Qualidade de vida de cuidadores de crianças com PC ou AVC

Estudo comparativo

Autores

  • Nelio Neves Veiga Junior Graduando em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP, Brasil.
  • Sylvia Maria Ciasca Professora Livre-Docente do Departamento de Neurologia – Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp, Campinas-SP, Brasil.
  • Sonia das Dores Rodrigues Doutora, pesquisadora do Laboratório de Distúrbio, Dificuldade de Aprendizagem e Transtorno da Atenção (DISAPRE) – Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp, Campinas-SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8326

Palavras-chave:

Paralisia Cerebral, Acidente Vascular Cerebral, Qualidade de Vida

Resumo

Objetivo. Avaliar e comparar a qualidade de vida (QV) de cuidadores de crianças com paralisia cerebral ou com acidente vascular cerebral. Método. Trata-se de estudo prospectivo e aleatório, realizado com 21 responsáveis/cuidadores por crianças que tinham diagnóstico de paralisia cerebral (G1) ou de acidente vascular cerebral (G2), atendidas no HC/UNICAMP. Para a avaliação da QV dos cuidadores foi utilizado o questionário da Organização Mundial de Saúde, denominado de WHOQOL-Bref. Resultados. Dentre os 21 entrevistados, 15 eram do G1 e a análise do WHOQOL-Bref mostra que não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos quando se analisou a percepção da QV em função dos diferentes domínios (físico, psicológico, social e ambiental), da idade, do gênero, nível de escolarização e nível de comprometimento motor da criança. Porém, cuidadores de crianças com outras sequelas, além das motoras, apresentaram pior percepção de QV em todos os domínios, sendo que diferença estatisticamente significativa foi identificada no domínio físico. Conclusão. Os domínios pesquisados estão diretamente ligados e interferem no desenvolvimento das crianças e o cuidador emerge como instrumento.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bax M, Goldstein M, Rosenbaum P, Leviton A, Paneth N. Proposed definition and classification of cerebral palsy April 2005. Dev Méd Child Neurol 2005;47:571-6. http://dx.doi.org/10.1017/S001216220500112X

Rotta NT. Paralisia Cerebral: novas perspectivas terapêuticas. Jornal de Pediatria, 2002;78(supl. 1):48-54.

Miranda LP, Resegue R, Figueiras ACM. A criança e o adolescente com problemas do desenvolvimento no ambulatório de pediatria. J. Pediatr. Porto Alegre, 2010;79(S1):S33-S42.

Assis-Madeira EA, Carvalho SG. Paralisia Cerebral e Fatores de Risco ao Desenvolvimento Motor: Uma Revisão Teórica. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, 2009;9:142-63.

Bernard TJ, Goldenberg NA. Pediatric Arterial Ischemic Stroke. Pediatr Clin N Am 2008;55:323-38. http://dx.doi.org/10.1016/j.pcl.2008.01.002

Tabaquim MLM. Paralisia Cerebral: Ensino de Leitura e Escrita, Cadernosde divulgação cultural, 1996, 83p.

Korzeniewski SJ, Birbeck G, DeLano MC, Potchen MJ, Paneth N. A Systematic Review of Neuroimaging for Cerebral Palsy. J Child Neurol 2008;23:216. http://dx.doi.org/10.1177/0883073807307983

Pascual JM, Koenigdsberger MR. Parálisis cerebral: factores de riesgo prenatales. Rev Neurol 2003;37:275-80.

Piovesana AMSG. Encefalopatia crônica (paralisia cerebral): etiologia, classificação e tratamento clínico. In Fonseca LF, Pianetti G, Xavier CC. Compêndio de neurologia infantil. Rio de Janeiro: MEDSI, 2002, p.825-38.

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Espasticidade Focal Disfuncional- Toxina tipo A. (endereço na internet). Brasil: Ministério da Saúde. (atualizado em: setembro de 2007; acessado em: outubro de 2010). Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/cp_espasticidade_focal_disfuncional_2007.pdf

Coll C, Marchesi A, Palacios J. Desenvolvimento Psicológico e Educação (Volume 3): Transtorno de Desenvolvimento e Necessidades Educativas Especiais, 2004;17:253-61.

Worley G. Pediatric stroke. Air Medical Journal 2006;25:59-65. http://dx.doi.org/10.1016/j.amj.2005.12.007

Braun KPJ, Kapelle LJ, Kirkham FJ, De Veber G. Diagnostic pitfalls in paediatric ischemic stroke. Dev Med Child Neurol 2006;48:985-90. http://dx.doi.org/10.1111/j.1469-8749.2006.tb01271.x http://dx.doi.org/10.1017/S0012162206002167

Carvalho RC. Acidente vascular cerebral: atualizações. In: Miotto EC, Lucia MCS, Scaff M. Neuropsicologia e as interfaces com as neurociências. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2007, p.99-105.

Fernandes C; Rodrigo E. AVC na Infância?. ComCiência. Revista Eletrônica de Jornalismo Científico 2009;109: http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=47&id=584.

Saúde faz alerta para AVC em crianças (endereço na internet). São Paulo: Secretaria de Saúde. (atualizado em: 18/02/2010; acessado em: 11/2010). Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/noticias/2010/fevereiro/saude-fazalerta-para-avc-em-criancas

Rodrigues SD, Ciasca SM, Moura-Ribeiro MVL. Ischimec cerebrovascular disease in childhood: cognitive assessment of 15 patients. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:802-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2004000500012

Moura-Ribeiro MVL, Ciasca SM, Vale-Cavalcanti M, Etchebehere ECSC, Camargo EE. Cerebrovascular disease in newborn infants: report of three cases with clinical follow-up and brain spect imaging. Arq Neuropsiquiatr 1999; 57:1005-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000600018

Guimarães IE; Ciasca SM; Moura-Ribeiro MVL. Cerebrovascular disease in childhood: neuropsychological investigation of 14 cases. Arq Neuropsiquiatr 2007;65:41-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000100010

Rocha AP; Afonso DRV; Morais RLS. Relação entre desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral e qualidade de vida relacionada à saúde de seus cuidadores. Fisioter Pesq 2008;15:292-6.

Carvalho JTM, Rodrigues NM, Silva LVC, Oliveira DA. Qualidade de vida das mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral. Fisioter. mov. (Impr.), 2010;23:289-97.

Gondim KM, Pinheiro PNC, Carvalho ZMF. Participação das mães no tratamento dos filhos com Paralisia Cerebral. Rev Rene 2009;10:136-44.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação de qualidade de vida “WHOQOL-Bref. Rev de Saude Pública, 2000;24:178-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Fleck MPA, Leal OF, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, et al. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev Bras Psiquiatr 1999;21: 19-28. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000100006

Prudente COM, Barbosa MA, Porto CC. Relation Between Quality of Life of Mothers of Children With Cerebral Palsy and the Children’s Motor Functioning, After Ten Months of Rehabilitation. Rev Latino-Am Enfermagem, 2010;18:149-55. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000200002

Andrade LM, Costa MFM, Caetano JA, Soares E, Beserra EP. A problemática do cuidador familiar do portador de acidente vascular cerebral. Rev. esc. enferm. USP 2009;43:394-401. http://dx.doi.org/10.1590/S008062342009000100005

Mugno D, Ruta L, D’Arrigo VG, Mazzone L. Impairment of quality of life in parents of children and adolescents with pervasive developmental disorder. Health Qual Life Outcomes. 2007;5:22. http://dx.doi.org/10.1186/1477-7525-5-22

Dumas JE, Wolf LC, Fisman S, Culligan A. Parenting stress, child behavior problems, and dysphoria in parents of children with autism, Down Syndrome, behaviour disorders, and normal development. Exceptionality 1991;2:97-110. http://dx.doi.org/10.1080/09362839109524770

Vasconcelos RLM, Moura TL, Campos TF, Lindquist ARR, Guerra RO. Avaliação do desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral de acordo com níveis de comprometimento motor. Rev Bras Fisioter, 2009; 13:390-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552009005000051

Hurvitz E, Warschausky S, Berg M, Tsai S. Long-Term Functional Outcome of Pediatric Stroke Survivors. Top Stroke Rehabil 2004;11:51-9. http://dx.doi.org/10.1310/CL09-U2QA-9M5A-ANG2

Downloads

Publicado

2011-12-31

Como Citar

Veiga Junior, N. N., Ciasca, S. M., & Rodrigues, S. das D. (2011). Qualidade de vida de cuidadores de crianças com PC ou AVC: Estudo comparativo. Revista Neurociências, 19(4), 602–608. https://doi.org/10.34024/rnc.2011.v19.8326

Edição

Seção

Artigos Originais
##plugins.generic.dates.received## 2019-02-25
##plugins.generic.dates.published## 2011-12-31

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.