Utilização de Pistas Proprioceptivas e Movimentos Oculares na Doença de Machado Joseph:

Estudo de Caso

  • Ariadine Cristine Alves Mendes de Oliveia Fisioterapeutas, Graduadas no Centro Universitário Adventista de São Paulo - UNASP/SP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Aline Cristina Britto Viana Fisioterapeutas, Graduadas no Centro Universitário Adventista de São Paulo - UNASP/SP, São Paulo-SP, Brasil.
  • Rita Helena Duarte Dias Labronici Fisioterapeuta, Mestre em Neurociência – UNIFESP, Responsável pela Disciplina de Neurologia - UNASP/SP, São Paulo-SP, Brasil.
Palavras-chave: Equilíbrio, Fisioterapia, Ataxia, Movimentos Oculares

Resumo

A Doença de Machado-Joseph, também conhecida como ataxia espi­nocerebelar do tipo 3, é considerada uma doença hereditária, progres­siva, categorizada como uma ataxia cerebelar autossômica dominante. Sua sintomatologia está relacionada a um lento progresso, principal­mente de manifestações clínicas como: alterações oculomotoras, es­pasticidade, tremores, marcha atáxica, entre outros. O presente estudo propôs um protocolo fisioterapêutico para melhora do equilíbrio e atividade de vida diária. Foi utilizada a Escala de Equilíbrio de Berg e a Medida de Independência Funcional, os testes foram realizados por um avaliador cego, antes e após a intervenção. O protocolo propos­to foi realizado através de duas pistas proprioceptivas, com diferentes tipos de pisos e obstáculos, utilizando também movimentos oculares. Neste estudo de caso teve a participação de um indivíduo, 27 anos, do sexo masculino, com o diagnóstico clínico de Doença de Machado Joseph. No início apresentava dificuldade de equilíbrio, marcha com apoio de bengala e ajuda de terceiro. Ao término do tratamento, ob­teve melhora do equilíbrio, da atividade de vida diária e correção da marcha. A realização do protocolo fisioterapêutico, pode ser mais um recurso para minimizar a progressão da doença, melhorando assim seu equilíbrio e sua independência funcional.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Bower JM, Parsons LM. O Cerebelo: reconsiderado. Sci Am Bras 2003;16:66-73.

Lundy-Ekman L. Neurociência: fundamentos para a reabilitação. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004, 447p.

Godeiro Junior CO, Felicio AC, Silva SMA, Borges V, Ferraz HB. Abordagem clínica de pacientes com ataxia. Rev Neurocienc. 2007;15:70-5.

Umphred DA. Reabilitação Neurológica. 4ª Ed. Barueri, São Paulo: Manole, 2004, 765p.

Teive HAG, Arruda WO. A família Drew de Walworth: um século após a avaliação inicial finalmente o diagnóstico Doença de Machado-Joseph. Arq Neuropsiquiatr 2004;62:177-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0004282X2004000100034

Rotnes WGV, Orsini M, Bastos VH, Freitas MRG, Nascimento O, Mello MP, et al. Utilização dos movimentos oculares no tratamento da ataxia cerebelar na doença de Machado-Joseph. Rev Neurocienc 2008;16:53-61.

Mumenthaler M, Mattle H, Toub E. Neurologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007, 299p.

Cambier J, Masson M, Deher H. Neurologia. 11ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005, 192p.

Busanello AR, Castro SAFN, Rosa AAA. Disartria e doença de Machado-Joseph: relato de caso. Rev Soc Bras Fonoaudiol, 2007;12:247-51. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342007000300013

Miyamoto ST, Lomberdi Junior I, Berg KO, Ramos LR, Natour J. Brazilian version of the Berg balance scale. Braz J Med Biol Res 2004;37:1411-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-879X2004000900017

Leonardi MM, Lopes GJ, Bezerra PP, Borges APO. Impacto do desequilíbrio estático e dinâmico no risco de quedas em indivíduos com ataxia espinocerebelar. Rev Neurocienc 2009;17:178-82.

Riberto M, Miyazakj MH, Jorge Filho D, Sakamoto H, Battistella LR. Reprodutibilidade da versão brasileira da medida de independência funcional. Rev Acta Fisiat 2001;8:45-52.

Urbscheit, NL. Disfunção cerebelar. In: Umphred DA. Fisioterapia Neurológica. 2 ed. São Paulo: Manole, 1994, p.593-614.

Thomson A, Skinner A, Piercy J. Fisioterapia de Tidy. 12. ed. São Paulo: Santos, 1994, p.441-2.

Crowdy KA, Kaur-Mann D, Cooper HL, Mansfield AG, Offord JL, Marple-Horvat DE. Rehearsal by eye movement improves visuomotor performance in cerebellar patients. Exp Brain Res 2002;146:244-7. http://dx.doi.org/10.1007/s00221-002-1171-0

Horak FB, Macpherson JM. Postural Orientation and equilibrium. In: Rowell LB, Sherpherd JT. Handbook of physiology. New York: Oxford University Press, 1996, p.255-92.

Bankoff ADP, Campelo TS, Ciol P, Zamai CA. Postura e equilíbrio corporal: um estudo das relações existentes. Rev Mov Percep 2006;6:55-70.

Oie KS, Kiemel T, Jeka JJ. Multisensory fusion: simultaneous re-weighting of vision and touch for control of human posture. Cog Brain Res 2002;14:164-76. http://dx.doi.org/10.1016/S0926-6410(02)00071-X

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Oliveia, A. C. A. M. de, Viana, A. C. B., & Labronici, R. H. D. D. (2012). Utilização de Pistas Proprioceptivas e Movimentos Oculares na Doença de Machado Joseph:. Revista Neurociências, 20(1), 73-78. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8312
Seção
Relato de Caso