Treinamento em Esteira e Fortalecimento Muscular no Tratamento de Hemiparéticos Crônicos

Autores

  • Jonathan Borges de Castro Fisioterapeuta, pós graduando em Fisioterapia Cardiorrespiratória e Hospitalar, UNICSUL, São Paulo-SP, Brasil.
  • Jenifer Cristina Abilel Fisioterapeuta, pós graduando em Fisioterapia Cardiorrespiratória e Hospitalar, UNICSUL, São Paulo-SP, Brasil.
  • Edna Maria Lavísio Médica Especialista em Cardiologia e UTI, Mestranda em Semiótica, Tecnologias da Informação e Educação pela UBC, Professora de Clínica Médica da UNICSUL, São Paulo-SP, Brasil.
  • Juliano Viudes Moraes Fisioterapeuta, pós graduando em Fisioterapia do Trabalho, CBES, São Paulo-SP, Brasil.
  • Alexandre da Silva edna.uematsu@cruzeirodosul.edu.br

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8344

Palavras-chave:

Acidente Cerebral Vascular, Reabilitação, Treinamento de Resistência, Exercício, Teste de Esforço

Resumo

Objetivo. analisar a aptidão cardiorrespiratória, o equilíbrio e a mobilidade de indivíduos hemiparéticos crônicos em resposta a um programa de treinamento em esteira e fortalecimento muscular. Método. Estudo quasi-experimental analítico, com participação de dez indivíduos hemiparéticos de ambos os sexos, com idade entre 40 e 74 anos que realizaram programa de treinamento com sessões de 80 minutos, três vezes por semana durante quatro meses, avaliados por meio do Teste de Esforço em Esteira (TE), Performance-Oriented Mobility Assessment (POMA), Manovacuometria e mensuração da capacidade inspiratória máxima. Na análise estatística foram utilizados Teste T de Student e ANOVA com α=0,05. Resultados. Houve aumento na média da distância percorrida de 145,4% no TE, este apresentou-se eficaz em 20% dos casos na avaliação inicial e em 70% dos casos na final. No teste POMA observou-se melhora de 24,7% no equilíbrio e 14,3% na marcha. A pressão inspiratória máxima aumentou 32,6%, a expiratória 55,25% e a capacidade inspiratória 20%. Conclusão. Os resultados encontrados mostraram que o treinamento em esteira associado ao fortalecimento muscular melhorou a função cardiorrespiratória, a capacidade funcional, equilíbrio e mobilidade dos participantes deste estudo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Teixeira-Salmela LF, Lima RCM, Lima LAO, Morais SG, Goulart F. Assimetria e desempenho funcional em hemiplégicos crônicos antes e após programa de treinamento em academia. Rev Bras Fisioter 2005;9:227-33.

Oliveira RJ. Atividade física e doença cerebrovascular. Rev Bras Ciênc Mov 2001;9:70-8.

Teixeira-Salmela LF, Oliveira ESG, Santana EGSS, Resende GP. Fortalecimento muscular e condicionamento físico em hemiplégicos. Acta Fisiátrica 2000;7:108-18.

Gordon NF, Cochair MG, Gulanick M, Costa F, Fletcher G, Franklin BA, et al. Physical activity and exercise recommendations for stroke survivors. Stroke 2004;35:1230-40. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.0000127303.19261.19

Fernandes MA, Freitas BHPF, Negrini F, Sampaio LMM, Medalha CC. Contribuições da avaliação cardiorrespiratória em pacientes hemiplégicos. Arq Sanny Pesq Saúde 2008;1:90-7.

Luft A, Macko RF, Forrester LW, Goldberg A, Hanley DF. Post-stroke exercise rehabilitation: What we know about retraining the motor system and how it may apply to retraining the heart. Cleveland Clinic Journal of Medicine 2008;75:83-6. http://dx.doi.org/10.3949/ccjm.75.Suppl_2.S83

Teixeira-Salmela LF, Faria CDCM, Guimarães CQ, Goulart F, Parreira VF, Inácio EP, et al. Treinamento físico e destreinamento em hemiplégicos crônicos: impacto na qualidade de vida. Rev bras fisioter 2005;9:347-53.

Teixeira-Salmela LF, Silva PC, Lima RCM, Augusto ACC, Souza AC, Goulart F. Musculação e condicionamento aeróbio na performance funcional de hemiplégicos crônicos. Acta Fisiátrica 2003;10:54-60.

Rimmer JH, Wang E. Aerobic exercise training in stroke survivors. Top Stroke Rehabil 2005;12:17-30. http://dx.doi.org/10.1310/L6HG-8X8N-QC9Q-HHM8

Macko RF, Ivey FM, Forrester LW, Hanley D, Sorkin JD, Katzel LI, et al. Treadmill exercise rehabilitation improves ambulatory function and cardiovascular fitness in patients with chronic stroke: a randomized, controlled trial. Stroke 2005;36:2206-11. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.0000181076.91805.89

Frontera WR, Dawson DM, Slovik DM. Exercício físico e reabilitação. Porto Alegre: Artmed, 2001, p.59-70.

Araújo CGS. Fisiologia do exercício físico e hipertensão arterial: uma breve introdução. Rev Hipertens 2001; 4:78-83.

Michael K, Macko RF. Ambulatory activity intensity profiles, fitness, and fatigue after stroke. Top Stroke Rehabil 2007;14:5-12. http://dx.doi.org/10.1310/tsr1402-5

Mastrocolla LE, Brito AX, Brito FS, Castro I, Godoy M, Alfieri RG, et al. Consenso nacional de ergometria. Arq Bras Cardiol 1995;65:417-23.

Tinneti ME. Performance-oriented assessment of mobility in elderly. J Am Geriatr Soc 1986;34:119-26.

Neder JÁ, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res 1999;32:719-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0100879X1999000600007

Visintin M, Barbeau H, Korner-Bitensky N, Mayo NE. Support and treadmill stimulation a new approach to retrain gait in stroke patients through body weight. Stroke 1998;29:1122-8.

Macko RF, Ivey FM, Forrester LW. Task-oriented aerobic exercise in chronic hemiparetic stroke: training protocols and treatment effects. Top Stroke Rehabil 2005;12:45-57. http://dx.doi.org/10.1310/PJQNKAN9TTVYHYQH

Pires SL, Glagliardi RJ, Gorzoni ML. Estudo da frequência dos principais fatores de risco para acidente vascular cerebral isquêmico em idosos. Arq Neuropsiq 2004;62(3B):844-851. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2004000500020

Duncan P, Studenski S, Richards L, Steven G, Sue ML, Dean R, et al. Randomized clinical trial of therapeutic exercise in subacute stroke. Stroke 2003;34:2173-80. http://dx.doi.org/10.1161/01.STR.0000083699.95351.F2

Mediano MFF, Aragão AHBM, Chame F, Barbosa JSO, Batista LA. Efetividade de um programa de exercícios físicos sobre níveis tensionais em hipertensos controlados. Braz J Biom 2008;2:78-88.

Monteiro MF, Sobral-Filho DC. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Ver Bras Med Esp 2004;10:513-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922004000600008

Potempa K, Lopez M, Braun LT, Szidon JP, Fogg L, Tincknell T. Physicological outcomes of aerobic exercise training in hemiparetic stroke patients. Stroke 1995;26:101-5.

Costa AM, Duarte E. Atividade física e a relação com a qualidade de vida de pessoas com sequelas de acidente vascular isquêmico (AVCI). Rev Bras Ciên e Mov 2002;10;47-54.

Moraes RS, Nóbrega ACL, Castro RRTC, Negrão CE, Stein R, Serra SM, et al. Diretriz de reabilitação cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005;84:431-40.

Suzuky S, Sato M, Okubo T. Expiratory muscle training and sensation of respiratory effort during exercise in normal subjects. Thorax 1995;50:366-70. http://dx.doi.org/10.1136/thx.50.4.366

Caromano FA, Ide MR, Kerbauy RR. Manutenção na prática de exercícios por idosos. Rev Dep Psicol UFF 2006; 18:177-92.

Luft AR, Macko RF, Forrester LW, Villagra F, Ivey F, Sorkin JD, et al. Treadmill exercise activates subcortical neural networks and improves walking after stroke: a randomized controlled trial. Stroke 2008;39:3341-50. http://dx.doi.org/10.1161/STROKEAHA.108.527531

Fredrickson E, Ruff RL, Daly JJ. Physiological cost index as a proxy measure for the oxygen cost of gait in stroke patients. Neuroreh Neural Repair 2007;21:429-34. http://dx.doi.org/10.1177/1545968307300400

Resnick B, Michael K, Shaughnessy M, Nahm EU, Kopunek S, Sorkin J, et al. Inflated perceptions of physical activity after stroke: pairing self-report with physiologic measures. J Phys Act Health 2008;5:308-18.

Macko RF, Smith GV, Dobrovolny CL, Sorkin JD, Goldberg AP, Silver KH. Treadmill training improves fitness reserve in chronic stroke patients. Arch Phys Med Rehabil 2001;82:879-84. http://dx.doi.org/10.1053/apmr.2001.23853

Downloads

Publicado

2011-09-30

Como Citar

Castro, J. B. de, Abilel, J. C., Lavísio, E. M., Moraes, J. V., & Silva, A. da. (2011). Treinamento em Esteira e Fortalecimento Muscular no Tratamento de Hemiparéticos Crônicos. Revista Neurociências, 19(3), 423–432. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8344

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)