Características do Sistema Respiratório na Encefalopatia Crônica não Progressiva da Infância

  • Halina Cidrini Ferreira Fisioterapeuta, Doutora em Ciências (UFRJ), Professora Adjunta do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Paralisia Cerebral, Encefalopatia crônica, Sistema respiratório, Criança

Resumo

A Encefalopatia crônica não progressiva da infância (ECI) é definida como um conjunto de sequelas de agressões encefálicas, caracterizadas por transtorno persistente e não invariável, do tônus, da postura e do movimento. Podem ser classificados em: monoplegias, hemiplegias, paraplegias, quadriplegias e diplegias. A ECI também pode promover alterações do trato respiratório que são decorrentes das alterações pos­turais, diminuição da mobilidade, deformidades torácicas, carências nutricionais, acentuado uso de medicações e infecções respiratórias de repetição, com consequente retenção de secreção traqueobrônquica. Dessa maneira, aumenta-se o risco de morbidade e mortalidade por afecções respiratórias. É essencial que os terapeutas se tornem sensíveis aos possíveis déficits neurológicos em qualquer bebê ou criança com atraso no desenvolvimento ou com dificuldades comportamentais. Entretanto, acompanhar o comportamento do sistema respiratório, muitas vezes deixado de lado, é importantíssimo, visto que, co-mor­bidades respiratórias representam o principal motivo de internações e óbito. A associação de uma abordagem neuropsicomotora e respirató­ria torna o tratamento das crianças com disfunção neuromotora mais completo e amplo, com mais chance de sucesso.

Métricas

Carregando métricas...

Referências

Robertson C, Sauve RS, Christianson HE. Province-based study of neurologic disability among survivors weighing 500 through 1249 grams at birth. Pediatrics 1994;93:636-40.

Rotta NT. Encefalopatia crônica da infância ou paralisia cerebral. In: Porto CC. Semiologia Médica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, p.1276-8.

Fonseca LF, Pianetti G, Xavier C. Compêndio de neurologia infantil. São Paulo: Medsi, 2002, 1014p.

Jacques KC, Drumond NR, Andrade SAF, Chaves Júnior IP, Toffol WC. Eficácia da hidroterapia em crianças com encefalopatia crônica não progressiva da infância: revisão sistemática. Fisioter Mov 2010;23:53-61. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502010000100005

Zanini G, Cemin NF, Peralles SN. Paralisia Cerebral: causas e prevalências. Fisioter Mov 2009;3:375-81.

Souza SEM. Tratamento das Doenças Neurológicas. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008, 976p.

Koman LA, Smith BP, Shilt JS. Cerebral palsy. Lancet 2004;363:1619-31. http://dx.doi.org/10.1016/S01406736(04)16207-7

Blitz RK, Wechtel RC, Blackmon I. Neurodevelopmental outcome of extremely low birth weight infants in Maryland. Md Med J 1997;46:18-24.

Scherzer AL, Tscharnuter I. Early diagnosis and therapy in cerebral palsy: A primer on infant developmental problems. Arch Dis Child 1983:58:757-9. http://dx.doi.org/10.1136/adc.58.9.757

Bax M, Goldstein M, Rosenbaum P, Leviton A, Panteth N, Dan B, et al. Proposed definition and classification of cerebral palsy. Dev Med Child Neurol 2005;47:571-6. http://dx.doi.org/10.1017/S001216220500112X

Slutzky LC. Fisioterapia Respiratória nas Enfermidades Neurológicas. Rio de Janeiro: Revinter, 1997, 341p.

Barbosa S. Fisioterapia respiratória: encefalopatia crônica da infância. Rio de Janeiro, RJ: Revinter, 2002, 157p.

Borges MBS, Galigali AT, Assad RA. Prevalência de distúrbios respiratórios em crianças com paralisia cerebral na clínica escola de fisioterapia dauniversidade católica de Brasília. Fisioterapia em movimento 2005;18:37-47.

Park ES, Park JH, Rha DW. Comparison of the ratio of upper to lower chest wall in children with spastic quadriplegic cerebral palsy and normally developed children. Yonsei Med J 2006;47:237-42. http://dx.doi.org/10.3349/ymj.2006.47.2.237

West JB. Fisiologia respiratória: princípios básicos. 8 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008, 232p.

Scanlan CL, Wilkins RL, Stoller JK. Fundamentos da terapia respiratória de Egan. 7 ed. Barueri: Manole, 2000, 1291p.

Kendall E, Provance PG. Músculos provas e funções. 4 ed. São Paulo: Manole, 1995, 507p.

Ersoz M, Selçuk B, Gunduz R. Decreased chest mobility in children with spastic cerebral palsy. Turk J Pediatr 2006;48:344-50.

Reid DT, Sochaniwskyj A. Effects of anteriortipped seating on respiratory function of normal children and children with cerebral palsy. Int J Rehabil Res 1991;14:203-12. http://dx.doi.org/10.1097/0000435619910900000003

Lianza S. Medicina de Reabilitação. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001, 1975p.

Burns Y, Macdonald J. Fisioterapia e Crescimento na Infância. São Paulo: Santos Livraria Editora, 1999, 516p.

Levitt S. O Tratamento da Paralisia Cerebral e do Retardo motor. 3. ed. São Paulo: Manole, 2001, 300p.

Badaró AF. Efeitos da Escoliose sobre a Função Pulmonar. Fisioterapia em Movimento 1985;8:25-47.

Berhman RE, Kliegman RM, Jenson HBN. Tratado de Pediatria. 16 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002, 640p.

Schidlow DV, Smith DS. Doenças Respiratórias em Pediatria: Diagnóstico e Tratamento. Rio de Janeiro: Revinter, 1999, 720p.

Stokes M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Premier, 2000, 314p.

Ramos JRJ. Semiotécnica da Observação Clínica. 7 ed. São Paulo: Sarvier, 1995, 868p.

Ratliffe KT. Fisioterapia na Clínica Pediátrica - Guia para a Equipe de Fisioterapeutas. São Paulo: Santos, 2000, 506p.

Braddom RL. Physical Medicine & Rehabilitation. Philadelphia, Pennsylvania: W. B. Sauders Company, 1996, 1435p.

Delisa JA. Medicina de Reabilitação: Princípios e Prática. Vol. 2. São Paulo: Manole, 1992, 1975p.

Shepherd RB. Fisioterapia em Pediatria. 3 ed. São Paulo: Santos Livraria Editora, 1996, 421p.

Greve JMDA, Amatuzzi MM. Medicina de Reabilitação Aplicada à Ortopedia e Traumatologia. São Paulo: Roca, 1999, 460p.

Hill CM, Parker RC, Allen P, Paul A, Padoa KA. Sleep quality and respiratory function in children with severe cerebral palsy using night-time postural equipment. Acta Paediatr 2009;98:1809-14. http://dx.doi.org/10.1111/j.1651-2227.2009.01441.x

Leopando MT, Moussavi Z, Holbrow J. Effect of a Soft Boston Orthosis on pulmonary mechanics in severe cerebral palsy. Pediatr Pulmonol 1999;28:53-8. http://dx.doi.org/10.1002/(SICI)10990496(199907)28:1<53::AIDPPUL9>3.0.CO;2-2

Leite JMRS, Prado GF. Paralisia cerebral. Aspectos Fisioterapêuticos e clínicos. Neurociências 2004;12:41-5.

Nicolau CM, Lahóz AN. Fisioterapia respiratória em terapia intensiva pediátrica e neonatal: uma revisão baseada em evidências. Pediatria 2007;29:216-21.

Publicado
2012-03-31
Como Citar
Ferreira, H. C. (2012). Características do Sistema Respiratório na Encefalopatia Crônica não Progressiva da Infância. Revista Neurociências, 20(1), 101-108. https://doi.org/10.34024/rnc.2012.v20.8307
Seção
Artigos de Revisão