Efeitos do treinamento físico sobre a força muscular em paraplégicos

Autores

  • Lígia Franciele Bortolloti Graduanda em Fisioterapia pela Faculdade de Apucarana – FAP, ApucaranaPR, Brasil
  • Heloísa Freiria Tsukamoto Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Neurofuncional Adulto pelo HURNPR/UEL, Docente do curso de Fisioterapia da Faculdade de Apucarana – FAP, Apucarana-PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8360

Palavras-chave:

Traumatismos da Medula Espinal, Paraplegia, Força Muscular

Resumo

Objetivo. Verificar os efeitos do treinamento físico com membros superiores (MMSS) na força muscular (FM) de paraplégicos. Método. Participaram sete paraplégicos (seis homens) com idade média de 40,28±15,9 anos. Utilizou-se, no início e fim do tratamento, o Teste de Uma Repetição Máxima (1RM) e a manovacuometria, para avaliar a FM dos MMSS e dos músculos respiratórios, respectivamente. A capacidade funcional foi dada pela Medida de Independência Funcional (MIF). O treinamento físico foi realizado três vezes por semana, num total de 20 sessões. O protocolo de tratamento consistia de exercícios de aquecimento, alongamentos e fortalecimento muscular, realizado com 70% de 1RM nas 10 primeiras sessões, e 90% nas últimas. Ao final, uma entrevista para avaliar a satisfação dos pacientes em relação ao treinamento proposto foi aplicada. A análise estatística foi realizada pelos testes Kolmogorov-Smirnov e Wilcoxon, adotando p<0,05. Resultados. Houve ganho significante de FM dos MMSS direito e esquerdo ao final do treinamento (p=0,018 e p=0,017 respectivamente) e todos os participantes relataram maior facilidade em realizar suas atividades cotidianas. A manovacuometria não mostrou diferença significativa. Conclusão. O período de sete semanas de treinamento foi suficiente para promover ganhos significantes na FM de paraplégicos, facilitando o desempenho de suas atividades diárias.>

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ninomya AF, Jesus CLM, Auletta LL, Rimkus CM, Ferreira DM, Zoppi Filho A, et al. Análise clínica e ultrassonográfica dos ombros de pacientes lesados medulares em programa de reabilitação. Acta Ortop Bras 2007;15:109-13.

Marotta JT. Lesões medulares. In: Rowland LP. Merrit - tratado de neurologia. 10ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, p.362-8.

Barros Filho TEP, Oliveira RP, Kalil EM, Prada FS. Avaliação padronizada nos traumatismos raquimedulares. Rev Bras Ortop 1994;29:99-106.

Sartori J, Neuwald MF, Bastos VH, Silva JG, Mello MP, Freitas MRG, et al. Reabilitação física na lesão traumática da medula espinhal: relato de caso. Rev Neuroc 2009;17:364-79.

Giacomini MCC. Trabalho resistido adaptado visando a independência de pessoas com paraplegia nas suas atividades de vida diária (Dissertação). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2007, 172p.

Maruyama DB, Soares DP. Tratamento fisioterápico na lesão medular. In: Greve JMD, Casalis MEP, Barros Filho TEP. Diagnóstico e tratamento da lesão da medula espinhal. São Paulo: Roca, 2001, p.93-114.

Dias RMR, Cyrino ES, Salvador EP, Caldeira LFS, Nakamura FY, Papst RR, et al. Influência do processo de familiarização para avaliação da força muscular em testes de 1RM. Rev Bras Med Esporte 2005;11:34-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922005000100004

Pereira MIR, Gomes PSC. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima – revisão e novas evidências. Rev Bras Med Esporte 2003;9:325-35.

Barros MAP, Sperandei S, Silveira Júnior PCS, Oliveira CG. Reprodutibilidade no teste de uma repetição máxima no exercício de puxada pela frente para homens. Ver Bras Med Esporte 2008;14:348-52. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922008000400005

Gurjão ALD, Cyrino ES, Caldeira LFS, Nakamura FY, Oliveira AR, Salvador EP, et al. Variação da força muscular em testes repetitivos de 1RM em crianças pré-púberes. Rev Bras Med Esporte 2005;11:319-24.

Silva MCR, Oliveira RJ, Conceição MIG. Efeitos da natação sobre a independência funcional de pacientes com lesão medular. Rev Bras Med Esporte 2005;11:251-6.

Maynard FM, Bracken MB, Creasey G, Ditunno JF, Donovan WH, Ducker TB, et al. International standards for neurological and functional classification of spinal cord injury. Spinal Cord 1997;35:266-74. http://dx.doi.org/10.1038/sj.sc.3100432

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiatr 2004;11:72-6.

Dias RMR, Cyrino ES, Salvador EP, Nakamura FY, Pina FLC, Oliveira AR. Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular de homens e mulheres. Rev Bras Med Esporte 2005;11:224-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922005000400004

Adler SS, Beckers D, Buck M. Membro superior. In: Adler SS, Beckers D, Buck M. PNF facilitação neuromuscular proprioceptiva: um guia ilustrado. 2 ed. Barueri, São Paulo: Manole, 2007, p.93-154.

Souza RB. Diretrizes para testes de função pulmonar. J Bras Pneumol 2002;28:155-65.

Faria CDV, Moreira MCS, Barbosa MCC, Sabbag LMS. Utilização do suporte de peso corporal em solo no treino de marcha do lesado medular. Acta Fisiatr 2005;12:21-5.

American College of Sports Medicine. Position Stand: Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine Science Sportes Exercise 2009;41:687-708. http://dx.doi.org/10.1249/MSS.0b013e3181915670

Dale RB, Harrelson GL, Leaver-Dunn D. Princípios da reabilitação. In: Andrews JR, Harrelson GL, Wilk KE. Reabilitação física do atleta. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, p.163-95.

Kendall FP, McCreary EK, Provance PG. Músculos: provas e funções. 4 ed. São Paulo: Manole, 1995, 453p.

Nunciato AC, Pastrelo D, Leite RD, Prestes J, Medalha CC. Treinamento de força e treinamento funcional em adolescente lesado medular – relato de caso. ConScientiae Saúde 2009;8:281-8.

Barbetta DC, Assis MR. Reprodutibilidade, validade e responsividade da escala de Medida de Independência Funcional (MIF) na lesão medular: uma revisão de literatura. Acta Fisiatr 2008;15:176-81.

Mateus SRM. Determinação dos valores de referência das pressões respiratórias estáticas máximas na lesão medular traumática (Tese). Brasília: Universidade de Brasília, 2006, 108p.

Machado MGR. Anatomia e função dos músculos respiratórios. In: Machado MGR. Bases da fisioterapia respiratória: terapia intensiva e reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008, p.1-9.

Hall C, Brody LT. Abordagem funcional ao exercício terapêutico para deficiências fisiológicas. Deficiência no desempenho muscular. In: Hall C, Brody LT. Exercício terapêutico: na busca da função. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007, p.57-87.

Downloads

Publicado

2011-09-30

Como Citar

Bortolloti, L. F., & Tsukamoto, H. F. (2011). Efeitos do treinamento físico sobre a força muscular em paraplégicos. Revista Neurociências, 19(3), 462–471. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8360

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.