpatient rehabilitation. Am J Phys Med Rehabil 2006;85:568-73. http://dx.doi.org/10.1097/01.phm.0000223218.38152.53

Giordana MT, Clara E. Functional rehabilitation and brain tumour patients. A review of outcome. Neurol Sci 2006;27:240-4. http://dx.doi.org/10.1007/s10072-006-0677-9

Heimans JJ, Taphoorn MJB. Impact of brain tumour treatment on quality of life. J Neurol 2002;249:955-60. http://dx.doi.org/10.1007/s00415-002-0839-5

Grisold W, Oberndorfer S, Hitzenberger P. Brain tumour treatment: the concept of inter- and multidisciplinary treatment. Wien Med Wochenschr 2006;156:329-31. http://dx.doi.org/10.1007/s10354-006-0303-8

Dutta D, Vanere P, Gupta T, Munshi A, Jalali R. Factors influencing activities of daily living using FIM–FAM scoring system before starting adjuvant treatment in patients with brain tumors: results from a prospective study. J Neurooncol 2009;94:103-10. http://dx.doi.org/10.1007/s11060-009-9810-y

Kendall FP, Provance PG. Músculos provas e funções. 4ª. ed. São Paulo: Ed Manole; 1995, p.200-2.

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da Versão Brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiatr 2004;11:72-6.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meião I, Quaresma MR. Tradução para língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol 1999;39:143-50.

Gerber LH, Vargo M. Reabilitação para pacientes com diagnóstico de câncer. In: DeLisa JA, Gans BM. Tratado de medicina de reabilitação: princípios e práticas. São Paulo: Editora Manole; 2002, p.1382-3.

Abranches MHS, Vidotto MC, Vianna PCP, Gaiolla PD. Reabilitação em neurocirurgia. In: Braga FM, Melo PMP. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina: neurocirurgia. São Paulo: Editora Manole, 2005, p.709-13.

Karakaya M, Kose N, Otman S, Ozgen TJ. Investigation and comparison of the effects of rehabilitation on balance and coordination problems in patients with posterior fossa and cerebellopontine angle tumours. Neurosurg Sci 2000;44:220-5.

Hill CI, Nixon CS, Ruehmeier JL, Wolf LM. Brain tumors. Phys Ther 2002;82:496-502.

Huang ME, Wartella J, Kreutzer J, Broaddus E, Lyckholm L. Funcitonal outcomes and quality of life in patients wtih brain tumors: a review of the literature. Brain Injury 2001;15:843-56. http://dx.doi.org/10.1080/02699050010013653

Downloads

Publicado

2011-09-30

Como Citar

Pieri, J. N. de, Giriko, C. H., Abranches, M. H. dos S., Borges, H. C., & Chamlian, T. R. (2011). Avaliação da independência funcional e da qualidade de vida no pós-operatório de tumor cerebral. Revista Neurociências, 19(3), 477–483. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8363

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)